Pular para o conteúdo principal

O RIO DE JANEIRO MERECE!







Lá pelos anos 80, na famosa Bodeguita de Rio,  no século passado conheci  Jandira Fhegalli.
Adentrou na nossa vida como se fosse uma esperança pousada na janela. Longos papos sobre a dificuldade de reconstruir o Pais amordaçado pela ditadura que havia levado a tortura  centenas de jovens, assassinado outros tantos e desaparecido com muitos, passando pelos exiliados que como eu regressara,  depois de uma longo dia que durou 21 anos.
 Passávamos horas elaborando etapas que mudassem o rumo da política no Brasil. Foi se forjando dentro do Partido Comunista do Brasil – PCdB ainda clandestino. Percorreu o melhor caminho -  a luta sindical. Da  Associação de residentes do Hospital de Bonsucesso à Presidente do Sindicato dos Médicos, chegou em 1990 a Deputada Estadual. Poucas mulheres tiveram uma carreira política tão rica em aprendizado, forte e definitiva. Era a mulher galgando, conquistando espaço antes exclusivamente masculino. Da Assembleia Legislativa á Câmara dos deputados  representou seu eleitorado com dignidade , força, luta  e coragem invejáveis.

Dias atrás, a encontrei iluminada defendendo a  democracia, propondo com muita competência ser a Prefeita da nossa cidade.

Sabe dos grandes desafios, das dificuldades, do momento histórico conturbado. Sabe que vai ser difícil governar  o Rio de Janeiro, cidade Estado, com seus males nunca resolvidos.

Centralizada na diversidade cultural – alicerce da sociedade, saúde, educação é seu ponto de equilíbrio, único mote possível  para transformar , dar ao cidadão carioca aquela paz necessária, aquela tarde tranquila cercado de montanhas, suavizado pelo verde de suas florestas, beijado eternamente pelo mar.

Assim será. No dia 02 de outubro de 2016, nas primeiras horas da manhã, os cariocas vão correr as urnas.
Poderão numa sábia decisão fazer desta mulher, médica, baterista, guerreira nata, mãe extremada, companheira fiel, a primeira mulher a governar  a cidade maravilhosa. Excelente pedida.

 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sepa…

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sep…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…