Skip to main content

NESTA TERRA, NESTE INSTANTE - 11a. parte




custasse o que custasse. Adoraria um cigarro. Adoraria um copo d’água. Peguei a mamadeira e molhei os lábios.





As estrelas brilhavam sorridentes. Sorri para elas e lembrei de Bilac:
Ora (direis) ouvir estrêlas!
Certo perdeste o censo!...

 Não só ouvi estrelas, como conversei com elas por toda a madrugada. Falamos do fascínio dos vagalumes que chegam com a noite e se perdem nos primeiros raios de sol; do Cruzeiro do Sul, brilhando nos meus campos cheios de palomas. Das amazonas, do chimarrão compartido, das caatingas fedorentas de morte, dos severinos, da carta de Caminha.

Falei da Portela, do Nelson Cavaquinho, do segredo da Ursa Maior, do  Henfil, do Caetano, do Gil, e do Chico.

Lentamente chegou o sol. Amanhecia. A poesia corria desenfreada, prendendo-se nos feixes avermelhados do céu.
Paulatinamente, a tripulação e os passageiros foram despertando.

O pouso na cidade do Panamá, às 9h dava início ao recomeço dos problemas anteriores. Reabastecimento, pagamento de taxas alfandegárias, negociações.

Fomos autorizados a aterrissar longe da área de desembarque. Borges, o co-piloto mediador,  desceu para administrar o combustível. A Panamérica ofereceu água e comida para todos. Cuidadosos, recusamos.
Na gula poderia estar o nosso insucesso. Quem disse que é gula comer, depois de tantos dias de jejum absoluto? Comer nem pensar. Certamente, a comida conteria barbitúricos, e fracos como estávamos, dormiríamos imediatamente. Não. Aguentaríamos até o fim.

De novo, os mesmos problemas.
-  A bateria existente não estava em operação há muitos meses.- confessou o Comandante. Os mecânicos vão conectar em série, baterias de automóveis, para   acionar a turbina.
-          Ótimo. Não tenho dúvidas de que conseguirão.
A poucos metros do avião, um militar vestido a campana. A seu lado, um senhor de terno. Logo soubemos  ser o embaixador do Brasil, e o representante da aeronáutica, e lógico, a polícia panamenha. 
- Conversei com eles, e os dissuadi de qualquer negociação. Falei da  decisão de vocês de não abortarem  a operação. - disse Borges.

Cinco horas mais de incerteza, até a decolagem para a última escala: Havana. Cuba
















4 de janeiro de 1970

Aeropuerto José Martí - Havana. Cuba.17h30m.

Lentamente, o Caravelle foi parqueando junto à plataforma de desembarque, onde, milagrosamente, se lia Aeropuerto José Martí.
Um frio intenso percorreu meu corpo. Seria uma miragem, ou era mesmo a tão famosa, odiada,  adorada, solidária, temida e invejada terra cubana?
- Mucho gusto. Vamonos.
- Onde estão meus companheiros?
- Como?
- Companheiros.- repeti.
- Oh! En otra  sala.
- Quero vê-los.
- Como? Que dice? - perguntou o outro militar a Conrado. 
- Que desea verlos.
- Ahora, es imposible.
- Quero vê-los, agora. Viemos até aqui juntos e não vou me separar deles agora.
- Espere um momento.- completou Conrado.
Voltou trazendo André.
- Estamos sendo interrogados.
- Como interrogados? Estamos mortos de cansados! 27  horas de  terror e estão sendo interrogados? Do que vocês falaram?
- Sobre o treinamento.
- Esqueça o treinamento! Cuba não dá asilo, nem dá treinamento, já informaram. Vocês estão cansados, mas não loucos! Diga a Andrada que não insista, por favor.
- Tudo bem. Vamos embora, insistiu Conrado.
Numa casa, situada bem próximo ao aeroporto, ficamos, até que depois de algum tempo, outro militar veio nos buscar. Carreguei Marcello e Eduardo nos braços até o carro, desejando ardentemente chegar ao destino. Uma casa, uma choupana, um quarto fedorento de hotel, uma mansão, mas chegar. Queria chegar. Chegar, chegar.

Que avenida florida! Quantas árvores estupidamente frondosas, quantas margaridas! Igrejas, mansões!... Quantas mansões! Olhava atônita. Será que nos blefaram!?
Cuba não era cinzenta e triste? Não era!? Parece-me que não!...

A energia emanada daquele solo, fez-me voltar mansamente à vida...

Ao dobrar a esquina, um cinema. Em cartaz “Les Parapluies de Cherbourg”. Este filme passando aqui?... Esse filme? Aqui? Será uma alucinação!? Meu deus, como controlar este sintoma? Não agora!
Quantas mulheres elegantes! Vestidos godês!... Penteados B-52, saltos Luiz XV. Devem estar filmando algum filme de época. Hoje está na moda. A minissaia libertou a mulher em muitos sentidos. Dos milhões de anáguas, da censura sexual, e, pouco a pouco, do jugo machista. É importante registrar todas as épocas, pensei com meus botões.

O hall do hotel Capri, apinhado de gente que circulava de lá pra cá, deixava escapar a esfuziante alegria dos  atores.
Não estava tendo alucinações! Todos os personagens estavam vestidos assim. Menos mal! Ainda mantinha a consciência.
Divertida, essa Cuba!



Nem percebi quando preenchi a ficha do hotel, muito menos quando mudaram meu nome e os dos meninos, tal a curiosidade de olhar ao redor.

Subimos ao quarto, me banhei e aos meus meninos. Coloquei-os na cama e jamais poderei precisar como ou quando conciliei o sono.



Um surdo barulho de ondas, entrou sorrateiramente pelos meus sentidos:
- Dormi! Ai, meu deus, dormi!
Pulo da cama sobressaltada, tropeçando. Vou à caminho da luz que vem discreta através da janela.
Abro a cortina.

Diante dos meus olhos embaçados, vejo o mar.
Furioso, agressivo, quebrando suas gigantescas ondas no Malecón, anunciando enero: inverno acima do Equador.

Olho Cell e Edu  se espreguiçando.
-          Mãe. - disseram em uníssono.
-          Oi... 
Procuro o rádio, giro o botão em busca de “Fusil contra Fusil”.
Uma voz  rouca, saída do profundo do coração, cheia de amor, invade o quarto:

Cuba, primer território libre de América. Hoy, 5 de enero de 1970.  Año de los diez millones”.











Amada, supón que me voy lejos,
Tan  lejos que olvidaré mi nombre.
Amada, quizás soy otro hombre
Más alto y menos viejo
Que espera por sí mismo allá lejos,
Allá, trepando el dulce abismo.

               

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.