Pular para o conteúdo principal

CARTA ABERTA EM DEFESA DO CENTRO CULTURAL INTERNACIONAL OSCAR NIEMEYER EM AVILÉS




Recebo notícias da Espanha, sempre ciente da crise econômica que se abateu sobre inúmeros países europeus, inclusive sobre esta nação admirável. Desta vez, as notícias me surgem mais inquietantes: já circula a informação de que vão fechar o Centro Cultural Internacional que leva o meu nome, por força da generosidade de amigos espanhóis. Um projeto que realizei com o maior carinho e que, ao que parece, colocou, mais uma vez, uma cidade espanhola - no caso, Avilés -, no “mapa” turístico-cultural da Europa.
Tenho esperanças de que a decisão quanto a seu fechamento ou interrupção provisória de suas atividades seja revertida, prontamente esquecida. Irei lamentar (não importa se de longe, a acompanhar o desdobrar de uma crise, que é a do capitalismo global decadente) se aquele Centro Cultural encerrar as suas atividades, mesmo que seja por um lapso de tempo.
E a razão do meu desgosto, decerto partilhado por seus antigos administradores, tão competentes e zelosos da integridade do projeto, não se limita ao fato de este ser uma obra que representa talvez um dos exemplos recentes mais expressivos do meu esforço em tirar partido das potencialidades do concreto armado e em defender uma arquitetura mais livre, menos “estandardizada”. Trata-se, também, da perda de um espaço fantástico para a promoção de eventos culturais de grande porte e do diálogo sempre fecundo entre os diferentes setores (sem excluir a música e o cinema), integrando as artes contemporâneas e a arquitetura.
Solidarizo-me com Natalio e seus companheiros de trabalho. Sem o seu apoio, a sua entrega total à execução de um complexo arquitetural capaz de suscitar surpresa e emoção, essa obra não alcançaria o reconhecimento que conquistou por tanta gente de valor e pelo público em geral. E jamais esquecerei a atenção que esses amigos dispensaram a mim e ao arquiteto Jair Valera, participando-nos os progressos da obra, os detalhes de sua execução, da programação artístico-cultural que ela deveria acolher, num respeito inusual a nosso trabalho de arquiteto.
Confio em que o pior não aconteça e que Natalio e sua equipe sejam mantidos à frente da gestão de uma obra que requer entusiasmo, amor à cultura e
criatividade. Todos esses elementos sempre presentes na valerosa gente da Espanha.
OSCAR NIEMEYER

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…