2.6.11

Um lindo aniversário, Mariela



A cada encontro fuera em Brasil o em Cuba, Rosy insistia nos livros, revistas, dicionários, fotos do Rio. E,lá ia ela ou eu numa ida e volta ao Caribe carregada de tudo que lembrasse o Brasil.
-Você não sabe Miriam ela adora e sabe tudo do Brasil. Tudo. É uma paixão inacreditável.
- Mas, tão menina! Como conhece tanto? De onde vem este amor tão lindo pela minha pátria. Assim cresceu amando o Brasil.
Em uma de suas vindas para conhecer a Nicholas, meu neto, recém nascido decidi com Rosy. O melhor presente de férias é trazê-la ao Brasil. Vamos convidá-la?
- Impossível. Não creio que sua mãe deixe é filha única. Você sabe como são essas coisas.
- Rosy agora não vou desistir. Esta garota vem passar as férias aqui. Sentir o cheiro do nosso mar, tocar o chão deste País.
- Ya tu! Vamos ver.
- llamo a su mamá le explico que es un regalo por sus óptimas notas en la escuela, y en uno piscar de ojos ella estará aquí.
- Deja Rosy. No conoces a Mirian. Cuando mete una cosa en la cabeza nadie la de mueve de sus intentos – argumentó el dulce trovador Augusto. Que asi sea.
- Vamos. Dame el telefono de su madre. Hablo con ella, y tengo la certeza que lograremos.
Pero Rosy este número este de Maria de los Angeles? Ella puede nos ayudar a convencer a la mama de la muchacha? Es esto?
Mirian, Mary es la mamá de Mariela.
-Qué? Imposible. La sobrina de Silvio, la hija de Raulito – o último embaixador de Cuba, depois do rompimento das relações diplomáticas em 1964? Raul Roa Kouri. Casualidad en demasía.
Mariela nasceu quando voltei ao Brasil com a anistia. Em todas as ocasiões que estive em Cuba, Mary, Raulito y la bebita estavam fora em missão diplomática. Conhecer mi pequeña quedaba postrergada siempre.
Estas casualidades inexplicables son las que nos suelen ganar los maiores regalos de la vida, las amistades que transciende todas las tempestades. E, assim foi. Em uma noite fria de Júlio chegou Mariela e Maria de los Angeles. Hace años.
Fueron los dias más lindos de mi vida. Pasábamos horas hablando mi pátria. Sus costumbres, colores, su ancestralita, su música, las matas que bordejan, el olor de mar, las puestas de sol. Hasta contábamos estrellas sentadas en las noches más cálidas a la borda de la piscina!
Hicimos todo lo viable en aquellos días en que sus manitos de adolescente curiosa y sensible quedó helada cuando vió el lugar en que su papá vivía cuando era embajador por acá.
Nos apasionamos. Divido com Maria de los Angeles este amor que nutro por la dulce Mariela. Somos confidentes. Ella de mis dolores, de mis amores, de mis saudades. Yo de los suyos. Fui testigo del instante en que la mirada de Patricio alcanzó el corazón de mi hija en la varanda de la casa de Waldo Leyva, exatamente una noche muy especial para mi, el lanzamiento de ”Em esta terra, em este Instante na Feira Internacional do Livro en Havana.
Passaram los años, Mariela y Patricio – un trovador chileno – huésped de la ternura – esperan la llegada dentro em poco de Melissa, completando el ciclo de la vida. Melissa ya llega impreganda de los sonidos brasileiros. Me conoce, sabe de mim todos los días – em portugués – para que quando llegue ya sepa de quem se trata al oírme.
Mariela, mi chiquita preciosa, cumple años. Todos los sueños, todos los deseos, todo lo bueno, me suenan poco para desearle. Que sea muy feliz. Que seja eternamente feliz. Y sepas querida mia que desde um Rio de Janeiro, quisás tan frio hoy cuanto Santiago de Chile te envió a través de la brisa que toca mi rostro el más suave cariño. Que mis estrellas huyeran de mi cielo hasta el tuyo para colmarte de besos.
Felicidades.
Marília, Eduardo, Marcello, Eduardo, Nicholas, Vitória, y Pablo.

Um lindo aniversário, Mariela



A cada encontro fuera em Brasil o em Cuba, Rosy insistia nos livros, revistas, dicionários, fotos do Rio. E,lá ia ela ou eu numa ida e volta ao Caribe carregada de tudo que lembrasse o Brasil.
-Você não sabe Miriam ela adora e sabe tudo do Brasil. Tudo. É uma paixão inacreditável.
- Mas, tão menina! Como conhece tanto? De onde vem este amor tão lindo pela minha pátria. Assim cresceu amando o Brasil.
Em uma de suas vindas para conhecer a Nicholas, meu neto, recém nascido decidi com Rosy. O melhor presente de férias é trazê-la ao Brasil. Vamos convidá-la?
- Impossível. Não creio que sua mãe deixe é filha única. Você sabe como são essas coisas.
- Rosy agora não vou desistir. Esta garota vem passar as férias aqui. Sentir o cheiro do nosso mar, tocar o chão deste País.
- Ya tu! Vamos ver.
- llamo a su mamá le explico que es un regalo por sus óptimas notas en la escuela, y en uno piscar de ojos ella estará aquí.
- Deja Rosy. No conoces a Mirian. Cuando mete una cosa en la cabeza nadie la de mueve de sus intentos – argumentó el dulce trovador Augusto. Que asi sea.
- Vamos. Dame el telefono de su madre. Hablo con ella, y tengo la certeza que lograremos.
Pero Rosy este número este de Maria de los Angeles? Ella puede nos ayudar a convencer a la mama de la muchacha? Es esto?
Mirian, Mary es la mamá de Mariela.
-Qué? Imposible. La sobrina de Silvio, la hija de Raulito – o último embaixador de Cuba, depois do rompimento das relações diplomáticas em 1964? Raul Roa Kouri. Casualidad en demasía.
Mariela nasceu quando voltei ao Brasil com a anistia. Em todas as ocasiões que estive em Cuba, Mary, Raulito y la bebita estavam fora em missão diplomática. Conhecer mi pequeña quedaba postrergada siempre.
Estas casualidades inexplicables son las que nos suelen ganar los maiores regalos de la vida, las amistades que transciende todas las tempestades. E, assim foi. Em uma noite fria de Júlio chegou Mariela e Maria de los Angeles. Hace años.
Fueron los dias más lindos de mi vida. Pasábamos horas hablando mi pátria. Sus costumbres, colores, su ancestralita, su música, las matas que bordejan, el olor de mar, las puestas de sol. Hasta contábamos estrellas sentadas en las noches más cálidas a la borda de la piscina!
Hicimos todo lo viable en aquellos días en que sus manitos de adolescente curiosa y sensible quedó helada cuando vió el lugar en que su papá vivía cuando era embajador por acá.
Nos apasionamos. Divido com Maria de los Angeles este amor que nutro por la dulce Mariela. Somos confidentes. Ella de mis dolores, de mis amores, de mis saudades. Yo de los suyos. Fui testigo del instante en que la mirada de Patricio alcanzó el corazón de mi hija en la varanda de la casa de Waldo Leyva, exatamente una noche muy especial para mi, el lanzamiento de ”Em esta terra, em este Instante na Feira Internacional do Livro en Havana.
Passaram los años, Mariela y Patricio – un trovador chileno – huésped de la ternura – esperan la llegada dentro em poco de Melissa, completando el ciclo de la vida. Melissa ya llega impreganda de los sonidos brasileiros. Me conoce, sabe de mim todos los días – em portugués – para que quando llegue ya sepa de quem se trata al oírme.
Mariela, mi chiquita preciosa, cumple años. Todos los sueños, todos los deseos, todo lo bueno, me suenan poco para desearle. Que sea muy feliz. Que seja eternamente feliz. Y sepas querida mia que desde um Rio de Janeiro, quisás tan frio hoy cuanto Santiago de Chile te envió a través de la brisa que toca mi rostro el más suave cariño. Que mis estrellas huyeran de mi cielo hasta el tuyo para colmarte de besos.
Felicidades.
Marília, Eduardo, Marcello, Eduardo, Nicholas, Vitória, y Pablo.

30.5.11

A proposta dos familiares de mortos e desaparecidos políticos


Comissão da Verdade

A proposta elaborada pelos familiares dos mortos e desaparecidos pela ditadura civil-militar e os elementos considerados fundamentais pela Comissão de Familiares para garantir tal instituição, são apresentados neste texto. clique aqui para ler
Segundo a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos, a criação de uma Comissão de Verdade pode ter méritos ou pode apresentar riscos para a busca do esclarecimento histórico, pode contribuir ou não para a realização da justiça e o aprofundamento da democracia. O debate sobre a proposta de criação de uma Comissão de Verdade deve se centrar em suas funções, poderes, competências e garantias mecanismos que permitam assegurar melhor efetividade. Para satisfazer o direito a verdade que corresponde às vitimas e a toda à sociedade brasileira, uma Comissão de Verdade deve ser efetiva, autônoma, independente e justa.

http://idejust.files.wordpress.com/2011/05/familiares-comissao-da-verdade.pdf

A proposta dos familiares de mortos e desaparecidos políticos


Comissão da Verdade

A proposta elaborada pelos familiares dos mortos e desaparecidos pela ditadura civil-militar e os elementos considerados fundamentais pela Comissão de Familiares para garantir tal instituição, são apresentados neste texto. clique aqui para ler
Segundo a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos, a criação de uma Comissão de Verdade pode ter méritos ou pode apresentar riscos para a busca do esclarecimento histórico, pode contribuir ou não para a realização da justiça e o aprofundamento da democracia. O debate sobre a proposta de criação de uma Comissão de Verdade deve se centrar em suas funções, poderes, competências e garantias mecanismos que permitam assegurar melhor efetividade. Para satisfazer o direito a verdade que corresponde às vitimas e a toda à sociedade brasileira, uma Comissão de Verdade deve ser efetiva, autônoma, independente e justa.

http://idejust.files.wordpress.com/2011/05/familiares-comissao-da-verdade.pdf

29.5.11

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência - CUMPRA-SE!


Para:V. Ex.a Presidenta da República Federativa do Brasil Dilma Rousseff, Ministro da Educação, Ministra dos Direitos Humanos, Senadores, Deputados Federais, Deputados Estaduais e Vereadores brasileiros.
Em defesa do Direito Indisponível à Educação para Todos e Todas e da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, que tem por base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU - CDPD:

No ano de 2006, quatro anos depois do início dos debates e das negociações que resultaram na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, um sopro de ar fresco e esperança tomou conta do nosso país. Os 33 artigos de conteúdo e os 17 do protocolo facultativo da Convenção foram ratificados com quorum previsto no art. 5°, § 3° da Constituição Federal. A aprovação com o quorum qualificado de três quintos dos votos dos membros da Câmara e Senado Federal, em dois turnos, garantiu ao tratado o status de normal constitucional, e esse fato ocorreu em 9 de julho de 2008, tornando esse dia um marco histórico para a sociedade brasileira.

A ratificação, que foi fruto de incansável e intenso trabalho de pessoas com e sem deficiência de todos os cantos do Brasil, foi mais uma prova da força do movimento de defesa dos direitos da pessoas com deficiência/direitos humanos e de suas lideranças, que disseram não ao modelo de saúde/assistencialismo que antes imperava.

Os princípios e as obrigações gerais da CDPD colocam o artigo 24 em evidência, pois o exercício da cidadania, a equiparacão de direitos e a igualdade de oportunidades e de condicões, bem como a eliminação da discriminação, dependem do acesso e da permanência na educação, com todos os sistemas inclusivos e recursos disponiblizados, com inclusão, acessibilidade e prevalência do desenho universal.

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: Decreto Legislativo nº. 186, de 9 de julho de 2008 e do Decreto Executivo nº 6.949, de 25 de agosto de 2009
ARTIGO 24 - EDUCAÇÃO.

1. Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência à educação. Para efetivar esse direito sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades, os Estados Partes assegurarão sistema educacional inclusivo em todos os níveis, bem como o aprendizado ao longo de toda a vida, com os seguintes objetivos:
a) O pleno desenvolvimento do potencial humano e do senso de dignidade e auto-estima, além do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades fundamentais e pela diversidade humana;
b) O máximo desenvolvimento possível da personalidade e dos talentos e da criatividade das pessoas com deficiência, assim como de suas habilidades físicas e intelectuais;
c) A participação efetiva das pessoas com deficiência em uma sociedade livre.

2. Para a realização desse direito, os Estados Partes assegurarão que:
a) As pessoas com deficiência não sejam excluídas do sistema educacional geral sob alegação de deficiência e que as crianças com deficiência não sejam excluídas do ensino primário gratuito e compulsório ou do ensino secundário, sob alegação de deficiência;
b) As pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino primário inclusivo, de qualidade e gratuito, e ao ensino secundário, em igualdade de condições com as demais pessoas na comunidade em que vivem;
c) Adaptações razoáveis de acordo com as necessidades individuais sejam providenciadas;
d) As pessoas com deficiência recebam o apoio necessário, no âmbito do sistema educacional geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação;
e) Medidas de apoio individualizadas e efetivas sejam adotadas em ambientes que maximizem o desenvolvimento acadêmico e social, de acordo com a meta de inclusão plena.
3. Os Estados Partes assegurarão às pessoas com deficiência a possibilidade de adquirir as competências práticas e sociais necessárias de modo a facilitar às pessoas com deficiência sua plena e igual participação no sistema de ensino e na vida em comunidade. Para tanto, os Estados Partes tomarão medidas apropriadas, incluindo:
a) Facilitação do aprendizado do braille, escrita alternativa, modos, meios e formatos de comunicação aumentativa e alternativa, e habilidades de orientação e mobilidade, além de facilitação do apoio e aconselhamento de pares;
b) Facilitação do aprendizado da língua de sinais e promoção da identidade lingüística da comunidade surda;
c) Garantia de que a educação de pessoas, em particular crianças cegas, surdocegas e surdas, seja ministrada nas línguas e nos modos e meios de comunicação mais adequados ao indivíduo e em ambientes que favoreçam ao máximo seu desenvolvimento acadêmico e social.
d.A fim de contribuir para o exercício desse direito, os Estados Partes tomarão medidas apropriadas para empregar professores, inclusive professores com deficiência, habilitados para o ensino da língua de sinais e/ou do braille, e para capacitar profissionais e equipes atuantes em todos os níveis de ensino. Essa capacitação incorporará a conscientização da deficiência e a utilização de modos, meios e formatos apropriados de comunicação aumentativa e alternativa, e técnicas e materiais pedagógicos, como apoios para pessoas com deficiência.
5.Os Estados Partes assegurarão que as pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino superior em geral, treinamento profissional de acordo com sua vocação, educação para adultos e formação continuada, sem discriminação e em igualdade de condições. Para tanto, os Estados Partes assegurarão a provisão de adaptações razoáveis para pessoas com deficiência.

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência - CUMPRA-SE!


Para:V. Ex.a Presidenta da República Federativa do Brasil Dilma Rousseff, Ministro da Educação, Ministra dos Direitos Humanos, Senadores, Deputados Federais, Deputados Estaduais e Vereadores brasileiros.
Em defesa do Direito Indisponível à Educação para Todos e Todas e da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, que tem por base a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da ONU - CDPD:

No ano de 2006, quatro anos depois do início dos debates e das negociações que resultaram na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, um sopro de ar fresco e esperança tomou conta do nosso país. Os 33 artigos de conteúdo e os 17 do protocolo facultativo da Convenção foram ratificados com quorum previsto no art. 5°, § 3° da Constituição Federal. A aprovação com o quorum qualificado de três quintos dos votos dos membros da Câmara e Senado Federal, em dois turnos, garantiu ao tratado o status de normal constitucional, e esse fato ocorreu em 9 de julho de 2008, tornando esse dia um marco histórico para a sociedade brasileira.

A ratificação, que foi fruto de incansável e intenso trabalho de pessoas com e sem deficiência de todos os cantos do Brasil, foi mais uma prova da força do movimento de defesa dos direitos da pessoas com deficiência/direitos humanos e de suas lideranças, que disseram não ao modelo de saúde/assistencialismo que antes imperava.

Os princípios e as obrigações gerais da CDPD colocam o artigo 24 em evidência, pois o exercício da cidadania, a equiparacão de direitos e a igualdade de oportunidades e de condicões, bem como a eliminação da discriminação, dependem do acesso e da permanência na educação, com todos os sistemas inclusivos e recursos disponiblizados, com inclusão, acessibilidade e prevalência do desenho universal.

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: Decreto Legislativo nº. 186, de 9 de julho de 2008 e do Decreto Executivo nº 6.949, de 25 de agosto de 2009
ARTIGO 24 - EDUCAÇÃO.

1. Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência à educação. Para efetivar esse direito sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades, os Estados Partes assegurarão sistema educacional inclusivo em todos os níveis, bem como o aprendizado ao longo de toda a vida, com os seguintes objetivos:
a) O pleno desenvolvimento do potencial humano e do senso de dignidade e auto-estima, além do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades fundamentais e pela diversidade humana;
b) O máximo desenvolvimento possível da personalidade e dos talentos e da criatividade das pessoas com deficiência, assim como de suas habilidades físicas e intelectuais;
c) A participação efetiva das pessoas com deficiência em uma sociedade livre.

2. Para a realização desse direito, os Estados Partes assegurarão que:
a) As pessoas com deficiência não sejam excluídas do sistema educacional geral sob alegação de deficiência e que as crianças com deficiência não sejam excluídas do ensino primário gratuito e compulsório ou do ensino secundário, sob alegação de deficiência;
b) As pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino primário inclusivo, de qualidade e gratuito, e ao ensino secundário, em igualdade de condições com as demais pessoas na comunidade em que vivem;
c) Adaptações razoáveis de acordo com as necessidades individuais sejam providenciadas;
d) As pessoas com deficiência recebam o apoio necessário, no âmbito do sistema educacional geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação;
e) Medidas de apoio individualizadas e efetivas sejam adotadas em ambientes que maximizem o desenvolvimento acadêmico e social, de acordo com a meta de inclusão plena.
3. Os Estados Partes assegurarão às pessoas com deficiência a possibilidade de adquirir as competências práticas e sociais necessárias de modo a facilitar às pessoas com deficiência sua plena e igual participação no sistema de ensino e na vida em comunidade. Para tanto, os Estados Partes tomarão medidas apropriadas, incluindo:
a) Facilitação do aprendizado do braille, escrita alternativa, modos, meios e formatos de comunicação aumentativa e alternativa, e habilidades de orientação e mobilidade, além de facilitação do apoio e aconselhamento de pares;
b) Facilitação do aprendizado da língua de sinais e promoção da identidade lingüística da comunidade surda;
c) Garantia de que a educação de pessoas, em particular crianças cegas, surdocegas e surdas, seja ministrada nas línguas e nos modos e meios de comunicação mais adequados ao indivíduo e em ambientes que favoreçam ao máximo seu desenvolvimento acadêmico e social.
d.A fim de contribuir para o exercício desse direito, os Estados Partes tomarão medidas apropriadas para empregar professores, inclusive professores com deficiência, habilitados para o ensino da língua de sinais e/ou do braille, e para capacitar profissionais e equipes atuantes em todos os níveis de ensino. Essa capacitação incorporará a conscientização da deficiência e a utilização de modos, meios e formatos apropriados de comunicação aumentativa e alternativa, e técnicas e materiais pedagógicos, como apoios para pessoas com deficiência.
5.Os Estados Partes assegurarão que as pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino superior em geral, treinamento profissional de acordo com sua vocação, educação para adultos e formação continuada, sem discriminação e em igualdade de condições. Para tanto, os Estados Partes assegurarão a provisão de adaptações razoáveis para pessoas com deficiência.

II Caminhada pela Adoção -Hoje, às 10:00 horas Copacabana

Queridos Amigos;
II Caminhada pela Adoção, a ser realizada no dia 29 de maio, na Praia de Copacabana, às 10 horas, com concentração no Posto 6. A camihada é de iniciativa do Presidente da Frente Parlamentar Pró Adoção, Deputado Sabino.
A Comissão Organizadora pede que usemos as camisetas com nosso logo e que, se possível, levemos uma faixa marcando a presença de Cada Grupo de Apoio à Adoção.
Estamos comomerando o dia nacional da Adoção – 25 de maio -, em meio a notícias tristes: abandono de crianças em lixões, em banheiros de hospital, em terrenos baldios. Morte de criança por asfixiamento em carro. Enquanto tudo isso acontece milhares de crianças são “filhas do estado” e pemanecem institucionalizadas por falta de quem as adote. Precisamos quebrar o preconceito com relação à criança dos sonhos. Acriança do sonho deve ser substituída pela criança real.

II Caminhada pela Adoção -Hoje, às 10:00 horas Copacabana

Queridos Amigos;
II Caminhada pela Adoção, a ser realizada no dia 29 de maio, na Praia de Copacabana, às 10 horas, com concentração no Posto 6. A camihada é de iniciativa do Presidente da Frente Parlamentar Pró Adoção, Deputado Sabino.
A Comissão Organizadora pede que usemos as camisetas com nosso logo e que, se possível, levemos uma faixa marcando a presença de Cada Grupo de Apoio à Adoção.
Estamos comomerando o dia nacional da Adoção – 25 de maio -, em meio a notícias tristes: abandono de crianças em lixões, em banheiros de hospital, em terrenos baldios. Morte de criança por asfixiamento em carro. Enquanto tudo isso acontece milhares de crianças são “filhas do estado” e pemanecem institucionalizadas por falta de quem as adote. Precisamos quebrar o preconceito com relação à criança dos sonhos. Acriança do sonho deve ser substituída pela criança real.