Pular para o conteúdo principal

E, a culpa segue sendo do Fidel.


Ando morta de saudade.  Saudade dói, não tem tradução, é difícil de explicar. Não é lembrança, nem nostalgia, nem vontade de.  A Saudade é feminina. Forte, decidida, composta , complexa, machuca, alegra, transporta, marca encontros, estabelece, flui como riacho em busca do mar. Sofre e, é sofrida.
Busquei motivos, demarquei fronteiras, rasguei lembranças, quebrei a nostalgia em cacos pequenos bem pequenos, viajei caminhos desconhecidos, passeei pela memória e fui desaguar no Malecón Havanero.
Era madrugada alta. Silvio ( Rodriguez), tenho alguns  Silvios - Tendler, Batistela, Da Rin  que amo de paixão. Caminhamos uns passos, sentamos,  permanecemos olhando o mar. 
Algo me disse  de extraterrestres, que chegam através de todas as partes do universo e vem escutar a conversa dos homens. Trocamos quase murmurando algumas palavras. Não queríamos ser ouvidos. Eu estava possuída pela saudade . Qualquer gesto torto podia quebrar a magia daquele momento. Silvio sempre esteve presente na minha vida em momentos muito definitivos – nas parcas alegrias e nas grandes tristezas  ou vice- versa.  Somos grandes amigos. Conhecemos o tamanho das nossas luas. Ele na Orsa maior. Eu a do Cruzeiro do Sul. Ele com sua poesia cantada, explicável mente  linda, eu com meu  jeito brasileiro de ser – claro que ligo ainda esta semana, melhor passo pela sua casa -.e, por ai vai.
Viajamos quilômetros a cada discreta onda enamorada beijando as pedras que bordeiam a orla. Ia e vinha ao Brasil, tartareava Caetano, viajávamos ¨olhos nos olhos¨ buarqueanamente. Entre um silencio e outro a Bahia surgia esplendorosa. Depois do Rio a sua paixão era a Bahia. A minha o Rio, depois o Rio... muito depois a Bahia.
Ausentávamos, nos perdíamos no mar, num vaivém suave de emoções caladas.
Amanhecia quando deixamos a mureta. Possuídos  pela energia que emana das águas necessitávamos dormir  ou  mais provavelmente Silvio comporia uma canção, eu escreveria um poema que ficaria guardado e se perderia no tempo. Fiquei em Miramar, ele regressou a Vedado.
Passeando por dentro  deparei  com  a causa – trovadores, poetas, e o cheiro daquele  mar fazem uma falta danada na minha vida.

Isto é, sinto falta do Malecón, daquele pedacinho  onde começa os sonhos quase em frente ao Prado. 

Comentários

Anônimo disse…
Boa noite, Mirilia!
Somos da loja Don Castro de Havana em Penedo- RJ, e tivemos o prazer de conhecer um amigo seu, o Cid. Ele nos falou de vc e gostariamos de entrar em contato. Segue abaixo nossas informações,
contato@doncastrodehavana.com.br
facebook.com/doncastrodehavana

Abraço,
Cláudia

Postagens mais visitadas deste blog

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sepa…

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sep…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…