Pular para o conteúdo principal

E, são Presidentes, passistas, porta-bandeiras....


São Lauras, Marias de todas as cores, Carmens, infinidade de Rosas, Ligias, Carolinas, Saras e Dianas, Barbaras e Anas, em todos os idiomas e definições.Irmãs, amigas, companheiras, sonhadoras, práticas, frágeis, fortes, alegres, tristes, amorosas, desiludidas, amadas, amantes, políticas, poetas, da rua, dos campos, da noite, dos eternos amanheceres,dos por de sol antes e depois das tempestades, das pequenas lembranças, das grandes caricias, do riso, do pranto,... qualquer adjetivo sobrepõe estas mulheres que surgem dos mais distantes recantos do mundo, guerreiras desprendidas das estrelas cadentes e juntam dia a dia pedacinhos de sonhos e vão ao longo dos séculos construindo um mundo melhor.
Assim foi desde a Grécia antiga quando Isis a deusa da magia e da fertilidade, convivia com os artesãos, poetas, escravos em grandes festas precursoras dos dias de alegria que tiveram na enseada fascinante do Atlântico chamada Rio de Janeiro, onde desde o entrudo às escolas de samba transformou os dias de folia no maior espetáculo musical da terra.

Num longe, 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, fizeram uma grande greve, numa pequena cidade perto de Nova York, reivindicando melhores condições de trabalho, salário,tratamento digno foram queimadas vivas num das ações mais violentas das reivindicações femininas.
Anos passaram, na Dinamarca de 1910, conferencistas decidiram que 8 de março passaria ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as tecelãs assassinadas.
Foram as mãos de mulheres portais de entrada da vida no planeta, as mesmas que embalam a vida, manipulam livros, transmitem conhecimento, que fizeram possível desfilar antes nossos olhos extasiados o colorido que adorna a música numa invasão frenética aos nossos sentidos. Foram as mãos de Chiquinha Gonzaga deslizando nas teclas do piano que a marchinha “Abre Alas” abriu o carnaval. Chegou Dona Ivone Lara, veio Leci, e numa sucessão de acordes e harmonia homens e mulheres evoluem na avenida contagiados pelas conquistas ao longo dos séculos. Neste 8 de março, sejam elas passistas, ala das baianas, ou porta – bandeiras a mulher de hoje numa evolução de matizes vence, continua a mesma guerreira.
.

Comentários

miwa yanagizawa disse…
Marília muito querida! Que engrossa o caldo de orgulho pela história que sempre em construção das mulheres. Continuemos! Feliz Dia a Todos! Saudades... miwa

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…