Pular para o conteúdo principal

ENTRE CAPIM LIMÃO E BRACHIARIAS

 

Entre Capim Limão e Brachiárias

 

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de trânsito. Sair na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranquilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre. 
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade. Mulher e sete filhos. 
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje empregados com seus negócios próprios exceto o mais velho que decidiu ficar conosco. Todos casados, com filhos e nós cheios de netos. 
Atenta aprendi sobre gados, iogurte puro com a medida certa de B12, Embrapa e suas pesquisas exitosas, homens do campo alfabetizados, formas e tipos de capins, fontes puras ainda preservadas neste Brasil que esquecemos que existe. Como o terreno tem uma pequena inclinação plantamos vários tipos de braquiárias apropriada para o gado. 
- E, o capim gordura? Meu único conhecido, provavelmente pelo estranho nome. 
-Foi sendo substituído pelas braquiárias - explicou.

 

 




 

Brachiárias


Pena! Pensei no capim de um verde claro que engalanam as estradas que dão à histórica Tiradentes, e apelidamos verde limão capim da estrada. Será que darão lugar as braquiárias?  

-Que? Perguntou Evaldo.
- Nada. Nada. 
Encontrou algo? – pergunto sem ansiedade.
Nada. Vamos fazer os exames de rotina. Estes completam a nossa tranquilidade. Dr. Evaldo cuida a mulher com o mesmo carinho que preserva a terra, salva vidas com dedicação e muito conhecimento. Como a Embrapa pesquisa os segredos dos males que sufocam as alegrias. 
Regressando, Eduardo e eu decidimos caminhar, afinal o que é um Km numa tarde de verão depois de ouvir tudo que anseio na vida. O homem ajudando ao homem vencer suas dificuldades, contribuindo com o que está a seu alcance por aquele mundo que sonhamos.

Dr. Evaldo é mastologista. Criou no Andaraí, bairro do subúrbio carioca – um Centro de excelência para os terminais oncológicos. Carinho puro. O paciente recebe seus familiares, toma os remédios para as dores, vive em família até quem sabe. Parte

Companheiro de Partidos dos Caramez, especiais amigos, fui a seu consultório decidida a tirar os nove fora. Uma mamografia revelava um nódulo na mama direita. Investigamos, alguns positivos outros negativos. Operação marcada pós retorno cirurgião de Houston.  Biopsia negada, sem anestesia negativo. Fui emburrada. O Ultrassom repetido a pedido do cirurgião indicava um nódulo grau 4.

 Paciência. Vamos enfrentar esta a minha maneira. A segunda vez que me diagnosticavam com câncer de mama. Uma em fevereiro de 1984. Erro de leitura que me fez perder todos os quilos. Este no terceiro milênio.

Evaldo é muito simpático como devem ser os médicos que respeitam a vida. Conversamos sobre tudo, politica nacional, internacional,

 estórias dos anos 60. Sem mais nem porque disparei: não quero que você me toque. Quero tr6es pedidos de mamografia e ultrassom da mama. Faço depois conversamos. Olhou perplexo sorriu.

- Aqui quem manda é o paciente.

Duas semanas passaram.

Exame de rotina?  Perguntou Dra Pilar – espanhola bonita - especialista em mamas. Exames anteriores?

- Deixei no Taxi, dia destes.

Cautelosa, girou quase meia hora a dupla que enfeita, dá vida e adoece por vezes. Com ou sem cura. Incógnita sempre.

- Tudo bem? – pergunta Eduardo o companheiro de vida, de dores, de medos e alegrias.

-Tudo. Bastante densa. Sem novidade.

- E, o nódulo grau 4? 

Como anos atrás o mesmo questionamento?

- Como nódulo grau 4?

-  Não tire o Gel. Vamos ver outra vez. Estava espantada.

- Asseguro que nada. Nem na mamografia, tampouco na ultra.

- Marilia Guimarães – chamou a recepcionista – Pode entrar.

- Como vão as braquiárias?

- Passei o final de semana no sitio. Estão bonitas. Deu para dar uma boa relaxada da semana exaustiva.

- Tirei dos envelopes todos os exames, ordenei por data. Aí estão.

Leu releu. Fez medições silenciosamente.

Posso examinar. Coloque a bata, para frente.

Suas mãos percorrerão todos os espaços. Axila, de novo mama.

Otimo. Perfeito. Pode levantar.

Abraçou forte, beijou meus cobiçados cabelos brancos.

Ano que vem podemos nos ver. Que tal?

Isto com certeza. Disciplinadamente, todos os junhos faço checkup.

Vez que outra ligo para ele, pedindo um help para um amigo, ou orientação para outro. Sortuda, lucrei um amigo.

Lá se vão dez anos.

 

 

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…