Pular para o conteúdo principal

TODOS OS 15 DE DEZEMBR0 - são de felicidade

-->
 

Você vai lavar a cabeça?
Claro! Meu filhote tem que ter uma mãe cheirosa quando chegar.
Este vestido?
Que chato!
Não vê que é dia de festa, fora e dentro do meu coração?
Mas, são 5h da manhã.
Sim, mas a Cesária será ás sete horas. Dr. Cabral está ansioso para ver a carinha que ele tem.
Eu também.
Seis e pouco chegamos a Clinica São Clemente. Uma casa branca, linda, árvores frondosas jogando seus galhos coloridos janela dentro.
Enfermeiras tentando secar meu cabelo ainda molhado, outras pegando veias, outras raspando a púbis... outras  entrando e saindo num vai e vem de festa.
n  Como você se chama...
n  Marilia Guimarães
n  O que você faz?
n  Professora.
n  Tudo começava rodopiar...
n  Onnnnnnndeeeeee!

  Marilia acorda!  Acorda aaaaa.
 Hummmmmm! Acorda...

Eduardo já está a postos. Não é o nome do garoto que acaba de chegar!

E d u a r d o o o o o o o
Onde? Onde?
Na encubeira. Já  vai vê-lo.
Acordaaa-
Onde estão pediatra.?
Lá dentro com ele.
Quero ver?
Tem que esperar um pouquinho.
Passou um tempão. Onde está o Dr. Michel Sader?
Que faz aquela árvore balançando na janela?
Mal podia visualizar Fausto e Lara recostados à janela.
Faustooo quero o Eduardo?
Espera é assim mesmo. Espera! As mãos de Lara acariciava meus curtos cabelos num gesto doce de carinho inconfundível.
Lara juntava a timidez ao carinho numa amalgama sui generis. Amigo de datas longas, difíceis, fáceis, corriqueiras, como o queijo de bola na lata vermelha, pão de gram. um pote de mel chegava todos os sábados com o mesmo presente.
Faz bem para você, excelente para o bebê.
-  Fausto foi fumar um charuto para comemorar. 
- Charuto?   
Os homens suelen ser  são meio Humpfrey Bogart meio egoísta. Raras exceções à regra.
O tempo é infinito enquanto dura. De uma longevidade secular,  uma angústia estúpida e sábia.
-      Vamos ver o menino lindo?
-      Trôpega, lúcida, feliz me acerco ao vidro, colo a cara me perco em dois olhos tremendamente azuis.  Sem um fio de cabelo, pequeno, muito pequeno  olhava o mundo desde a redoma tentando conquistar a liberdade da vida.
Oito meses, troca sanguínea, 1,250k , um biscuit de porcelana rara.
Dias de lágrimas, medo de perda permearam os dias que se seguiram.
Um dia, Dr, Michel colocou- o nos meus braços aquele pedacinho de gente – fiz o possível agora só o amor de mãe pode levar adiante a vida.
Quarenta e tantos anos passarão. Acabo de falar com ele que anda por outras plagas dando a Nicholas e Vitória novas possibilidade de crescimento intelectual. Márcia daqui a pouco sai para o aperfeiçoamento do inglês.
Eu, embora o mar seja o mesmo não consegue minimizar a saudade. Não dizem que o que vale é a cumplicidade o amor não importa a distancia?
     
      Fecho os olhos, vejo aquele azul que se confunde com o ceu/mar atiro ao vento que vem da praia trilhões de beijos e, não posso impedir que umas tantas lágrimas molhem o teclado.

Quem diria Edu? Mesmo com tantos kms a frente nos  vemos via sype, celular, whatsapp, faces, twitter e todos os meios de comunicação disponivel  no século XXI.

Você não gosta. Diz que aniversário é todo dia. Que harei? Madres es madres só muda o endereço/
 Te amo. E, como.

Comentários

Lindo mãe. Te amoooo!!!
Bela narração que sintetiza o seu amor! Parabéns ao querido Edu e a você pela sensibilidade!

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia