Pular para o conteúdo principal

Entre o azul e o medo

Amanhecia quando me banhei, lavei a cabeça, preparei –me linda para chegar à Clinica São Clemente. Dr. Cabral esperava tranquilo, confiante. Em pouco, estava na sala de operações. Eduardo deveria ser retirado antes que a bilirrubina subisse mais do suportável, para o bebê. Com RH negativo – década de sessenta – sem a tecnologia de hoje, uma cesariana era a solução.
Rápido dois olhinhos azuis olhavam ao redor. Num corre corre, médicos, enfermeiras manipulavam a retirada troca do sangue através do cordão umbilical. Anestesiada apenas soube do resultado.
- Excelente. Não tenho dúvidas que foi um sucesso – alegou Dr. Michael Sader.
Horas depois já recuperada do anestésico admirando as folhas balançando ao vento, entrou Marcello subindo na cama, quase me arrebentando os pontos para comemorar a chegada de seu irmãozinho. Faltavam dois dias para que ele fizesse um ano. Falando pelos cotovelos diz que Edu lindo. Lindo. Lindo e mexe com as mãozinhas.
- Gostou.
- Gostei. Ele vai brinca comigo. Vai.
- Vai e muito, por toda a vida afora.
Desse modo chegou naquela manhã de dezembro sob o signo de sagitário dia 15, meu segundo dos meus maiores amores.
È duro como uma rocha, terno tal qual o azul dos seus olhos. Não mede esforços para o sim ou para o não. Destemido enfrenta a vida, vai em frente sem curvas. Resistiu àqueles dias de dezembro para sobreviver. Quisás esta guerra interna determinaram seu caráter. Venceu todas as batalhas. Ganhou a guerra e caminhou em frente construindo sua vida.
Aprendi muito. È meu analista, amigo, maior incentivador. Enfurece se caio no caminho algumas vezes quando a pressão chega ao limite, mas me levanta.
- Romântica empedernida, sonhadora, guerreira, aprendi que a vida é assim. Tem Nicholas minha doce e suave paixão, Vitória, a mais doce alegria, e Márcia – companheira há anos.
Caminhamos juntos os três faz quarenta e quatro anos, somando amigos pela estrada. Brigamos, sorrimos, mas como poetiza Roque Dalton:
... que mis venas no terminan en mí,
sino en la sangre unánime
de los que luchan por la vida,
el amor,
las cosas,
el paisaje y el pan,
la poesía de todos.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…