Pular para o conteúdo principal

REENCONTROS III

Embora haja tantos desencontros nesta vida reencontros são magníficos. Dilma, a nossa Presidente, ontem encontrou, reencontrou cineastas de todas as idades, felicidades, realizadoras, premiadas, reconhecidas. Amo muitas delas. Fazem parte do meu mundo. Todas lutadoras neste complexo cenário cultural. Guerreiras. Desconheço as que não sejam. Cada qual com suas escolhas de Lúcia Murat, Maria Mathilde Mourão, Marina Person, , Patrícia Pilar, Lucélia Santos, Rosane Svartman, Sandra Werneck, Suzana Amaral, a Tizuka Yamasaki de Gaijin – história primorosa da migração Japonesa, a Tetê de Moraes – garimpeira de encontros inesquecíveis como de Arturo Sandoval com João Donato, numa Havana deslumbrantemente especial. Belos dias onde piano e sax traduzem nossa América.
Contudo, hoje é domingo de almoço em família, de rever fotos, dar boas risadas, a cervejinha gelada, do pollo a cacerola.
Domingo é dia de praia. Sol acariciando a pele, numa cor morena, paixão de quem vive e cheira mar. Domingo é dia dos que põe em dia as noticias da semana, encontra infinidades de discussões sobre o iodo radioativo nos mares do Japão, na tsinunami varrendo furiosamente o que encontrou pela frente, numa espécie de alerta ao homem que esqueceu que viver é compartir, dividir, somar desde o pedaço de terra que tudo dá, pedindo em troca um pouquinho de carinho e cuidado. Aquele que se dá sem restrições.
Domingo é dia do amor convencional, da esposa, da namorada, dos filhos compartidos. Amantes só no cotidiano semanal. Domingo stress abaixo do percentual semanal permite lembranças. Abra as celebres caixinhas escondidas cuidadosamente, atira- as no ventrículo direito, deixa que invadam a circulação sistêmica, embarquem no túnel do tempo. Leia alguns, esconda outros por se acaso chove e aquele por de sol é barrado por uma nuvem cinzenta impedindo a visão de novos horizontes. Porque amores, almoços, noticias, se repetem a séculos e aos montes, mas aquele terceiro instante do Por de sol nunca é semelhante ao do domingo passado.

Comentários

Andesa disse…
Lindo, mi Mari querida. El domingo, el mar, el sol en la piel, la cerveza helada, el pollo en cazuela.. Todo lindo y linda tú.

Aurora.

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…