Skip to main content

Sara - Tu sabes saudade não tem tradução.

Amarelinha – dibuje ali de áquel lado. No, no. Deje las sillas donde están de otra forma impiden el pasage – ordenaba Choco que entendia todo de juegos en las calles.
- Berthaaaa, donde pusites el peón y la peteca.?
- Luego alli, en la mesa. Ves?
Sara! que linda estas de marinera! No creo!. Tu dentro de mi vestido? Imposible.
Mira la ropa de Silvio e Choco – tambien estan de fantásticas - sonreia la niña gigante de la Nova Trova. De Raimundo nada. Cuanta demora. Asi no aguantamos. Vamos jugar mientras él no llega – insiste Sara.
En la mesa, um cake en forma de trencito algunos juguetes bobos y toda la sala adornada com preservativos inflados de aire y pintados de diversos motivos. Más bello imposible. Para beber água de Jamaica, de limón, mineral minorando el calor de tanta traquinaje. Saltar, reir, sambar um sincopado numa explosión de alegria.
No sé pero pienso que jamás hemos vividos momentos de tanta felicidade y pureza, entre los 30 y los 25 años, como estes en que poetas, trovadores, pintores acudian rápido a la hora de reir e cantar a todas las noches cubiertas por la luz de la luna, salpicada de estrellas, entre las muchas batallas trabadas y los pocos momentos de paz - comemorar los 20 e picos años de Raimundo y su pasión por Zenaide y vice-versa.
Silvio e yo ensaibamos unos passos de um batucada salida de um long play – Bahia de todos os deuses, dejando el corazón taquicardico de alegria. Acertar los passos festejabamos orgullosos. Yo uma brasileira sin jingado él tímido de doler el alma. Ganaríamos cualquer concurso si entrassemois en él. Ni lo dudo.
Roger me echaba mirada de arrepiar. Este muchacho todavia iba gañar um pedacito de mi corazón no fuera el celo de Nelson y la pasión que Nicola lograba ocupar em todos mis dias.
Se me olvidaba decirles. Raimundo nos creó borrachos,empinó una botella de ron, dormió y nunca supo que terminamos la fiesta em uma magnífica guerra de cake.
Sentadas en la terraza mirando la puesta de sol Sara, los amigos de siempre, la sonrisa de Diana recojiamos el passado entre unos tragos de ron, la voz de Alcione al fondo, y la felicidade de estar ali.
Acaba de llegar de Rio e como siempre que podia dava um brinco primero en casa de Sara, la compañera intranable para nutrirme de su eterna alegria, ternura e majaderia.
Este dia buscabamos motivos para sonrieir pues Nicola se habia ido y nos dolia fondo. Muy fondo.
Hoy los recuerdos se chocan en mi neurônios , divido con los de entonces la felicidad de haber convivido contigo tantas luchas e intermináveis alegrias.
No hay definición para saudade tu lo sabes bien, como tampoco no hay adjetivos suficientes que puedan nombrarte. Te amo, asi no más guerreira, juguetona, cantante singular, múltiple compañera. Siempre.

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.