Pular para o conteúdo principal

 Lembranças  de 2011 em sábado de chuva no Rio de Janeiro. 2017
Hoje, chove por aqui, mas em Havana faz sol e comemora Vicente Feliu. O trovador que nos deu um dos maiores regalos da musica Cubana - CREEME.


Depois de tantos feriados, de quarta a domingo encarar uma segunda – feira só se o inesperado aprontasse uma surpresa.
Comecei por ir ao dermatologista que eu creia ser o mesmo de muitos anos atrás, pois a minha querida Bruna anda desaparecida desde que foi trabalhar em outra Clinica.  O dermatologista não valeu. Deixei um recado no celular dela.
Um mal estar começava a incomodar minha garganta , uma leve dor de cabeça e de pronto febre. Caramba, não posso. Tenho que ir a São Paulo gravar meu depoimento para a novela Amor e revolução a convite de Tiago Santiago. Ä noite jantaria com um dos maiores poetas deste Pais Thiago de Mello. No dia seguinte, como sempre faço iria ver meus dois Zés - o amor eternizado José Ibrahim, o outro Zé – companheiro de longas datas por quem nutro uma profunda admiração e carinho – o Dirceu, e se a vida permitir rever alguns velhos amigos.
Tudo errado. A virose – designação utilizada para resfriados, gripes, dengues, infecções intestinais e algumas vezes mal de amores tomou conta do pedaço.
A tristeza bateu forte. Avisar e desapontar a produção tão feliz com resultado de Amor e revolução e dos depoimentos foi decepcionante.
De repente, um email da Embaixada Cubana rompe a tarde numa onda de felicidade. Uma carta de Fidel Castro para mim e outra para o companheiro de sonhos Oscar Niemeyer.
Outro email entra na caixa de entrada – uma receita de como curar um resfriado de meu amado poeta, que vou compartir com vocês. Só não fica curado aqueles que tem no lugar do coração um grande vazio.
..“Fica logo boa, Querida Marilia, com o remédio que minha mãe Dona Maria
me ensinou?
Descasca um limão dos graúdos, como se faz com laranja, deita as cascas a ferver
numa caçarola. Enquanto ferve espreme bem o limão numa chávena, tira os caroços do suco.
Deita depois um dente de alho, esmaga muito bem dentro do suco, acrescenta um
pedaço pequenino de mangataia (gengibre), amassa misturado com o alho. Enche bem a taça com a água fervida (sem as cascas). Deita uma colher de mel de abelha, espera esfriar um pouco, toma aos goles vagarosos,lembra de mim e deita para dormir.
Se estiveres rouca, deixa para me chamar na quarta-feira.
Te quiero, compañera de esperanza.
Thiago"

Para completar Eduardo abre um livro e dentro tira guardando com todo carinho uma partitura manuscrita numa folha pautada do grande Paulo Moura, um funk lindo composto e dedicado a mim, em 1982.
A ronquidão persiste, mas outras mazelas tomaram caminhos opostos ao meu.
Entre tantos amores, vividos e por viver não tem virose que resista.
Perdi a gravação. São Jorge deixou passar seu dia, e mandou um tremendo aguaceiro para purificar o Rio de Janeiro e provar que estamos quase chegando lá em organização, apesar das intempéries. Por estas ou por outras tantas é que vale a coerência na vida.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…