Skip to main content

Tiradentes, a esperança e liberdade


 


O vento que entra pela janela cheirando a chuva traz consigo  um quê de tristeza histórica. Hoje, num longínquo  21 de abril de 1792,
o prisioneiro Joaquim José da Silva Xavier o Tiradentes _  é condenado à forca por crime de rebelião e alta traição contra a Soberana D. Maria I.   Enforcado em praça pública na cidade do Rio de Janeiro, altivo, cabeça erguida, corpo esquartejado banha de sangue a estrada que leva a Minas Gerais a esperança pela liberdade.
Não aceitar os impostos foi seu crime maior, livrar-se do jugo português seria uma consequência natural através da luta.
Os que participavam da rebelião contra a coroa foram condenados ao exilio, uns executados dias ou anos mais tarde.
Rodopia a história em séculos e séculos de escravidão, devastação do solo, crimes de lesa humanidade.
Desmoronou a coroa, veio a República, passamos por regimes de exceção – duros, pintados com o sangue de seus filhos.
Poetas, estudantes, profissionais liberais, jovens acadêmicos, foram assassinados e conheceram a solidão do exilio.

Hoje, 21 de abril de 2014, trás o muro da Papuda – Brasília – capital do Governo Federal,  José Dirceu da Silva – mineiro de Passa Quatro – líder estudantil, banido do país em 1969, ex- exilado, é vitima da  perseguição e condenação politica num erro histórico da justiça brasileira.
De Tiradentes aos presos políticos de hoje  muda tão-somente as posições do rei e rainha num jogo do xadrez econômico e geopolítico.

José Genoíno – guerrilheiro combatente no Araguaia, Delubio Soares, e Zé Dirceu cometeram o crime de patriotismo. Defenderam a pátria em seus momentos mais difíceis, lutaram e continuam na batalha por um mundo melhor

Minhas lembranças  embaralhadas num passado e presente recente de nossa história, conjugando o verbo lutar no gerúndio, orientada pelo Cruzeiro do sul nos nossos caminhares, energizando nossos sonhos, reafirma nossa crença de reverter este revés em vitória. Como Tiradentes: Se todos quisermos, poderemos fazer deste país uma grande nação. Vamos fazê-la."

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.