Skip to main content

E, a vida é assim...

E, a vida é assim ...
O frio entrava pelas dobras do cobertor quadriculado de um amarelo claro aquecendo-me  o peito num dos dias mais intrigantes de uma nova crise asmática. Ajoelhado aos meus pés  balançando a cadeira num misto de tristeza contida e alegria disfarçada no sorriso, ele me beijava as mãos, bochechas, beliscava de um lado, beijava do outro numa despedida difícil. Foi a última vez que seus olhos cruzavam os meus. Últimos  beijos, último sorriso. Eu, Sete anos. Ele toda uma vida pela frente, não fosse o fim do caminho. Desta lembrança me sobrou a infinita saudade. Não fiz análise, não procurei nas esquinas, nem em nenhum olhar. Não permiti que a vida borrasse  este momento. Não deixei que vida me roubasse aquela  ternura. Pela vida afora não decidi um dia para homenageá-lo, nem para querê-lo um pouco mais. Mas, eis que a vida tem trapas e trapaças .
Primeiro foi o Marcello – depois Eduardo. Dois grandes amores invencíveis. Dois garotos. Fui mãe e pai – a la vez  - vivi todas as febres, fraldas, clandestinidade, sequestro, exilio, o primeiro diploma, as tardes de repasse das matérias, a confissão lindamente terna da primeira noite de amor, as brigas, o amor  cotidianamente.  Vivemos todas as emoções possíveis. Juntos, inseparáveis.
Numa fria madrugada de abril, Edu e Márcia nos regalaram mais um nó desta rede afetiva  - Nicholas – minha  doce e eterna paixão. Dois anos, depois Vitória saltou todas as convenções, rompeu a bolsa dentro do elevador estabelecendo uma nova ordem.
-  Pega o Nicholas leva devagarinho enquanto corro com a Márcia para o São Vicente  porque a Vitória vai chegar – pede edu ao telefone
Eduardo os tomou nos braços, trocou fraldas, preparou  mamadeiras. Cedo entra no sype o face  rapidinho, diz duas ou três palavras comigo,  misturado  ao  - Pai vem vamos chegar atrasado  e, a Vitória – quase chegando aos 15 - não acabou ainda de arrumar o cabelo. Nicholas já tem 16 anos. Muitos riachos chegaram ao mar.
Marcello – tal qual Neruda confessa que viveu – Nunca deixou as últimas notas ocuparem seu boletim escolar – uma vez que outra na matemática, nada que não fosse normal em todas as latitudes – até que descobriu a paixão pela redução de códigos .
No gingado do bloco de sujos – sua paixão deste os dois anos, Pablo foi se formando até alcançar a maturidade  para conhecer as estrelas. Sob o signo de sagitário no mesmo mês em que Cell e edu como mera casualidade haviam decidir habitar o  planeta terra.
Vaya casualidad–  diz Nelson Dominguez – um dos maiores pintores da atualidade . 11, 17 e 15  de dezembro numa simples e doce confabulação do universo transformaram o dia 10/ 12 aquela tristeza imensamente triste,  no nosso porto onde sempre vamos Carenar.
Marcello adora Pablo, que ama  Marilia, que é apaixonada pelo Edu,  que é louco pela  Vitória, que idolatra Nicholas, que ama de paixão a Márcia..   dessa história fazem parte outras tantas personagens queridas amadas  num redemoinho de sonhos, de luta e todo amor que ainda houver nesta vida.
Se  somos felizes – pergunta  o amigo de todas as horas – Alguém dúvida?



Comments

miramartins said…
Muito legal e posso assegurar que é a pura verdade

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.