Pular para o conteúdo principal

DILMA ROUSSEFF – A PRESIDENTE GUERRILHEIRA

Faz três anos elegemos uma mulher para a Presidência da República, não uma parlamentar, ou Prefeita bem sucedida no seu mandato, não uma senadora  com experiência nos corredores das confabulações.
Elegemos uma Presidenta economista, guerrilheira, decidida, valente, arrojada – sem medo de ser feliz.
Dilma não veio de greves, ou movimento estudantil. Não aprendeu nos palanques  montados em praças, sindicatos,  a dialogar com o povo, nem tampouco gerenciar acordos com a classe dominante, menos ainda  contracenar com políticos de todo e qualquer matiz.
Veio sim de uma experiência de gabinete, com conhecimento de causa e efeito. Conhece o Brasil. Lutou por ele. Deu seus melhores anos a causa do povo brasileiro. Foi presa pela ditadura, torturada, humilhada, encarcerada, julgada, condenada  movida pelo sonho da soberania, e da liberdade.  Juventude  adentro entendeu, que daquele jeito, o gigante que nunca esteve adormecido, este continente plural, precisava  mudar. Não hesitou. Doou-se.
Anos mais tarde, o então Presidente Lula colocou  nas suas mãos a difícil tarefa de dar continuidade a sua gestão. Todos sabemos com cresses que o brasileiro endossava  esta indicação  – como tão bem declarou nosso querido Oscar Niemeyer ¨ VOTODILMA – porque ela vai dar continuidade ao governo do Lula, único Presidente que fez  o povo brasileiro sorrir um pouco¨
Queríamos sim continuar sorrindo. Queríamos tirar do nosso caminho a politica suja d do grupo do Serra e Marina Silva desestabilizadores de qualquer nascimento de igualdade, e de justiça social.  Queríamos sim Dilma na Presidência. Queríamos tirar o ranço de séculos de corrupção, de desigualdade, de politicagem barata, escusa.
Eufóricos, inebriados pela felicidade que passa de largo e se não a agarramos nos vai para sempre de nossas mãos, fomos caindo na real de que governar  não é apenas ir as ruas, teclar um sim.
Nossa pátria tinha muitos desafios pela  frente. Havia um passado recente a ser desvendado. Encontrar nossos mortos, desparecidos, abrir os arquivos, pedir perdão aos seus filhos, fazer justiça. Ir lá atrás pra começar a ceifar a corrupção que corrói a sociedade,  instalada pelas famílias que detém o poder político bem mais de um século.
Nesse vai e vem de ida e volta, entrar no  presente para projetar um futuro idealizado. Reconstruir hospitais, reeducar a educação brutalmente destruída. Aquela educação projetada por Paulo Freire  reorganizada e implantada por Darcy Ribeiro e Leonel Brizola, depredada pelos neo- liberalistas. Valorizar a cultura alicerce da cidadania.
Mas, o Brasil tinha prioridades bem maiores. Tirar da linha da miséria os que nem tinham um pedaço de pão para comer. Que fazer? Dar um teto que os amparasse da chuva. Que fazer?
¨Se alguém rouba comida e depois dá a vida – que fazer?  Como diz Silvio Rodriguez, poeta maior desta América Latina, tão nossa, tão violentada pelos inescrupulosos de turno.
Dilma Rousseff  tem realizado  muito mais além do esperado. Abriu todas as brechas possíveis ao crescimento do país. Vale dá uma olhadinha no mundo lá fora.
Nos últimos dias, tem enfrentando a  mídia fascista, descontrolada e servil, o povo reivindicando direitos justos, e outros que eles sequer conhecem como foi a PEC 37. Foi a única estadista de que temos conhecimento  a sair de uma reunião para conversar com os jornalistas sobre a manifestações e suas reivindicações.  As análises econômicas e financeiras dos ganhos e perdas deixo aos especialistas conscienciosos. 
O indispensável é reconhecer que este é o momento de apoiá-la. De gritar como fizemos no dia da sua vitória  - estamos com você, Dilma!
Ajudá-la a organizar a sociedade. Fiscalizar, denunciar. Fazer frente aos oportunistas, aventureiros voláteis, impedindo que eles ganhem terreno, porque somos capazes de defender nossa pátria. Temos discernimento para vislumbrar  e sabedoria a manipulação dos fatos, dos que desejam nos ver subjugados.
No que me concerne, aqui nesta terra e neste instante como há anos atrás,  estou aqui no front, incansável  lutando pelas conquistas do povo brasileiro, apoiando a Presidenta que escolhemos para dar continuidade as primeiras conquistas do Brasil depois de tantos anos de obscurantismo, miséria, repressão, exclusão e preconceito.
 Marilia Guimarães



Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…