Skip to main content

NESTA TERRA, NESTE INSTANTE - 9a. parte

1 de Janeiro de 1970 - Aeroporto de Carrasco -  Montevidéu - Vôo 114 - Dez anos da Revolução Cubana.
  
Marcello e Eduardo correm pelo aeroporto, arregaçando a roupa à altura da cabeça, desenfreados, eufóricos,  arteiros.
Um guarda passa, ora para lá, ora para cá olhando encantado a alegria dos dois,  que um ano de clandestinidade não logrou aplastrar.
- Venham cá, meninos! - seguro os dois pelos braços - Quietos!- Sorrio para o policial que se detém com as travessuras inesperadas de Cell e Edu.
- Vamonos niños, tranquilos. Después ustedes juegan. Ahorita van a entrar en el  avión. - diz o policial.
Estão felizes de  regressar para verem o pai. - expliquei.

Com o olhar, busquei cada companheiro.
-          Passageiros do vôo 114, dirijam-se ao portão de embarque, ouvi em ecos...
Dali para a frente, a sorte. Todos os detalhes haviam sido repassados, exceto o inesperado. André, Severina, Conga e Athos embarcam.

Acompanhada pelo olhar vigilante de Andrada, carregada de bolsas, crianças, passaportes e arma, deixando para trás todo o medo , incerteza e inquietude dos últimos dias, fui a penúltima a entrar.  Andrada, se adiantou à aeromoça e, delicado, ofereceu  sua ajuda:

-          Bolsas e crianças  não combinam!
-           Obrigada! - agradeci.

Sentei, estrategicamente, num dos últimos assentos. A qualquer imprevisto, estaria fora do alcance dos demais passageiros. André sentou-se no banco da frente para me dar cobertura. Conga se acomodou no banco de trás.

Terminei de colocar o cinto de segurança em Eduardo, acertei o de Marcello, apertei o meu e a voz serena da aeromoça desejou-nos uma boa viagem.
- Dentro de uma hora estaremos fazendo escala em Porto Alegre.
 Como escala em Porto Alegre? E  São Paulo?  O vôo era direto para o  Rio de Janeiro. Como agora esta mudança de rota? Falta de passageiros? É normal.

Atentos à decolagem, ansiosos para começarem a viver os anos 70, ninguém notou quando o passageiro estrategicamente  posicionado levantou-se e entrou na cabine do comandante.
O Caravelle ainda ganhava os céus, quando Andrada ordenou a mudança de rota.
- Isto é um sequestro. Mude  a rota para Cuba, comandante.
A  luz vermelha continuava acesa, e a voz de Athos  anunciava, para os passageiros, o sequestro, lendo o manifesto escrito para a ocasião.

Falava das prisões, das torturas, dos companheiros assassinados, da ditadura brasileira.
           - Este sequestro tem dois objetivos: levar para  Cuba os filhos de um companheiro preso e torturado pela ditadura brasileira e reverenciar a Che Guevara.
- ...comemorar a Revolução Cubana. - corrigi baixinho.

Fazia dez anos que Cuba estarrecia o mundo. Pequena, aparentemente frágil, sem recursos naturais, derrubara a ditadura de Fulgêncio Batista e se declarara socialista.
“Se dar ao povo educação e saúde é ser socialista, então somos.”- dissera Fidel Castro, na época da fracassada invasão dos americanos à Bahia dos Porcos - Playa Girón.    

Há dez anos, que o cidadão cubano resistia bravamente para manter sua soberania. Fazia dez anos. O Brasil também podia, imaginei sonhadora.

Todos ouviram espantados. Nenhum comentário. Pouco a pouco, refeitos do susto, um suspiro aqui, um ai do outro lado, uma observação mais à frente, um grito histérico da  senhora, quiçá alheia aos acontecimentos dos últimos tempos.

-          Esta aeronave não tem autonomia de vôo.- contestou o comandante. O Caravelle PP-PDZ, explicou, só pode voar por duas horas. Não comporta mais combustível, e além do mais, está em pane. Voar para Havana, nem pensar.

Conga, o companheiro sulino que entrara no sequestro nos últimos dias de preparação da ação,  conhecedor  de algumas manobras de aviação, foi requisitado à cabine.

- Borges, o co-piloto, alertou sobre os problemas que certamente surgirão.- informou André.
- Não chegaremos a Havana. Vamos parar em Porto Alegre para trocar de nave. - sugeriu Amaral.
- Porto Alegre? Não. Não voltaremos a solo brasileiro. Temos que chegar a Cuba de qualquer maneira sem sair deste avião.- sentenciou Andrada.
- Não vejo saída. Vou falar com a torre de Buenos Aires. Esta aeronave tem que ser reabastecida. Temos problemas legais. Autorização de pouso na Argentina, pagamento de combustível. Temos  burocracias a cumprir. – mencionou Amaral, o comandante do Caravelle.
- Vocês não entenderam? Isto é um sequestro!
            - Entrem em contato com o aeroporto de Buenos Aires, peçam permissão de aterrissagem e expliquem a situação. Eles vão entender. Isto é sério. - concluiu.

Ezeiza – Buenos Aires. 19:00

Trinta minutos depois, aterrizávamos em Ezeiza - Buenos Aires, para abastecer o avião.  O manifesto lido a bordo, deixado com os Tupamaros, chegara às redações dos jornais. Agências internacionais  informavam ao mundo  a notícia de um sequestro num país que escondia sua história aplastada pelas botas militares.

O sequestro tomava um novo rumo. O nome de cada um dos sequestradores havia sido divulgado. A presença das crianças, como parte da ação, também.
De nada valera a decisão de não mencionar meu nome, nem o dos meninos, nem a presença de uma segunda mulher para cobrir a ação, na possibilidade de que algo desse errado, como colocaram Andrada e André, pouco dias antes em Porto Alegre.

Todo o cuidado e cautela, daí por diante, seria pouco. Uma pequena distração, e um passageiro mais afoito poderia pegar uma das crianças e fazê-la de refém. Mudei de poltrona. Coloquei meus dois filhos do lado da janela e me acomodei no corredor. Escondi a arma embaixo da bolsa, e, concentrando-me, pus todas as minhas energias em estado de alerta.         

Um velho casal foram os únicos passageiros autorizados a deixarem o avião. Após duas horas de negociações, deixamos a capital de Gardel,  decolando em direção ao  Chile.

A noite, trazendo em seu cortejo as estrelas, cruzava o hemisfério sul, lenta e preguiçosa. As crianças, disciplinadas a dormir das 7 às 6h, não reclamariam até a manhã.

Nosso plano de comemorar o triunfo da Revolução Cubana, ficou postergado para os anos seguintes. Os passageiros, cansados, terminaram dormindo, enquanto nós, em estado de alerta, aguardávamos  a nova aterrissagem.


Voando, nada poderia nos acontecer. Nunca o céu me parecera tão seguro. A próxima parada era uma incógnita. Teriam condições técnicas para consertar o Caravelle? Abasteceriam sem problemas? Teria a Cruzeiro do Sul autorizado o abastecimento de combustível?

Aeropuerto Cerro Moreno - Antofogasta.  Chile. 0h17m.

Aterrizamos e decolamos em Cerro Moreno, Antofogasta, norte do Chile.

Chile, uma faixa no continente latino americano, beijada pelo Pacífico, coroada pelos Andes, abriga um povo muito especial. O Chile, que “nos ha dado tanto”: de Violeta Parra a Neruda, de Victor Jarra e Miguel Litin, ao heróico presidente Salvador Allende, que anos mais tarde seria assassinado no Palácio de La Moneda, defendendo seu país: “Pagaré con mi vida la libertad de mi pueblo.” 
Eduardo Frei, o então presidente, ordenou que atendessem ao pedido dos  sequestradores: reabastecer o avião.


Assim foi; em apenas 45 minutos, alçamos vôo dos Andes, com destino ao Peru.

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.