Skip to main content

E, não são as águas de março fechando o verão



2011
O Rio de Janeiro continua lindo, acariciado pelo mar que bordeja suas costas, coroado majestosamente por suas montanhas, com sua gente simpática, sorridente, quase feliz, conseqüência seguro deste encontro das águas, do vento que toca seu corpo, do verde que ilumina desde afora até o recanto mais oculto do seu ser.
Quarenta e cinco anos depois da tragédia das águas de 1966, um tremendo aguaceiro numa tarde de fim de abril e não março como cantou Tom Jobim, inunda a cidade trazendo o caos.
Nem acabamos de sair da tragédia das cidades serranas, pedras, deslizamentos nas comunidades construídas em áreas de risco, arrebatam nosso sono, levando-nos ao limite do stress.
A velha pergunta paira no ar. A quem cobrar responsabilidades? Ao atual prefeito com certeza não será. Simples, fácil a resposta. Governando há apenas dois anos a cidade de São Sebastião, instalou -
“O Centro de Operações vai nos permitir que tenham pessoas olhando 24 horas pela cidade a partir do dia 31. Mas existe um tempo de aprendizado, e esse lugar não vai evitar que tragédias aconteçam. Vai ajudar na hora da tomada de decisões”, explicou Eduardo Paes."Rio não será cidade uma perfeita",- afirmou,
mas devemos reconhecer seu esforço para solucionar este problema crucial de uma cidade que começou a ser modernizada no século XIX, só precedida por Londres, e cuja manutenção tem sido durante todos este tempo sem prioridade para os governantes anteriores.
Assim é com os serviços de gás, água, luz, e esgoto explodindo pela cidade para nos lembrar que também fios, canos, ralos tem prazo de validade.
Temos uma saída perfeita. A organização da sociedade civil para cobrar responsabilidade aos governos passados, educação da população como prioridade, amor a cidade que nos viu crescer, no embriaga com seu verde, nos energiza, e de quebra nos dá o prazer de ser amada e desejada por brasileiros e estrangeiros de qualquer parte do planeta.
Só cabe a nós participar desta tarefa, consentindo que o Rio de Janeiro continue sendo cantada em prosa e verso como a Cidade
Maravilhosa.

Comments

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.