Pular para o conteúdo principal

Um lindo aniversário, Mariela



A cada encontro fuera em Brasil o em Cuba, Rosy insistia nos livros, revistas, dicionários, fotos do Rio. E,lá ia ela ou eu numa ida e volta ao Caribe carregada de tudo que lembrasse o Brasil.
-Você não sabe Miriam ela adora e sabe tudo do Brasil. Tudo. É uma paixão inacreditável.
- Mas, tão menina! Como conhece tanto? De onde vem este amor tão lindo pela minha pátria. Assim cresceu amando o Brasil.
Em uma de suas vindas para conhecer a Nicholas, meu neto, recém nascido decidi com Rosy. O melhor presente de férias é trazê-la ao Brasil. Vamos convidá-la?
- Impossível. Não creio que sua mãe deixe é filha única. Você sabe como são essas coisas.
- Rosy agora não vou desistir. Esta garota vem passar as férias aqui. Sentir o cheiro do nosso mar, tocar o chão deste País.
- Ya tu! Vamos ver.
- llamo a su mamá le explico que es un regalo por sus óptimas notas en la escuela, y en uno piscar de ojos ella estará aquí.
- Deja Rosy. No conoces a Mirian. Cuando mete una cosa en la cabeza nadie la de mueve de sus intentos – argumentó el dulce trovador Augusto. Que asi sea.
- Vamos. Dame el telefono de su madre. Hablo con ella, y tengo la certeza que lograremos.
Pero Rosy este número este de Maria de los Angeles? Ella puede nos ayudar a convencer a la mama de la muchacha? Es esto?
Mirian, Mary es la mamá de Mariela.
-Qué? Imposible. La sobrina de Silvio, la hija de Raulito – o último embaixador de Cuba, depois do rompimento das relações diplomáticas em 1964? Raul Roa Kouri. Casualidad en demasía.
Mariela nasceu quando voltei ao Brasil com a anistia. Em todas as ocasiões que estive em Cuba, Mary, Raulito y la bebita estavam fora em missão diplomática. Conhecer mi pequeña quedaba postrergada siempre.
Estas casualidades inexplicables son las que nos suelen ganar los maiores regalos de la vida, las amistades que transciende todas las tempestades. E, assim foi. Em uma noite fria de Júlio chegou Mariela e Maria de los Angeles. Hace años.
Fueron los dias más lindos de mi vida. Pasábamos horas hablando mi pátria. Sus costumbres, colores, su ancestralita, su música, las matas que bordejan, el olor de mar, las puestas de sol. Hasta contábamos estrellas sentadas en las noches más cálidas a la borda de la piscina!
Hicimos todo lo viable en aquellos días en que sus manitos de adolescente curiosa y sensible quedó helada cuando vió el lugar en que su papá vivía cuando era embajador por acá.
Nos apasionamos. Divido com Maria de los Angeles este amor que nutro por la dulce Mariela. Somos confidentes. Ella de mis dolores, de mis amores, de mis saudades. Yo de los suyos. Fui testigo del instante en que la mirada de Patricio alcanzó el corazón de mi hija en la varanda de la casa de Waldo Leyva, exatamente una noche muy especial para mi, el lanzamiento de ”Em esta terra, em este Instante na Feira Internacional do Livro en Havana.
Passaram los años, Mariela y Patricio – un trovador chileno – huésped de la ternura – esperan la llegada dentro em poco de Melissa, completando el ciclo de la vida. Melissa ya llega impreganda de los sonidos brasileiros. Me conoce, sabe de mim todos los días – em portugués – para que quando llegue ya sepa de quem se trata al oírme.
Mariela, mi chiquita preciosa, cumple años. Todos los sueños, todos los deseos, todo lo bueno, me suenan poco para desearle. Que sea muy feliz. Que seja eternamente feliz. Y sepas querida mia que desde um Rio de Janeiro, quisás tan frio hoy cuanto Santiago de Chile te envió a través de la brisa que toca mi rostro el más suave cariño. Que mis estrellas huyeran de mi cielo hasta el tuyo para colmarte de besos.
Felicidades.
Marília, Eduardo, Marcello, Eduardo, Nicholas, Vitória, y Pablo.

Comentários

mariela disse…
Querida mía, gracias por este hermoso regalo que no pude ver hasta hoy, porque Melissa se nos adelantó y nos tiene enamorados con su dulce presencia.
Un gran beso, te quiero mucho,
Mariela

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…