Pular para o conteúdo principal

Entre dezembros e dezembros II Marcello 2013


-        Mãe vem ver a  media luna. Está linda, crescendo, crescendo.
-        Onde? Marcello.
-        Aqui no vasinho.
-        Olho curiosa um brotinho que cresce, investigo, remexo mas não consigo atinar que plantinha é essa que vai ganhando vida.

Assim esbanjando coisas novas, falante, criativo, cheio de ideias e muita simpatia  foi vencendo cada etapa. Aprendeu de tudo, da física a Stanilavisk passando pela filosofia a um dos mais brilhantes na área de informática do pais. Cresceu fazendo da vida um eterno poema.

 

Ama a vida, adora o Pablo – seu guri  que acaba de cumprir 5 anos, e  traz no coração por seu manito a mesma ternura de quando o viu na encubadeira algumas décadas atrás. Fomos três durante um largo tempo até que devagar  foram trazendo para suas vidas, dividindo comigo  um núcleo gostoso de compartir esta magia que é viver.

Sempre soube que seria desta maneira, que haveria momentos difíceis, complicados, difíceis de transpor mas juntos íamos nos dedicar a construir um mundo melhor. Fosse de que maneira fosse. Anos trás anos, vai vencendo todos os obstáculos.

Ando aqui, tentando escrever e, ele entra e sai contracenando com mil situações.

Paro, fecho os olhos.

Ali diante das minhas lembranças a plantinha crescendo sob os céus do Caribe. Um dentinho de alho -  a famosa media luna.

 

17 de dezembro – de tão redonda e brilhante a lua ofusca todas as estrelas. Hoje, comemoro sua chegada ao mundo. Felicidades,  muito pouco para quem me deu mais risos que lágrimas – como dizia Niemeyer.

Um abraço longo, suave pleno de ternura, assim posso transferir neste toque mágico todo o carinho e amor que sempre tenho armazenado em dobro para comemorar você.

 

 

 

 

 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sepa…

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sep…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…