Pular para o conteúdo principal

Entrevista de Jorge Barret à Aluisio Palmar

http://www.blogger.com/img/blank.gif

No dia 16 de novembro de 2008 fui procurado por Jorge Barrett, irmão de Soledad e sobrevivente da chacina ocorrida em Pernambuco onde morreram seis militantes da Vanguarda Popular Revolucionária – VPR.
Na ocasião gravei uma longa entrevista com o Jorge. Segurei durante esses três anos e quatro meses esse material arquivado em fitas K7 por achar que a entrevista tem algumas falhas técnicas e revelações polêmicas. Porém, às vésperas da instalação da Comissão da Verdade julgo ser importante divulgar a entrevista com o irmão de Soledad Barrett.

1Entrevista com Jorge Barret 01

“Meu pai fez parte do grupo que fundou o Partido Comunista Paraguaio”

“Nazistas uruguaios marcaram com a cruz suástica as coxas de Soledad. Isso marcou a vida dela”

“Soledad me pediu pra alugar um apartamento em São Paulo, para onde ela se mudou e ficou esperando ordens de Onofre Pinto”

“Onofre marcou ponto em São Paulo entre Anselmo e Soledad por meio de uma carta”

“Eu aluguei o apartamento em São Paulo em meu nome e Soledad usava seu nome legal”

“Certa ocasião saí de São Paulo e fui ao Chile levar uma carta do Anselmo para Onofre Pinto. Voltei com 20 mil dólares e levei para Olinda”

No dia 16 de novembro de 2008 fui procurado por Jorge Barrett, irmão de Soledad e sobrevivente da chacina ocorrida em Pernambuco onde morreram seis militantes da Vanguarda Popular Revolucionária – VPR.

A última vez que eu havia estado com Jorge foi em maio de 1973, no apartamento de sua irmã Nany, em Santiago do Chile.

Portanto, eu não via o “Mitaí” há 36 anos. Quando eu o conheci o apelido em guarani, que significa menino, encaixava muito bem. Naquela época Jorge era magro, tinha os cabelos compridos, um projeto de barba e, logicamente, tinha cara e voz de adolescente. Era o próprio Mitaí.

Ele era, pode-se dizer o “pombo-correio”, o apoio de sua irmã. Foi Jorge que alugou o apartamento em São Paulo, onde Soledad foi morar quando entrou no Brasil como militante da VPR. E foi Jorge que levou do Chile para Pernambuco as cartas que desencadearam as prisões e mortes em Pernambuco.

No dia 7 de janeiro de 1973 foram presos e torturados até a morte, Pauline Reichstul, Evaldo Luiz Ferreira de Souza, Eudaldo Gomes da Silva, Jarbas Pereira Marques, José Manoel da Silva e Soledad Barret Viedma.

Pauline foi golpeada com golpes de culatra na cabeça no ato de sua prisão na butique da amiga Sonja Maria Cavalcanti, em Boa Viagem. Ela fora à butique acompanhando Soledad Barret, numa entrega de artesanato. Estavam conversando com Sonja quando cinco homens entraram no estabelecimento.

Pauline morreu em conseqüência das pancadas e Soledad foi jogada num camburão junto com o corpo sem vida da companheira de organização.

Jarbas Pereira Marques foi preso na Livraria Moderna, em Recife, Manoel da Silva num Posto de Gasolina, no município de Toritama, localizado a170 quilômetrosde Recife. Evaldo Luiz Ferreira foi preso na residência de Soledad, localizada em Rio Doce, bairro de Olinda e Eudaldo Gomes da Silvo, num hotel de Recife onde havia ido trocar dinheiro.

Soledad, Jarbas, Evaldo, Eudaldo e Manoel, foram presos pela equipe do delegado Sérgio Fleury, que os torturou até a morte. Seus corpos, juntamente com o de Pauline, foram levados para o sítio de São Bento, em Abreu e Lima, cidade localizada a16 quilômetrosde Recife.

Os torturadores e assassinos crivaram de balas os cadáveres dos seis combatentes, jogaram várias granadas na casa da referida chácara, com o objetivo de aparentar um violento tiroteio, dizendo que lá se realizava um suposto congresso da VPR.

A ação repressiva foi possível devido a colaboração do “cabo” Anselmo, infiltrado na VPR.

Jorge, que mora atualmente em Assunção, me procurou para falar, para desatar o nó na garganta que o atormentava desde que saiu da prisão no Brasil.

Foi assim que liguei um gravador de fita k7 e gravei. Gravei o que foi possível. Foram 7 fitas em total. Eu pensei em degravar a entrevista, mas por fim mantive o áudio com todas suas imperfeições e os vai e vem da entrevista.

A entrevista está dividida em sete faixas e sua divulgação no Documentos Revelados em seis etapas.

1Entrevista com Jorge Barret01

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…