Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 18, 2011

2012 - Revovar a vida

A todos que compartilharam comigo os mesmos ideais que renovemos a vida, os sonhos, a força para seguir lutando por um mundo melhor. Que a liberdade, a justiça, os encontros, e a solidariedade sejam a meta maior em 2012.
Feliz Ano novo

Marilia Guimarães

2012 - Revovar a vida

A todos que compartilharam comigo os mesmos ideais que renovemos a vida, os sonhos, a força para seguir lutando por um mundo melhor. Que a liberdade, a justiça, os encontros, e a solidariedade sejam a meta maior em 2012.
Feliz Ano novo

Marilia Guimarães

Entre o azul e o medo

Amanhecia quando me banhei, lavei a cabeça, preparei –me linda para chegar à Clinica São Clemente. Dr. Cabral esperava tranquilo, confiante. Em pouco, estava na sala de operações. Eduardo deveria ser retirado antes que a bilirrubina subisse mais do suportável, para o bebê. Com RH negativo – década de sessenta – sem a tecnologia de hoje, uma cesariana era a solução.
Rápido dois olhinhos azuis olhavam ao redor. Num corre corre, médicos, enfermeiras manipulavam a retirada troca do sangue através do cordão umbilical. Anestesiada apenas soube do resultado.
- Excelente. Não tenho dúvidas que foi um sucesso – alegou Dr. Michael Sader.
Horas depois já recuperada do anestésico admirando as folhas balançando ao vento, entrou Marcello subindo na cama, quase me arrebentando os pontos para comemorar a chegada de seu irmãozinho. Faltavam dois dias para que ele fizesse um ano. Falando pelos cotovelos diz que Edu lindo. Lindo. Lindo e mexe com as mãozinhas.
- Gostou.
- Gostei. Ele vai brinca comigo. …

Entre o azul e o medo

Amanhecia quando me banhei, lavei a cabeça, preparei –me linda para chegar à Clinica São Clemente. Dr. Cabral esperava tranquilo, confiante. Em pouco, estava na sala de operações. Eduardo deveria ser retirado antes que a bilirrubina subisse mais do suportável, para o bebê. Com RH negativo – década de sessenta – sem a tecnologia de hoje, uma cesariana era a solução.
Rápido dois olhinhos azuis olhavam ao redor. Num corre corre, médicos, enfermeiras manipulavam a retirada troca do sangue através do cordão umbilical. Anestesiada apenas soube do resultado.
- Excelente. Não tenho dúvidas que foi um sucesso – alegou Dr. Michael Sader.
Horas depois já recuperada do anestésico admirando as folhas balançando ao vento, entrou Marcello subindo na cama, quase me arrebentando os pontos para comemorar a chegada de seu irmãozinho. Faltavam dois dias para que ele fizesse um ano. Falando pelos cotovelos diz que Edu lindo. Lindo. Lindo e mexe com as mãozinhas.
- Gostou.
- Gostei. Ele vai brinca comigo. …

Entre o Mar e o Cell

Madrugada adentro quando me despertei com dores fortes no baixo ventre. Na calcinha, uma enorme mancha de sangue. Assustada voltei ao quarto chamei pelo Fausto. Acho que estou tendo algo. Às 7:00 horas dava entrada no hospital. Um exame dolorido revelou a suspeita. Estamos em trabalho de parto, mas nada para as próximas horas. Volte para casa e regresse somente quando as dores forem menos espaçadas.
- Não disse. Nada de alarme. John se casa hoje, e não seremos nós a estragar lhe a festa.
- Mais dói.
- Tudo bem. Mas, não é para hoje. Vá ao cabelereiro. Estreia o vestido lindíssimo e, vamos nos divertir.
Passei a tarde no cabelereiro. Suava, e suava a cada contração. Acho que não vou aguentar. Ramiro a dor está insuportável, pare de colocar grampos no meu cabelo. Não segura mesmo.
- Vou deixar você linda – a grávida mais bonita que a noiva.
- È assim mesmo opinava as senhoras de uma Laranjeiras super elegante. Marinheira de primeira viagem. Sempre a mesma história. Tranquila. Na hora d…

Entre o Mar e o Cell

Madrugada adentro quando me despertei com dores fortes no baixo ventre. Na calcinha, uma enorme mancha de sangue. Assustada voltei ao quarto chamei pelo Fausto. Acho que estou tendo algo. Às 7:00 horas dava entrada no hospital. Um exame dolorido revelou a suspeita. Estamos em trabalho de parto, mas nada para as próximas horas. Volte para casa e regresse somente quando as dores forem menos espaçadas.
- Não disse. Nada de alarme. John se casa hoje, e não seremos nós a estragar lhe a festa.
- Mais dói.
- Tudo bem. Mas, não é para hoje. Vá ao cabelereiro. Estreia o vestido lindíssimo e, vamos nos divertir.
Passei a tarde no cabelereiro. Suava, e suava a cada contração. Acho que não vou aguentar. Ramiro a dor está insuportável, pare de colocar grampos no meu cabelo. Não segura mesmo.
- Vou deixar você linda – a grávida mais bonita que a noiva.
- È assim mesmo opinava as senhoras de uma Laranjeiras super elegante. Marinheira de primeira viagem. Sempre a mesma história. Tranquila. Na hora d…