Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho 29, 2012

Coordenadora da redes das redes em defesa da humanidade ganha Premio Nacional de Cultura

Queridos amigos y amigas, Reciban un fraternal abrazo en la ocasión de compartir con ustedes el honor y la alegría de haber sido galardonada con el Premio Nacional de Cultura, en el área de Humanidades. Premio bianual que otorga el Estado venezolano a quienes con sus aportes y trayectoria de vida han contribuido a enriquecer el patrimonio cultural de la nación. Puesto que ustedes me han acompañado a lo largo de esa trayectoria recibo este premio en nombre de todos y todas, y lo tomo como reconocimiento colectivo. Con todo mi afecto, Carmen Bohórquez

Coordenadora da redes das redes em defesa da humanidade ganha Premio Nacional de Cultura

Queridos amigos y amigas, Reciban un fraternal abrazo en la ocasión de compartir con ustedes el honor y la alegría de haber sido galardonada con el Premio Nacional de Cultura, en el área de Humanidades. Premio bianual que otorga el Estado venezolano a quienes con sus aportes y trayectoria de vida han contribuido a enriquecer el patrimonio cultural de la nación. Puesto que ustedes me han acompañado a lo largo de esa trayectoria recibo este premio en nombre de todos y todas, y lo tomo como reconocimiento colectivo. Con todo mi afecto, Carmen Bohórquez

MUITO PRAZER GABRIEL GARCIA MARQUEZ

As pedrinhas de gelo   desenvolviam uma coreografia singular mergulhadas no Campari   brincado de pique -   esconde,   enquanto a lua esplendidamente discreta   ganhava espaço entre os últimos momentos do Por de sol, e a noite manhosa chegando pé ante pé morta de medo de ofuscar o descanso do rei e os segredos trocados entre   Wladimir Padilla e a brasileira livre de ser virgem, livre de prejuízos em mais um anoitecer Havaneiro.   Ninguém ousaria   profanar a conquista, nem o sim pelo não, nem a espera de tantos meses entre a gélida Moscou e o calor agoniante de mais um julho caribenho.   O susto topou forte contra   o instante mágico, vindo da campainha intrusa ,interrompendo   o beijo   cuidadosamente orquestrado. Esperaaa!   Vou atender. Perai! – Tropeçando abri a porta sem graça, sem vontade de fazê-lo tão somente impelida pelo   dever . Portas devem ser abertas ao toque das campainhas. Inoportunas ou não. Muito Prazer – Gabriel Garcia Marques –   Gabo, para os amigos.     Entrou

MUITO PRAZER GABRIEL GARCIA MARQUEZ

As pedrinhas de gelo   desenvolviam uma coreografia singular mergulhadas no Campari   brincado de pique -   esconde,   enquanto a lua esplendidamente discreta   ganhava espaço entre os últimos momentos do Por de sol, e a noite manhosa chegando pé ante pé morta de medo de ofuscar o descanso do rei e os segredos trocados entre   Wladimir Padilla e a brasileira livre de ser virgem, livre de prejuízos em mais um anoitecer Havaneiro.   Ninguém ousaria   profanar a conquista, nem o sim pelo não, nem a espera de tantos meses entre a gélida Moscou e o calor agoniante de mais um julho caribenho.   O susto topou forte contra   o instante mágico, vindo da campainha intrusa ,interrompendo   o beijo   cuidadosamente orquestrado. Esperaaa!   Vou atender. Perai! – Tropeçando abri a porta sem graça, sem vontade de fazê-lo tão somente impelida pelo   dever . Portas devem ser abertas ao toque das campainhas. Inoportunas ou não. Muito Prazer – Gabriel Garcia Marques –   Gabo, para os am

MUITO PRAZER - 2o. capitulo

MUITO PRAZER!   2º capitulo Así mismo recuerdo cuánto nos ayudó em aquella declaración de identidade com Brasil que hicimos em 1971,cantando la música de sus trovadores...} me recuerda Silvio Rodriguez em la portada de uno de mis libros. Ali, em uma das salas do ICAIC – Instituto cubano de cinema – entre guitarras, risos, acordes, fonética difícil entre o B e o V – complicado falar você argumentava Pablito repetida centenas de vezes, Entrelaçada entre canções de Chico, Gil, Vinicius conheci Viglietti. Anos difíceis. Anos de guerra, torturas, llantos, muchos sueños, parcas alegrias. Mas, aquele   grupo de jovens saídos das trincheiras da Revolução Cubana formavam um elo de amor através de suas canções unindo o mundo. Atada a Sol maior, Lá menor , misturada nos acordes 3\4 passaram 40 anos. Jamais nos perdemos, nem nos sonhos, nem na guerra, muito menos na solidariedade e união. Poucos ficaram para trás. Alguns viraram saudade – como Nicola – o amor maior de todos os amores, outros se d

MUITO PRAZER - 2o. capitulo

MUITO PRAZER!   2º capitulo Así mismo recuerdo cuánto nos ayudó em aquella declaración de identidade com Brasil que hicimos em 1971,cantando la música de sus trovadores...} me recuerda Silvio Rodriguez em la portada de uno de mis libros. Ali, em uma das salas do ICAIC – Instituto cubano de cinema – entre guitarras, risos, acordes, fonética difícil entre o B e o V – complicado falar você argumentava Pablito repetida centenas de vezes, Entrelaçada entre canções de Chico, Gil, Vinicius conheci Viglietti. Anos difíceis. Anos de guerra, torturas, llantos, muchos sueños, parcas alegrias. Mas, aquele   grupo de jovens saídos das trincheiras da Revolução Cubana formavam um elo de amor através de suas canções unindo o mundo. Atada a Sol maior, Lá menor , misturada nos acordes 3\4 passaram 40 anos. Jamais nos perdemos, nem nos sonhos, nem na guerra, muito menos na solidariedade e união. Poucos ficaram para trás. Alguns viraram saudade – como Nicola – o amor maior de todos os amores, out

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeiros   vindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado se

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeiros   vindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e