Skip to main content

Hoje, ela não respira á fumaça do candeeiro




São dias de agosto. Nem frio, tampouco caloroso. Meio termo. Só que a vida vivida não tem meio termo . É pau ou pedra. Mas nunca fim do caminho.
Meus amores andam por terras distantes. Um no coração do continente latino americano. Feliz ajudando a Teresa – guerreira em todos os frentes mudando um pedacinho do País - O outro, começando uma nova vida na busca de um futuro diferenciado para seus dois filhos.  Cada qual na sua, mas diariamente juntos via todas as mídias e comunicação. Somos uma tremenda família. Choro e riso se misturam numa amalgama fundida a trabalho, carinho, algumas discussões e amor  para dar e vender. Eu entre o mar, a lagoa, e as majestosas montanhas adornada pelo Corcovado amenizam  minha saudade.
Trabalho, luta, muita luta, muito trabalho, muito amor, fecundas amizades, preocupações, definições de vida em todos os sentidos.
Sempre ando a mil . Novidades no cotidiano,  tramas, confidencias á volta.
-       Preste atenção  diz  o amigão: o FBI está investigando a Lava-jato. Isso vai longe.
-       Faz tempo, querido  desde antes do Golpe de 1964.  FBI, CIA , Máfias, igrejas, sempre infiltrados querendo mostrar mais trabalho que os outros. Neste emaranhado a PF vai na corrente.
Pior são as prisões sem provas. O Vale tudo do Judiciário. A pressão ao Governo Central. O resto é palhaçada de malandro oficial. Querem e tentam esconder  anos de roubo, pilantragem, falta de ética,  e por ai vai.  Os meninos das faculdades de direito vão ter que aprender tudo novo.
-       Tenho uma reunião agora, ciao ciao.
-       Pego um taxi no caos das ruas do Eduardo Paes – que espero como num conto de fadas ao tirar os tapumes surgir um Rio de Janeiro indo como sempre cantado e decantado.
-       Pra Barra por favor.
-       Barra!
-       Sim. Acho que o chofer teve um calafrio ir a Barra neste inicio da década do século XXi é suicídio.
-       Cansado?
-       Não comecei faz pouco. Ando sim aperreado da molecagem destes políticos que metem o pau na Presidente. Pensam que o povo é abestado. Gozam com a nossa  dor.  Se tivéssemos uma televisão eles iam ver com quantos palitos comem os japoneses. Ditado novo no mercado madame. 

-       Estou de acordo. As redes sociais  são um excelente veiculo, mas não está pendurada nas bancas para o transeunte que passa possa ver as manchetes do dia.  Todas capciosas. Engana trochas.  Sem falar na Tv na hora do jantar. Prato cheio para fazer a cabeça.

-       Pois é. Ando muito emocionado. Por este dias voltei do nordeste. Nasci lá, sabe? No meio da caatinga  ferrado. Meus pais arrugados pelo sol  batalhavam uma comidinha para colocar numa única e velha panela. Vim tentar a sorte no sul. Trabalho muito, mas meus filhos tem arroz, feijão aquela carninha gostosa, uma saladinha, e estudam. Uma já esta fazendo provas para a faculdade.  Um orgulho.

-No domingo, churrasco,  cerveja, pinga música, os amigos chegando pra compartir.
Desta vez,  madame o churrasco foi diferente. Tava cheio de  novidades. Minha mãe  com televisão na parede, água num reservatório, comida nas panelas. E, comida, heimm. Comida da boa. Antes era farinha e feijão, não dava para mostrar  seu tempero pro meu pai, nem ele podia reclamar. Embora reclamasse dia trás dias. Foi chegando, foi chegando e chegou nossa vez de viver também.
-       Agora, vivemos felizes. Vou defender  o Lula e a Dilma de todas as formas e maneiras. Não quero que minha mãe respire e acorde com o nariz entupido,  cheirando querosene  de candeeiro outra vez.
-       Ali, ali. Estava muda, tocada, um tanto depre e alegre a la vez. De uma coisa tinha certeza, o meu povo não vai entregar mole  outra vez.  Desci.  Ganhei mais energia  num só pensamento  - Ousar lutar, ousar vencer - sempre.

* Os taxistas formadores de opinião andam questionando os poderes; legislativo, executivo e judiciário, e o quarto poder – a mídia escrita falada, e televisada. O paradigma mudou senhores de coisa nenhuma.

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.