Skip to main content

Remédios gratuitos para enfermidades crônicas - As farmácias populares

Excelente a idéia da distribuição gratuita nas farmácias dos remédios necessários aos diabéticos e hipertensos, motivo da causa mortes de maior índice no País.
Dar força ao SUS para levar a saúde ao patamar dos países desenvolvidos nesta área é outra medida de grande avance.
Agora, resta saber:
Estão as farmácias preparadas para exercer esta função? O sistema de controle de distribuição foi devidamente analisado por profissional conhecedor destas enfermidades, os atendentes foram treinados, os médicos tem realmente controle dos pacientes necessitados destes medicamentos?
Paira uma preocupação séria e de difícil solução a curto prazo.
1º. O médico brasileiro em especial os das grandes metrópoles, não conhecem seus pacientes, sua história clinica, seus hábitos, bem como todas as nuances que envolvem esta disfunção orgânica vital.
2º. Por ser o atendimento tão self service nos ambulatórios, UPAS, centros de emergências como aquilatar a necessidade de que determinado individuo sim é patologicamente diabético ou hipertenso?
3o. E, onde colocaremos a ética? Houve treinamento? Existe treinamento para?
4º. Contempla o Programa reeducação médico/ paciente de controle alimentar?
Urge atender a população carente. Com toda certeza.
Oxalá todas as minhas inquietudes tenham sido contempladas nesta iniciativa da Presidente. Oxalá não caia novamente no populismo barato, que tanto mal tem feito ao Brasil que sonhamos e lutamos para ver diferente.

Comments

Unknown said…
Eduardo Galeano deve estar sempre na sua cabeceira, imagino. Também entrou para a minha insônia com seu O Livro dos Abraços, acordando a consciência há algum tempo distraída.

Obrigada por fazer refletir.

Popular posts from this blog

SOU FELIZ, SOU MUITO FELIZ - OBRIGADA EDUARDO GUIMARÃES

Edu, sempre amou Fernando Pessoa.  Seu livro de cabeceira preferido. Nunca dorme sem um pequeno verso. Amo você garoto!.


O guardador de rebanhos Eu nunca guardei rebanhos,
Mas é como se os guardasse.
Minha alma é como um pastor,
Conhece o vento e o sol
E anda pela mão das Estações
A seguir e a olhar.
Toda a paz da Natureza sem gente
Vem sentar-se a meu lado.
Mas eu fico triste como um pôr de sol
Para a nossa imaginação,
Quando esfria no fundo da planície
E se sente a noite entrada
Como uma borboleta pela janela.
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Como um ruído de chocalhos
Para além da curva da estrada,
Os meus pensamentos são contentes.
Só tenho pena de saber que eles são contentes,
Porque, se o não soubesse,
Em vez de serem contentes e tristes,
Seriam alegres e contentes.
Pensar incomoda como andar à chuva
Quando o vento cresce e parece que chove mais.
Não tenh…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…

A UM ESTRANHO - WALT WHITMAN

A um Estranho Estranho que passa! você não sabe com quanta saudade eu lhe olho,
Você deve ser aquele a quem procuro, ou aquela a quem procuro, (isso me vem, como em um sonho,)
Vivi com certeza uma vida alegre com você em algum lugar,
Tudo é relembrado neste relance, fluído, afeiçoado, casto, maduro,
Você cresceu comigo, foi um menino comigo, ou uma menina comigo,
Eu comi com você e dormi com você – seu corpo se tornou não apenas seu, nem deixou o meu corpo somente meu,
Você me deu o prazer de seus olhos, rosto, carne, enquanto passamos – você tomou de minha barba, peito, mãos, em retorno,
Eu não devo falar com você – devo pensar em você quando sentar-me sozinho, ou acordar sozinho à noite,
Eu devo esperar – não duvido que lhe reencontrarei,
Eu devo garantir que não irei lhe perder.