Skip to main content

TODOS OS 15 DE DEZEMBR0 - são de felicidade

-->
 

Você vai lavar a cabeça?
Claro! Meu filhote tem que ter uma mãe cheirosa quando chegar.
Este vestido?
Que chato!
Não vê que é dia de festa, fora e dentro do meu coração?
Mas, são 5h da manhã.
Sim, mas a Cesária será ás sete horas. Dr. Cabral está ansioso para ver a carinha que ele tem.
Eu também.
Seis e pouco chegamos a Clinica São Clemente. Uma casa branca, linda, árvores frondosas jogando seus galhos coloridos janela dentro.
Enfermeiras tentando secar meu cabelo ainda molhado, outras pegando veias, outras raspando a púbis... outras  entrando e saindo num vai e vem de festa.
n  Como você se chama...
n  Marilia Guimarães
n  O que você faz?
n  Professora.
n  Tudo começava rodopiar...
n  Onnnnnnndeeeeee!

  Marilia acorda!  Acorda aaaaa.
 Hummmmmm! Acorda...

Eduardo já está a postos. Não é o nome do garoto que acaba de chegar!

E d u a r d o o o o o o o
Onde? Onde?
Na encubeira. Já  vai vê-lo.
Acordaaa-
Onde estão pediatra.?
Lá dentro com ele.
Quero ver?
Tem que esperar um pouquinho.
Passou um tempão. Onde está o Dr. Michel Sader?
Que faz aquela árvore balançando na janela?
Mal podia visualizar Fausto e Lara recostados à janela.
Faustooo quero o Eduardo?
Espera é assim mesmo. Espera! As mãos de Lara acariciava meus curtos cabelos num gesto doce de carinho inconfundível.
Lara juntava a timidez ao carinho numa amalgama sui generis. Amigo de datas longas, difíceis, fáceis, corriqueiras, como o queijo de bola na lata vermelha, pão de gram. um pote de mel chegava todos os sábados com o mesmo presente.
Faz bem para você, excelente para o bebê.
-  Fausto foi fumar um charuto para comemorar. 
- Charuto?   
Os homens suelen ser  são meio Humpfrey Bogart meio egoísta. Raras exceções à regra.
O tempo é infinito enquanto dura. De uma longevidade secular,  uma angústia estúpida e sábia.
-      Vamos ver o menino lindo?
-      Trôpega, lúcida, feliz me acerco ao vidro, colo a cara me perco em dois olhos tremendamente azuis.  Sem um fio de cabelo, pequeno, muito pequeno  olhava o mundo desde a redoma tentando conquistar a liberdade da vida.
Oito meses, troca sanguínea, 1,250k , um biscuit de porcelana rara.
Dias de lágrimas, medo de perda permearam os dias que se seguiram.
Um dia, Dr, Michel colocou- o nos meus braços aquele pedacinho de gente – fiz o possível agora só o amor de mãe pode levar adiante a vida.
Quarenta e tantos anos passarão. Acabo de falar com ele que anda por outras plagas dando a Nicholas e Vitória novas possibilidade de crescimento intelectual. Márcia daqui a pouco sai para o aperfeiçoamento do inglês.
Eu, embora o mar seja o mesmo não consegue minimizar a saudade. Não dizem que o que vale é a cumplicidade o amor não importa a distancia?
     
      Fecho os olhos, vejo aquele azul que se confunde com o ceu/mar atiro ao vento que vem da praia trilhões de beijos e, não posso impedir que umas tantas lágrimas molhem o teclado.

Quem diria Edu? Mesmo com tantos kms a frente nos  vemos via sype, celular, whatsapp, faces, twitter e todos os meios de comunicação disponivel  no século XXI.

Você não gosta. Diz que aniversário é todo dia. Que harei? Madres es madres só muda o endereço/
 Te amo. E, como.

Comments

Bela narração que sintetiza o seu amor! Parabéns ao querido Edu e a você pela sensibilidade!

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.