Pular para o conteúdo principal

Hoje, ela não respira á fumaça do candeeiro




São dias de agosto. Nem frio, tampouco caloroso. Meio termo. Só que a vida vivida não tem meio termo . É pau ou pedra. Mas nunca fim do caminho.
Meus amores andam por terras distantes. Um no coração do continente latino americano. Feliz ajudando a Teresa – guerreira em todos os frentes mudando um pedacinho do País - O outro, começando uma nova vida na busca de um futuro diferenciado para seus dois filhos.  Cada qual na sua, mas diariamente juntos via todas as mídias e comunicação. Somos uma tremenda família. Choro e riso se misturam numa amalgama fundida a trabalho, carinho, algumas discussões e amor  para dar e vender. Eu entre o mar, a lagoa, e as majestosas montanhas adornada pelo Corcovado amenizam  minha saudade.
Trabalho, luta, muita luta, muito trabalho, muito amor, fecundas amizades, preocupações, definições de vida em todos os sentidos.
Sempre ando a mil . Novidades no cotidiano,  tramas, confidencias á volta.
-       Preste atenção  diz  o amigão: o FBI está investigando a Lava-jato. Isso vai longe.
-       Faz tempo, querido  desde antes do Golpe de 1964.  FBI, CIA , Máfias, igrejas, sempre infiltrados querendo mostrar mais trabalho que os outros. Neste emaranhado a PF vai na corrente.
Pior são as prisões sem provas. O Vale tudo do Judiciário. A pressão ao Governo Central. O resto é palhaçada de malandro oficial. Querem e tentam esconder  anos de roubo, pilantragem, falta de ética,  e por ai vai.  Os meninos das faculdades de direito vão ter que aprender tudo novo.
-       Tenho uma reunião agora, ciao ciao.
-       Pego um taxi no caos das ruas do Eduardo Paes – que espero como num conto de fadas ao tirar os tapumes surgir um Rio de Janeiro indo como sempre cantado e decantado.
-       Pra Barra por favor.
-       Barra!
-       Sim. Acho que o chofer teve um calafrio ir a Barra neste inicio da década do século XXi é suicídio.
-       Cansado?
-       Não comecei faz pouco. Ando sim aperreado da molecagem destes políticos que metem o pau na Presidente. Pensam que o povo é abestado. Gozam com a nossa  dor.  Se tivéssemos uma televisão eles iam ver com quantos palitos comem os japoneses. Ditado novo no mercado madame. 

-       Estou de acordo. As redes sociais  são um excelente veiculo, mas não está pendurada nas bancas para o transeunte que passa possa ver as manchetes do dia.  Todas capciosas. Engana trochas.  Sem falar na Tv na hora do jantar. Prato cheio para fazer a cabeça.

-       Pois é. Ando muito emocionado. Por este dias voltei do nordeste. Nasci lá, sabe? No meio da caatinga  ferrado. Meus pais arrugados pelo sol  batalhavam uma comidinha para colocar numa única e velha panela. Vim tentar a sorte no sul. Trabalho muito, mas meus filhos tem arroz, feijão aquela carninha gostosa, uma saladinha, e estudam. Uma já esta fazendo provas para a faculdade.  Um orgulho.

-No domingo, churrasco,  cerveja, pinga música, os amigos chegando pra compartir.
Desta vez,  madame o churrasco foi diferente. Tava cheio de  novidades. Minha mãe  com televisão na parede, água num reservatório, comida nas panelas. E, comida, heimm. Comida da boa. Antes era farinha e feijão, não dava para mostrar  seu tempero pro meu pai, nem ele podia reclamar. Embora reclamasse dia trás dias. Foi chegando, foi chegando e chegou nossa vez de viver também.
-       Agora, vivemos felizes. Vou defender  o Lula e a Dilma de todas as formas e maneiras. Não quero que minha mãe respire e acorde com o nariz entupido,  cheirando querosene  de candeeiro outra vez.
-       Ali, ali. Estava muda, tocada, um tanto depre e alegre a la vez. De uma coisa tinha certeza, o meu povo não vai entregar mole  outra vez.  Desci.  Ganhei mais energia  num só pensamento  - Ousar lutar, ousar vencer - sempre.

* Os taxistas formadores de opinião andam questionando os poderes; legislativo, executivo e judiciário, e o quarto poder – a mídia escrita falada, e televisada. O paradigma mudou senhores de coisa nenhuma.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia