Pular para o conteúdo principal

QUARENTENA - TEMPO DE ESPERA








Copacabana explodia em alegria, abraços, cores e sons no 31 de dezembro de  2019 - terça feira -Ano de OGUM - o Deus da guerra  - quando a China informou a OMS Organização Mundial da Saúde  o surgimento de uma série de casos de pneumonia de origem desconhecida na cidade de Wuhan, de 11 milhões de habitantes.Em poucos dias, o contágio se alastrou, atravessou fronteiras.
As primeiras análises sequenciais do vírus realizadas por equipes chinesas apontam que esses casos de pneumonia se deviam a um novo coronavírus. O COVID 19.
Com a contaminação atingindo outros países a uma velocidade alucinante - milhares de mortes por dia, contagiados aumentando, a OMS declara Pandemia. Fronteiras são paulatinamente fechadas, voos entre países suspensos, caos no sistema de saúde de muitos países como Itália e Espanha.






Começava o primeiro pesadelo do terceiro milênio, o segundo encontrar uma vacina que inocule o ser humano, o terceiro conseguir convencer governantes inescrupulosos, os sedentos de ganancia fácil a fechar seus negócios e optar pelo isolamento social.  Salvar vidas.




Estados Unidos e Brasil  precedidos pela Inglaterra se recusavam a trocar o desenvolvimento econômico por vidas humanas. 
 FICAR EM CASA, DEIXAR O VÍRUS PASSAR  é a nova  ordem mundial.
 




Sistemas de saúde precisam se organizar para impedir que a mortalidade alcance números imensuráveis. 



A principal forma de contágio do novo coronavírus é o contato com a pessoa infectada, que transmite o vírus por meio de tosse e espirros. Sua propagação se dá ao contato com uma superfície ou objeto contaminado.  Olhos, nariz ou bocas são portas fáceis de entrada. A vigilância  a cada gesto é fundamental. A higiene o cerne  principal. Como lograr atingir números reduzidos de contagiados necessitados de cuidados médicos: uma única saída - a Quarentena. Tempo de espera de sobrevivência.  Somente o homem pode salvar a humanidade. Somente a consciência pode diminuir o contágio, só o amor poderá salvar grande parte da população.  Só a solidariedade pode deter a pandemia.  



Hoje, no mundo temos: 1.324.907 (confirmados) 275.832 (curados) 73.703 (mortos) num breve espaço de tempo. 


A Pandemia desnudou a miséria dos grandes potencias, principalmente do império que destrói civilizações inteiras no afã de se perpetuar no pódio dos vencedores. No Brasil, mais de cem milhões de brasileiros vivem sem saneamento básico, e mais de onze milhões sem cadastro no  sistema nacional de saúde e financeiro. Onze milhões de clandestinos dentro do seu próprio país.



Não fosse  a nobreza  de milhares de médicos, enfermeiras, profissionais da saúde, não fossem a maioria da nossa diversidade cultural, que luta em todos os frentes desta guerra viral, que seria dos que habitam o planeta terra.


O pior está por vir vamos respeitar a nós e o nosso próximo. Vamos de quarentena, possibilitar  que viver seja possível porque você pode ajudar.  Não podemos mudar a direção do vento, mas  sim ajustar as velas. 





































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































































Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…