Pular para o conteúdo principal

Na medicina e no amor, nem sempre, nem nunca

- Olha uma nimbos enorme!. Vai chover tudo. Sem sombra de duvida, teremos um carnaval quente , banhado de estrelas tanto no céu quanto na passarela – comentou o taxista.
Carnaval este ano cheio de problemas. Na Cidade do samba, União da ilha virou uma labareda negra, se alastrou para minha querida Portela , alcançou a Grande Rio transformando em cinzas o sonho de um ano de trabalho intenso, dedicação, entrega total como suele ser tantos carnavais, por uma hora e vinte minutos de felicidade. Nem mais, nem menos.
Pior é a vida resmungou o chofer.
Porquê?
Estava apaixonado moça. Sabia de tudo. Casada décadas, filhos, uma vida estável, mas como o destino prega peças todos os dias nas horas vagas, eis que entra no carro um velho e grande amor. Nem posso descrever aquele azul – como cantou Paulinho da Viola -.Fiz de um tudo. Passei a viver a euforia de um adolescente. Esqueci o lá fora. Pregado no computador esperava ansioso viver aquele lembrança. Doce, terna, mal resolvida claro. De não ser assim teria passado como tantas outras que deparo em alguma esquina, não batem forte meu coração. Mas, com ela havia sido diferente. Muito diferente. Poucos beijos, nada de relações intimas, uma brusca despedida – o vácuo. Recuperar um minuto voltar atrás o ponteiro. Presente maior impossível.
Email, mensagens, músicas. Só faltava aquele abraço forte demorado, aquele beijo não roubado, aquela caricia perdida no tempo. Aquela umidade na tarde, um que” já vivi e que te vas”.
Como passe de mágica uma foto, uma cobrança da minha insistência, uma frieza crua sem sentido. Nocaute. Fui pego num nocaute estúpido, logo eu que nunca deixe o coração dominar meus neurônios. Logo eu. Respondo três ou quatro coisas malcriadas. Fim de papo. Não vale a pena remexer nas lembranças.
Ciao.excelente decisão. Não vale a pena remexer nas lembranças.
Desço rápido. Preciso desligar os equipamentos antes das trovoadas e relâmpagos, mas não sem ler os meus emails. Entre tantos a triste noticia Marilene Ramos chegou feliz a Saquarema para passar o carnaval e de pronto tudo escurece. ...Professora de História, já chegou agitando, fazendo discurso, organizando, enchendo o ambiente com a sua figura alegre, falante e bem humorada descreve Eli – a moderadora do Grupo de 68.

Adormeci inconformada. Pensei no taxista que desistiu de resolver uma pendência do passado e da inesperada partida. Num piscar de olhos, a alegre companheira de tantas lutas emudece para sempre.
De manhã, fui fazer as famosas mamografias e ultras mamárias. Lá estão eles anos dois nódulos, pensativos, de igual tamanho na espera de um descuido bobo como foi o do motorista para pegar-me de surpresa. Por esta e por outras temos ser que estar atentas e fortes - Na medicina e no amor, nem sempre, nem nunca.

Comentários

excelente materia. é assim mesmo. Nem mais nem menos.

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…