Pular para o conteúdo principal

De nossos principios não abrimos mão


Foto - Evanise Santos

Cuba é linda em qualquer estação do ano. Seja com o vento norte armando seu cordel, seja sob o sol escaldante de agosto, seja numa tarde de janeiro fria, cinzenta, mar intranquilo. Sua beleza é realçada no riso de sua gente, na sonoridade do SON, nos versos do Silvio, na saudade do Nicola, nas pinturas do Choco, Raimundo, Paneca, no Creeme do Vicente, nas rimas de seus poetas, nas fotos do Ivan Socca, no orgulho de ter Comandantes vencedores de muitas batalhas, aliados a todos os itens anteriores, construindo o futuro.
Cuba é mágica. Resume nossos sonhos sempre jovens, eternamente guerreiros.
Da Sierra Maestra a Dilma Rousseff conseguimos mudar a cara da América. O sonho de liberdade deixou de ser um desbotado jeans para ser a unidade latino-americana. Cinquenta e tantos anos passaram e a ilha do Caribe com cheiro de felicidade e sabor a garapa tomou outro feitio. Invadidos, bloqueados, violados, espremidos entre os ataques covardes, cresceu em muitas direções: biotecnologia cientificamente comprovada, amor solidário esparramado por todos os continentes em forma de anjos da saúde, professores, cientistas, seja bairro adentro, Haiti, Ghana, ou na intricada selva amazônica. O Brasil não deixou por menos. Mata um leão cada dia, esperneia contra a falta de ética de seus filhos oportunistas, e, contra os invasores do dia a dia, mas vai tirando da miséria milhares de crianças, ganhando respeito internacional limpando a sujeira que maculou o verde – amarelo de nossa bandeira.
Dilma, segunda-feira pisa a terra cubana, desta feita como Presidente do Brasil.
Temos milhares de problemas internos a serem resolvidos, e difíceis de serem solucionados. Seguimos em frente. Cuba outros tantos. Todos eles trabalhados sob o cruel e desumano bloqueio econômico. É vanguarda, admirada, querida e respeitada.

Como não podia deixar de ser os parasitas decidiram trazer a baila nestes dias os direitos humanos em Cuba para confundir a massa, como diria Chacrinha.

- Precisamos de visto para a porta voz dos Estados Unidos, a falsa blogueira, que prima pelas mentiras, pela falta de ética em sete idiomas.

Pensaram que nossa diplomacia iria cair no conto do vigário. Ledo engano. O Itamaraty já deu ñ provas de sua habilidade e coerência diante de outras situações embaraçosas e comprometedoras internacionalmente.

A funcionária do Estados Unidos preenche todos os requisitos para um visto de 90 dias. Não tem ficha criminal em Cuba.
Portanto todas as alegações de perseguição, prisão, espancamento que ela afirma em suas entrevistas, sofrer diariamente não correspondem a realidade. Caso contrário, teria registros de passagem na policia cubana, o que impedira a emissão do visto brasileiro.

Como ela deu um tiro no pé, vai ter que sair de Cuba para participar do lançamento de um documentário de um cineasta baiano. Voltar à Cuba para conservar seu emprego norte americano.

E, Por falar em emprego, nós blogueiros sabemos muito bem quanto custa manter no ar atualizado nossos blogs.
Salim Lamrami desconstruiu o estereótipo de a farsa Yoani Sanchez.
Só os ignorantes da leitura ou os BBB da vez insistem em reverter o verdadeiro local onde os direitos humanos na ilha do Caribe são desrespeitados e violados – a Base militar de Guantánamo, ocupada ilegalmente pelo Governo estadunidense.
Endosso as palavras do escritor Fernando de Moraes. Apoiar a blogueira é ir contra nossos princípios revolucionários. Disso eu não abro mão.

Marilia Guimarães.

Comentários

Amiga Marília,

amiga porque, apesar de não nos conhecermos pessoalmente, estamos do mesmo lado,

do lado de um país que é exemplo para o mundo, onde existem problemas, ok,

deixemos os cubanos resolve-los internamente,

não vamos perturbar um pais que apesar do bloqueio e da queda da URSS se mantem caminhando em frente rumo a uma sociedade mais justa.

Quem tiver necessidade de informações de como estão as coisas em Cuba pode acessar os vários sites de informação que comunicam os fatos mais relevantes acontecidos lá, ao contrário do que se fala por ai.

Sou documentariista e, já entrei em Cuba com equipamento profissional de filmagem pelo aeroporto de Havana sem ser importunado, realizei meu trabalho sem ser fiscalizado e tenho aqui no Brasil todas as imagens que sequer foram vistoriadas pelas autoridades cubanas.

O que não podemos é, confundir um objetivo particular, com objetivos institucionais de denegrir a imagem de um povo que continua lutando por sua liberdade, dia após dia,

Quero ver se no "mundo livre" qualquer pessoa poderia divulgar "informações" sem ser censurado.

Abraços
Marcos Valladares
mavalladares@hotmail.com
Anônimo disse…
Cara Marília,

Acabo de assistir o programa do Jô e fiquei muito chateado quando ele
não permitiu que você contasse a história do sequestro do avião. Fiquei
muito interessado e gostaria de conhecer este episódio.
Um forte abraço,
Carlos José
(cjfrank57@hotmail.com)

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia