Pular para o conteúdo principal

A vida é Bahia acima e a floresta abaixo”.

 

O calor sufocante umedece a pele, sufoca, mesmo no fim de tarde. Tomo um taxi ansiosa para chegar tomar um banho e dar uma relaxada. Revisar emails, face, twittar alguma coisa, dar uma lida nas noticias do fim de tarde, tudo isso contando que a luz, Net, Net fone estejam normalizados após 24 horas de apagão total, em plena cidade, numa das Ruas mais charmosas da Zona Sul do Rio.
Ufa! Acomodei livros, bolsa enquanto o chofer largava ao som de Turíbio Santos – que classe de violão!
Você escuta a radio MEC? – perguntamos.
Claro! É a melhor radio que existe. Boa música. Comentários inteligentes, noticias fresquinhas – argumentou alegre.
Também temos o hábito. Conhece o Mauricio Figueiredo? – fui logo tocando no meu ponto fraco.
Mauricio tem a voz mais linda, que ser humano já ouviu. Conhece jazz como pouco. Amigo de priscas eras. Dos grandes porres, das noitadas, da Panair do Brasil, do encantamento da juventude, namorado da minha Irma mais velha - uma paixão cinematográfica que durou enquanto infinito foi. Fui para o exílio. Dez anos depois, ele se Casou com Vera – linda e simpática. Saudades do Mauricio. As vezes dou uma ligada assim de repente combinamos um encontro que nunca se da, e sigo ouvindo sua voz via MEC FM.
Vocês conhecem “Mar de Espanha” – nasci ali.
Conhecer não conheço, mas passo quando vou para Tiradentes. Seu sotaque é gaucho - brinquei.
Vivi lá muito tempo. Adoro aquela gente!
Então está com tudo e não está prosa. Uma Presidente mineira que viveu no em Porto Alegre.
Estou bobo. Pareço criança diante de brinquedo novo. Menos mal que a vida me permitiu ver essa parte da historia do Brasil.
O Sr. é jovem, alegre. Para cima. Desse jeito chega fácil aos 130 anos.
Essa é minha meta. Este e meu trato com o chefe lá de cima. Tenho setenta anos na praça.
O que? Desculpa, mas quantos anos agora? Rssssss
Se eu disser não vai acreditar. E, detalhe não sou mentiroso. Noventa e um, soltou de supetão. Não sei se reparou. O óculos aqui na cabeça. Hahahhah!
Verdade? Que eu saiba somente em Cuba tem projeto pra 120 anos, - está brincado.
Verdade. Mas, estou com a cara que nem maracujá de gaveta.
Não acredito. Deixe - me fotografá-lo.
A vontade. Mas, sou velho nem pense o contrario . Já é noite. A luz fraca e, não está vendo direito meu rosto.
Alegre, feliz, ralando esta hora na Central de Taxi. Valeu. Cliquei no celular.
A vida e bela moca. Muito bela!
Não esqueça o ditado mineiro falou sorrindo: “ A vida é Bahia acima e a floresta”.
Qual o seu nome perguntei enquanto Eduardo pagava a corrida.
Tenho um nome ilustre. José de Alencar – respondeu numa gostosa gargalhada.
Não entendi nada. Nem o ditado, nem a referencia ao nome. Se do autor de Iracema – a virgem dos lábios de mel, ou do nosso querido ex Vice Presidente.
Escrevi ao Galeno, mas até agora ele não entrou no facebook para explicar que ditado é este la em Belo Horizonte.
Se alguém souber, por favor explique rápido que curiosidade demais mata. Minha meta desde ontem e lá pelos 120 anos.
Posted by Picasa

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…