Pular para o conteúdo principal

Ana de Hollanda – Apoiá-la nossa meta

Os questionamentos à Ministra da Cultura continuam rendendo na rede social. A retirada de um link Creative Commons para fazer manutenção no Portal da Cultura, gerou um mal estar entre a comunidade blogueira e artistas. O encontro com a direção do Ecad – sociedade civil privada instituída pela Lei Federal nº 5.988/73 e mantida pelas associações de titulares de obras musicais que o integram, nos moldes do art. 99,da atual Lei no. 9.610/98, foi motivo de abaixo - assinados entre outras manifestações.
Nossa obrigação é ser coerente, informados, olhar o passado, analisar fatos. Ana conduziu com competência a Funarte. Seu carro chefe “O Projeto Pixinguinha” corria Brasil afora miscigenando a diversidade cultural brasileira, trabalhou na Secretaria de Cultura de Osasco, depois São Paulo acumulando conteúdo a seu currículo profissional.
Se canta ou não, se gravou, se é a caçula da família, ou irmã do Chico Buarque, que nos importa. Vale sua experiência profissional. Conhecer todas as nuances de um Brasil diverso, um continente cultural, de suma importância.
Gilberto Gil, um dos maiores compositor e intérprete, foi Ministro por dois mandatos teve o apoio de Juca Ferreira, atravessou greves, conviveu com sérios problemas na sua área, fez o ano França -Brasil motivo de críticas, também, por parte da classe artística, inovou com os pontos de cultural – alegrias de uns crítica severa de outros que conhecem o mercado brasileiro.
Conhecer a fundo todas as vertentes, chegar a um consenso na Lei de Direitos autorais, revisar a Lei Rouanet, é tarefa difícil e delicada.
Nós brasileiros, temos a mania de sermos médicos e bruxos sem conhecimento de causa – homens de memória curta, seja pela idiocrasia, seja pela etnia esta forma brasileira de ser.
Só não cabe a crítica pela crítica. Não vale a irresponsabilidade de desestabilizar um governo que recém começa pós a estúpida guerra da mídia, amparado e vitorioso graças a dedicação desses mesmos blogueiros guerreiros na batalha contra a guerra suja desencadeada pela oposição à Dilma.
Foi a classe artística de norte a sul – encabeçada primeiro por Oscar Niemeyer, que na segunda– feira fim do primeiro turno das eleições virou o jogo ao declarar seu apoio a Candidata de Lula – via internet – no “euvotodilma” com imediata repercussão internacional, seguido pelo encontro no Teatro Casa Grande, onde a classe deu o check mate no adversário, mostrando que a cultura é a identidade de um povo, é onde ela afirma sua nacionalidade, define seu destino, escolhe seu caminho.
Administrar esta responsabilidade exige "tomando pé da casa" como bem Ana deliberou em seu discurso de posse.
Rever a lei de Direitos Autorais ainda não votada, analisar os pontos de cultura, atender os produtores, participar das manifestações espontâneas, saber ouvir foi muito bem colocado em seu discurso de posse. Ana de Hollanda tem bom senso. É meticulosa, clara, segura, e o mais importante é de uma rara sensibilidade.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir. Relatório em 1996: O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante. No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias o

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário 1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera. Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar. Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme: DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia. Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia