Pular para o conteúdo principal

SEMPRE HAY TIEMPO PARA LUTAR


São Olgas, Marias de todas as cores, Carmens, infinidade de Rosas, Célias,  Saras e Dianas, Barbaras,  Anas, Yamilas, em todos os idiomas e definições. Irmãs, amigas, companheiras, sonhadoras, práticas, frágeis, fortes, alegres, tristes, amorosas, desiludidas, amadas, amantes, políticas, com alma poetas, atrizes, da rua, dos campos, da noite, dos eternos amanheceres, dos por de sol antes e depois das tempestades, das pequenas lembranças, das grandes caricias, do riso, do pranto, qualquer  adjetivo sobrepõe estas mulheres que surgem dos mais distantes recantos do mundo, guerreiras desprendidas das estrelas cadentes e juntam dia a dia pedacinhos de sonhos indo ao longo dos séculos construindo um mundo melhor.

Assim foi desde a Grécia antiga quando Isis a deusa da magia e da fertilidade, convivia com os artesãos, poetas, escravos em grandes festas.

Assim foi num 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, decidiram por uma grande greve, numa pequena cidade perto de Nova York,  reivindicando  melhores condições de trabalho, salário, tratamento digno -  queimadas vivas, num das ações mais violentas das reivindicações femininas. Somente em 1910 na Dinamarca – conferencistas decidiram  dedicar-lhes o 8 de março como "Dia Internacional da Mulher.

Foram as mãos de mulheres portais de entrada da vida no planeta, as mesmas que embalam a vida, manipulam livros, transmitem conhecimento,  sejam elas passistas, blogueiras, ativistas, poetas, domésticas, parlamentares,  a mulher de hoje numa evolução de matizes segue a mesma guerreira.

Este  08 de março de 2014, em especial homenageio a mulher que deixou de lado seus sonhos de menina, para lutar contra a ditadura que se instalou cruel, desmedida, assassinando milhares de companheiras em todo o continente latino americano.

E, foram de novo Iaras, Dodoras, Teresas, Marias, Zuzus, Mercedes, Beatrizes, conhecidas, anônimas, célebres, incógnitas que saíram ás ruas e mudaram a cara da Ámérica.

Hoje, se repetem aos milhares ocupando parlamentos, dirigindo grandes empresas, operárias, ministras, Presidentes, nos chamam a lutar para seguir cambiando, cambiando até alcançar transformar este planeta num mundo justo, ético, habitável.

A todas ao logo dos séculos meu respeito, admiração,  o compromisso de seguir em frente como seja, na consolidação da solidariedade, do amor, do respeito e no compromisso de jamais debelar-me antes de ver esta obra do mundo concluída.  

Marilia Guimarães

 

 

 

 


Comentários

Anônimo disse…
Puede haber muchas Rosas, Celias, Marias, Barbaras, y muchos nombres mas, pero MARILIA GUIMARAES, la guerrillera, la luchadora, y la solidaria, pero sobre todo la amiga a toda prueba solo hay UNA, TU.
FELICIDADES!!!!!!
Ariana

Postagens mais visitadas deste blog

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sepa…

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sep…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…