Pular para o conteúdo principal

João Goulart - o Jango - março de 1964

No Bairro da Saúde o barulho incessante das offsets enchiam as ruas de uma musicalidade bem diferente das charretes do tempo do império. Coloríamos um Brasil campeão do mundo, um cinema novo, o Bim- Bom da Bossa Nova – intercalada com o canto falado de João Gilberto, a nova capital exuberante traçada por Niemeyer surpreendendo o mundo e um outro João - o Goulart – Presidente do pais defendendo na Central do Brasil, naquele março de 1964 as reformas de base. Desacelerar a inflação e acelerar o crescimento, plano audacioso para os setores sindicais e organizações nacionalistas.
O comício das reformas gerou um verdadeiro embate político e ideológico no país. Tempo de democracia autêntica no Brasil. Os Jovens universitários e secundaristas punham o movimento estudantil no auge do reconhecimento: forte, ativo, bem articulado e com grande força na opinião pública. A CGT – Comando Geral dos trabalhadores valorizava a classe operária reivindicando direitos trabalhistas, crescendo em independência e autonomia.
Francisco Julião organizava os camponeses, distribuía as terras improdutivas em Pernambuco. Era a reforma agrária que tomava forma de liberdade.
Na espreita, dos movimentos engendrados pela sociedade civil organizada, a elite brasileira apavorada por passar a cumprir um papel secundário no cenário político, ameaçava romper o controle das classes dominantes sobre o processo de desenvolvimento.
Aumentava a oposição ao governo. Goulart perdia suas bases na burguesia, porem não desistia. O Plano Trienal centrado nas reformas de base agrária, fiscal, educacional, bancária e eleitoral eram necessárias ao desenvolvimento de um capitalismo nacional e progressista.
Forças democráticas e oposicionistas travavam uma batalha cinzenta dentro das instituições fossem elas governamentais ou não.
As máquinas imprimiam folhas e mais folhas da cartilha da reforma agrária numa corrida apressada para compensar o do tempo das sesmarias e da história traída.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.