Pular para o conteúdo principal

Do capim gordura a brachiaria - I

Janeiro 2010 sufoco total. Check-up anual. Resultados escoltado pela novidade – dois nódulos minúsculos no seio direito. Biopsia? Impossível. Sou alérgica e as clinicas não tem condições para atender este tipo de paciente. Ressonância magnética sem o contraste gadolínio não funciona para os chamados tecidos moles. Só para ossos. Que fazer?
Primeiro Cuba – mas como enfrentar um problema destes –embora todos os meus amores, amigos, amigos de amigos – sem os meus dois definitivos – Marcello e Eduardo. Demais para mim.
Chamei Zezé Caramez, amigona daquelas que comparte sonhos, noitadas regadas a um bom vinho, comida e música gostosa do clássico ao popular, e dá aquele help na hora da dor.
- Que nada! Chame o Dr. Evaldo é um excelente mastologista, do Inca, adorar você. É dos nossos. Companheiro, competente profissional.
Assim Evaldo de Abreu embarcou na minha vida. Gentil, risonho, sem aquela cara pré - operatória, voz, e cara de interrogação – será maligno?
Avaliamos o quadro porque afinal de contas os nódulos, malignos ou não eram meus. Optamos por micro cirurgia, salão cirúrgico preparado para uma eventualidade. Quantidade mínima de anestésico, sem falar no contraste radioativo que determina o sentinela – assim denominado o gânglio linfático responsável pela disseminação das células cancerosas, as temidas metástases. Células mal amadas, convertidas em nódulos invasores que se multiplicam sem autorização do dono delas – meu corpo,meus sentidos, meus sonhos, meu trabalho, todos os amores que ainda quero viver. Enfim, uma gama de situações não planejadas porque o tempo disponível para curtir estava escasso, ou esqueci da planilha no Excel para administrar bem o tempo entre trabalho, lazer, e descanso.
Existia um porém. Meu coração - gosta de trapas – dispara num ritmo sinusal tirando-me do sério, mas informa tudo aos meus neurônios - dada as contradições laboratoriais insistia em que não era verdade. Nestas alturas um câncer. Eu não cansei de mim. Gosto do meu cabelo, da minha forma de ser, angustiada, saudosa, alegre, triste, forte, frágil, doce, brava e tantos mais..
Evaldo quero um pedido novo, Vou refazer a mamografia, a ultra em outro estado, pais, bairro ou sei lá que. Nem você vai saber. Loucura. Pode ser. Novo resultado em todas as formas e dimensões: negativo. Sem cistos, sem nódulos. Sem malignidade. Erro de diagnostico feio. Urge tomar cuidado. Ver, rever. Perguntar. Passei emails, avisei amigos que ajudassem a alertar milhares de mulheres e homens violentados pela irresponsabilidade da crença na impunidade.
A esta altura sabra deus por onde andaria. Se ouvindo Silvio cantar La Pequeña Serenata Diurna, ou... nascendo girassol

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia