Skip to main content

Se o samba tivesse uma forma humana seria Dona Ivone Lara - Nelson Sargento

A mesma caminhada suave de trinta anos atrás percorria o tapete vermelho do salão nobre da Assembléia Legislativa em direção a tribuna quando deparou comigo .O mesmo sorriso doce e a mesma voz.
-Oi querida quanto tempo não nos vemos – falou baixinho enquanto eu lhe beijava a fronte.
- Que saudade – sussurrei embora soubesse que estava atrapalhando a entrada. Os grandes sentimentos quebram tabus, protocolos, e muitas coisas mais.
Dona Ivone Lara era a homenageada do dia. Majestosa, linda, tranqüila, segura embora os anos tenham tirado a pisada firme de tempos atrás. Não importa. O que conta é o que levamos dentro escondido nos recantos penetráveis de nossas lembranças.
O chegada do exílio era muito recente. Recomeçar a vida. Começar do zero mais difícil do que imaginava. Os meninos adolescentes resistiam adaptar-se a cruel realidade de um capitalismo agressivo, da pobreza caída nas calçadas dos melhores bairros da cidade, da falta de ética dos professores no tratamento com dois meninos filhos de uma pátria amada, adorada mesmo, sonhada, idealizada. Da dificuldade de reencontrar amigos, a espera de um inesperado encontro que mudasse tudo. E, mudou. Fui trabalhar um mês pós meu regresso com Albino Pinheiro – o boêmio conhecedor de cada refúgio da cidade maravilhosa, do melhor chopp , o criador da Banda de Ipanema em pleno anos de chumbo , resposta aos cruéis ditadores. No Seis e Meia do teatro João Caetano,em 1980, reencontrei minha patriazinha como versejou Vinicius de Moraes num dos mais belos poemas a esta terra. Foi na canção, eterna companheira de todos os momentos que voltei a viver o Brasil.
Foi na cadencia do samba, nas canções e carinho Dona Ivone Lara, na ternura de Martinho da Vila, nos papos pelas tarde com Nelson Cavaquinho, muitas vezes acompanhando de Nelson Sargento , nas rabugices de Jamelão ou na doçura de Nana Caymmi, na presença de Paulo Moura, reunidos aos companheiros que chegavam trazendo no peito a mesma ansiedade que fomos recuperando nossa energia participando outra vez de greves – madrinha dos funcionários da Ciferal - freqüentando assembléias nos sindicatos do metalúrgicos, dando aquele pulinho demorado no PDT – (se o Governo Chagas descobre to na Rua)....
Clarissa Garotinho - hoje deputada estadual das mais votada – numa homenagem fantástica regada a bateria do Império entrega a dama do samba o diploma de Cidadã Benemérita do Estado do Rio de Janeiro, àquela que define a força da mulher brasileira: enfermeira, mãe, 1ª. Compositora de sambas enredo, negra, educadora. A emoção transcendeu todos os limites.
Obrigada Dona Ivone Lara. E, quem disse que vamos um dia esquecer este 07 de junho de 2011.

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.