Pular para o conteúdo principal

E, a vida é assim...

E, a vida é assim ...
O frio entrava pelas dobras do cobertor quadriculado de um amarelo claro aquecendo-me  o peito num dos dias mais intrigantes de uma nova crise asmática. Ajoelhado aos meus pés  balançando a cadeira num misto de tristeza contida e alegria disfarçada no sorriso, ele me beijava as mãos, bochechas, beliscava de um lado, beijava do outro numa despedida difícil. Foi a última vez que seus olhos cruzavam os meus. Últimos  beijos, último sorriso. Eu, Sete anos. Ele toda uma vida pela frente, não fosse o fim do caminho. Desta lembrança me sobrou a infinita saudade. Não fiz análise, não procurei nas esquinas, nem em nenhum olhar. Não permiti que a vida borrasse  este momento. Não deixei que vida me roubasse aquela  ternura. Pela vida afora não decidi um dia para homenageá-lo, nem para querê-lo um pouco mais. Mas, eis que a vida tem trapas e trapaças .
Primeiro foi o Marcello – depois Eduardo. Dois grandes amores invencíveis. Dois garotos. Fui mãe e pai – a la vez  - vivi todas as febres, fraldas, clandestinidade, sequestro, exilio, o primeiro diploma, as tardes de repasse das matérias, a confissão lindamente terna da primeira noite de amor, as brigas, o amor  cotidianamente.  Vivemos todas as emoções possíveis. Juntos, inseparáveis.
Numa fria madrugada de abril, Edu e Márcia nos regalaram mais um nó desta rede afetiva  - Nicholas – minha  doce e eterna paixão. Dois anos, depois Vitória saltou todas as convenções, rompeu a bolsa dentro do elevador estabelecendo uma nova ordem.
-  Pega o Nicholas leva devagarinho enquanto corro com a Márcia para o São Vicente  porque a Vitória vai chegar – pede edu ao telefone
Eduardo os tomou nos braços, trocou fraldas, preparou  mamadeiras. Cedo entra no sype o face  rapidinho, diz duas ou três palavras comigo,  misturado  ao  - Pai vem vamos chegar atrasado  e, a Vitória – quase chegando aos 15 - não acabou ainda de arrumar o cabelo. Nicholas já tem 16 anos. Muitos riachos chegaram ao mar.
Marcello – tal qual Neruda confessa que viveu – Nunca deixou as últimas notas ocuparem seu boletim escolar – uma vez que outra na matemática, nada que não fosse normal em todas as latitudes – até que descobriu a paixão pela redução de códigos .
No gingado do bloco de sujos – sua paixão deste os dois anos, Pablo foi se formando até alcançar a maturidade  para conhecer as estrelas. Sob o signo de sagitário no mesmo mês em que Cell e edu como mera casualidade haviam decidir habitar o  planeta terra.
Vaya casualidad–  diz Nelson Dominguez – um dos maiores pintores da atualidade . 11, 17 e 15  de dezembro numa simples e doce confabulação do universo transformaram o dia 10/ 12 aquela tristeza imensamente triste,  no nosso porto onde sempre vamos Carenar.
Marcello adora Pablo, que ama  Marilia, que é apaixonada pelo Edu,  que é louco pela  Vitória, que idolatra Nicholas, que ama a Eduardo..   dessa história fazem parte outras tantas personagens queridas amadas  num redemoinho de sonhos, de luta e todo amor que ainda houver nesta vida.
Se  somos felizes – pergunta  o amigo de todas as horas – Alguém dúvida?



Comentários

miramartins disse…
Muito legal e posso assegurar que é a pura verdade

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia