Pular para o conteúdo principal

QUARENTENA - TEMPO DE ESPERA II




Que classe de luz!Vontade de permanecer ali, de curtir cada ruela a do queijo da Serra da Estrela no  Príncipe Real, na véspera do regresso, de perder o olhar no Tejo  confundindo-se com o Atlântico palco de tantas histórias. Viver é um ir e vir de intermináveis surpresas. 
O Brasil  misto da  nostalgia dos fados, do cantar sofrido de alegrar senzalas, do batuque dos yorubás continente diverso dentro do continente sul - americano , o ocidente profundo é minha próxima parada. 
Calor de quarenta e sete graus marcava o relógio quando aterrissamos no Rio de Janeiro, afogada em  tarefas urgentes.  O carnaval aportou antes da hora, mil blocos, muita alegria, muito amor, muita adrenalina. Um explosão de  sons, de gentes celebrando a felicidade. Perder a Banda de Ipanema nem de longe - a saudade do Albino Pinheiro, que teve coragem de enfrentar a ditadura e sair em Ipanema para denunciar nosso país violentado - sempre bate forte na paradinha da esquina da Joana Angélica com a Visconde de Pirajá numa homenagem ao eterno Pixinguinha, que faleceu em pleno carnaval.
Carinhoso ... invade Ipanema. 
Qual o quê. Um resfriado me pegou de jeito. Não teve blocos, não teve Banda, não teve carnaval.  A Portela não foi campeã.
Sem solução.  Melhor dar um pulo para ver o Dr. Bruno Celória dar uma examinada. Na China aumentava a epidemia de um vírus desconhecido.
Exames, mil perguntas, radiografias por se acaso.
- Tudo certo.
- Olhou feliz, sorrindo. Medo só se você adoecer de verdade, e.. eu não souber o que fazer.
Dr. Bruno Céloria - jovem médico  de uma dedicação fantástica. Adoro seu jeito calmo, sua competência, seu interesse, sua ternura. Faz dez anos nos conhecemos em meio a uma febre arrasadora, calafrios, coração  em disparada.
- Enfermeira por favor: paracetamol, exame de sangue e hidratação.
- Não quero.
- Como não quer?
Exame de sangue, e soro aceito. Comprimido não. 
- Calma. O que você toma? 
- Limão com sal para a febre.
-Como limão com sal? De onde tirou isto?
- Ensinou-me um Guineanao quando tive dengue no exílio.
Dez anos, nos conhecemos, Com ele aprendi a ter 70 anos no terceiro milênio. 
Dia seguinte, sério, via whatsaap, recomenda.  A partir de hoje, 12/02/2020, nada de rua, cinema, visitar amigos, receber para um vinho ou cafezinho. Nada mesmo, até segunda ordem. Quarentena. Isolamento social. De acordo. 
Claro. Que passou?
Pandemia - uma mutação do coronavírus - COVID19 contagia o mundo. Nada a  fazer. Evitar  o contágio é ordem mundial. 
Mas, Bruno! 
_ Sem , mais Bruno. FIQUE EM CASA!
Faz 26 dias, do primeiro susto, da tomada de consciência, do novo calendário, do acerto na agenda, de novos projetos, da leitura postergada, de juntar a tantos outros, adequar a vida a um novo ritmo focando os dias na solidariedade. Dias de tristeza com tantas mortes e contagiados. Dias de alegria porque esperança segundo diz o ditado é a ultima que morre.
Não podemos mudar o curso do vento, mas podemos sim ajustas as velas. 





 

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…