Skip to main content

DILMA ROUSSEFF – A PRESIDENTE GUERRILHEIRA

Faz três anos elegemos uma mulher para a Presidência da República, não uma parlamentar, ou Prefeita bem sucedida no seu mandato, não uma senadora  com experiência nos corredores das confabulações.
Elegemos uma Presidenta economista, guerrilheira, decidida, valente, arrojada – sem medo de ser feliz.
Dilma não veio de greves, ou movimento estudantil. Não aprendeu nos palanques  montados em praças, sindicatos,  a dialogar com o povo, nem tampouco gerenciar acordos com a classe dominante, menos ainda  contracenar com políticos de todo e qualquer matiz.
Veio sim de uma experiência de gabinete, com conhecimento de causa e efeito. Conhece o Brasil. Lutou por ele. Deu seus melhores anos a causa do povo brasileiro. Foi presa pela ditadura, torturada, humilhada, encarcerada, julgada, condenada  movida pelo sonho da soberania, e da liberdade.  Juventude  adentro entendeu, que daquele jeito, o gigante que nunca esteve adormecido, este continente plural, precisava  mudar. Não hesitou. Doou-se.
Anos mais tarde, o então Presidente Lula colocou  nas suas mãos a difícil tarefa de dar continuidade a sua gestão. Todos sabemos com cresses que o brasileiro endossava  esta indicação  – como tão bem declarou nosso querido Oscar Niemeyer ¨ VOTODILMA – porque ela vai dar continuidade ao governo do Lula, único Presidente que fez  o povo brasileiro sorrir um pouco¨
Queríamos sim continuar sorrindo. Queríamos tirar do nosso caminho a politica suja d do grupo do Serra e Marina Silva desestabilizadores de qualquer nascimento de igualdade, e de justiça social.  Queríamos sim Dilma na Presidência. Queríamos tirar o ranço de séculos de corrupção, de desigualdade, de politicagem barata, escusa.
Eufóricos, inebriados pela felicidade que passa de largo e se não a agarramos nos vai para sempre de nossas mãos, fomos caindo na real de que governar  não é apenas ir as ruas, teclar um sim.
Nossa pátria tinha muitos desafios pela  frente. Havia um passado recente a ser desvendado. Encontrar nossos mortos, desparecidos, abrir os arquivos, pedir perdão aos seus filhos, fazer justiça. Ir lá atrás pra começar a ceifar a corrupção que corrói a sociedade,  instalada pelas famílias que detém o poder político bem mais de um século.
Nesse vai e vem de ida e volta, entrar no  presente para projetar um futuro idealizado. Reconstruir hospitais, reeducar a educação brutalmente destruída. Aquela educação projetada por Paulo Freire  reorganizada e implantada por Darcy Ribeiro e Leonel Brizola, depredada pelos neo- liberalistas. Valorizar a cultura alicerce da cidadania.
Mas, o Brasil tinha prioridades bem maiores. Tirar da linha da miséria os que nem tinham um pedaço de pão para comer. Que fazer? Dar um teto que os amparasse da chuva. Que fazer?
¨Se alguém rouba comida e depois dá a vida – que fazer?  Como diz Silvio Rodriguez, poeta maior desta América Latina, tão nossa, tão violentada pelos inescrupulosos de turno.
Dilma Rousseff  tem realizado  muito mais além do esperado. Abriu todas as brechas possíveis ao crescimento do país. Vale dá uma olhadinha no mundo lá fora.
Nos últimos dias, tem enfrentando a  mídia fascista, descontrolada e servil, o povo reivindicando direitos justos, e outros que eles sequer conhecem como foi a PEC 37. Foi a única estadista de que temos conhecimento  a sair de uma reunião para conversar com os jornalistas sobre a manifestações e suas reivindicações.  As análises econômicas e financeiras dos ganhos e perdas deixo aos especialistas conscienciosos. 
O indispensável é reconhecer que este é o momento de apoiá-la. De gritar como fizemos no dia da sua vitória  - estamos com você, Dilma!
Ajudá-la a organizar a sociedade. Fiscalizar, denunciar. Fazer frente aos oportunistas, aventureiros voláteis, impedindo que eles ganhem terreno, porque somos capazes de defender nossa pátria. Temos discernimento para vislumbrar  e sabedoria a manipulação dos fatos, dos que desejam nos ver subjugados.
No que me concerne, aqui nesta terra e neste instante como há anos atrás,  estou aqui no front, incansável  lutando pelas conquistas do povo brasileiro, apoiando a Presidenta que escolhemos para dar continuidade as primeiras conquistas do Brasil depois de tantos anos de obscurantismo, miséria, repressão, exclusão e preconceito.
 Marilia Guimarães



Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.