Pular para o conteúdo principal

Quarta-feira 23/03/2011 - Japão, Obama e a esperança de "echar o mundo andar"

Tudo hoje será de corre corre. As noticias não são nada felizes. Relutei em escrever sobre este assunto. Impossível o silencio.
Acesso o Globo. Um dos reatores começou a soltar fumaça escura, o resfriamento é difícil, a situação no Japão preocupante. Estamos torcendo por eles. Estamos torcendo pela humanidade, penso.
O poder que delegamos aos governantes virou contra todos nós. É hora de repensar a nossa irresponsabilidade, e dar um basta para “esta Humanidad ëchar andar” como dizia Che Guevara. “
Os comentários fervem entre a população sobre a visita de Mr. Obama. O carismático Presidente dos Estados Unidos - premio Nobel da Paz – desde o nosso pais ordena o ataque a Líbia, como se estive jogando bola no cenário montado na Cidade de Deus, ou olhando extasiado a beleza do Rio de Janeiro –maculando tanta maravilha, nos marcando com seu poder bélico. Não gostamos Sr Obama. Não gostamos nem do seu riso irônico, nem dos seus tanques de guerra ou de sua enorme comitiva sujando nossa paisagem.
O Rio não gostou. Temos uma Policia Federal forte, um Exército bem preparado, uma Marinha competente, e Aeronáutica super organizada. Temos o Bope , a Rota e a força nacional de segurança. Que desminta os militares que deram o golpe em 1964, e mergulhou o Brasil nos terríveis anos de chumbo?
Hoje, somos um pais organizado. Não só temos petróleo, temos etanol, água, muita água , uma gama variadíssima de cérebros privilegiados .Somos um pais de ponta. Aliás sempre fomos. Nossos governantes menores, servis é que nos colocou na faixa de terceiro mundo, ranço da nossa herança colonial. Sempre fomos uma das maiores potências do mundo. É só deter um pouco na nossa história. Sem exageros ou vaidades. Ainda quando não éramos nada – nem brancos, nem negros, nem europeus escolhemos falar português , e o conceito de nação muito antes do resto do mundo. Nasceu aqui, quando expulsamos holandeses, franceses, ingleses e espanhóis. Lula, chegou, mudou o satus quo da nação brasileira.
Entendemos agora sua comitiva bélica. O sr. veio sob o pretexto de renegociar relações estremecidas para entre beijos e afagos, troca de presentes praticar um ato de terrorismo sem a nossa anuência. Esta não valeu.
Aqui, no nosso território ousou seu covarde grito de guerra, mas teve medo de tocar no assunto Cuba, base de Guantánamo, Iraque , China entre outros exemplos de covardia dos governantes dos Estados Unidos da America. Foi fazê-lo no Chile, mas omitiu a sangrenta ditadura de Pinochet, que entre outros barbarismos decepou as mãos de Victor Jarra, no estádio nacional.
Explica-nos: quantos civis ainda estão nos seus planos de Paz assassinar até o fim de seu desastroso mandato?Quantos soldados estadunidenses vão cair nos campos de batalha? Quantas famílias vão chorar como na época da invasão fracassada do Vietnam a perda de seus filhos e netos? Quantos morreram na recente frustrada guerra contra o Iraque? Não faça alarde. Na Líbia, seu governo também conhecerá o preço da derrota. Porque o mundo quer Paz.
Nós, mirando atônitos o interior do império exposto na passagem do furacão katrina. Já não temos dúvidas quanto a fragilidade norte americana. Em que fenda, da histórica de seu país esconde a liberdade?

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia