Pular para o conteúdo principal

Mariela + su bebe

 
Posted by Picasa

O Brasil anoiteceu salpicado de estrelas e acordou nas trevas para a viver os terríveis “anos de chumbo”, e como conseqüência o rompimento de relações com muitos países que lutavam pela sua soberania. Cuba, 1º. Território livre da América era cortado das páginas da historia do Brasil e com ele o mais jovem diplomata da época Raul Roa Kouri. Vinte poucos anos de juventude, inteligência, paixão, esbanjando alegria e competência deixava nosso pais. De Jorge Amando a Vinicius de Moraes, de poeta a seresteiros, de intelectuais a políticos a revolta com a saída de Raulito fazia-se sentir. Raul Roa representava a liberdade, aqueles jovens barbudos que resistindo o poderio dos Estados Unidos libertou Cuba do verdugo Fulgêncio Batista.
Alguns anos, passaram daquela triste noite quando Antonio Lopes e eu levamos as escondidas Ministros,companheiros do PCB as embaixadas para seguirem rumo ao exílio.
Outros tantos a um 04 de janeiro de 1970, quando chegamos num Caravelle em pane, a ilha de Fidel, inicio de um exílio que durou dez anos.
Como Deus escreve certo por linhas tortas – provérbio de autor desconhecido– entre saudade, tristeza, saudade, tristeza demais dei de cara com Raulito numa daquelas noites em que Brasil e Cuba miscigenavam –se em notas musicais atenuando a minha nostalgia.
Entre encontro e desencontros, Maria de los Angeles a linda cubana, irmã de Silvio Rodriguez casa com Raul e parte num missão diplomática para a ONU.
Anistia Geral e irrestrita,volta ao Brasil, adaptação, novo cotidiano, muitos encontros intercalados de uma enorme saudade. Que fazer ir a Cuba? Trazer os amigos para o cheirinho da terra. Mais bem o ideal – as duas coisas -. Rosy e Augusto, Vicente Feliu, Sara Gonzalez, Nicola, Pablito – o Milanez num vaivém de passeos pelo Malecon a noitadas regadas a trova ora no Recreio dos Bandeirantes depois por muito tempo no It anhanga. A cada viagem Rosy insistia na nina preciosa que amava loucamente o Brasil. Era um vaivém de dicionários, revistas, livros didáticos, romances, músicas + musicas. Decidi pelo melhor porque não trazer a chica tão enamorada pelo meu Pais.
- Difícil – argumentou Rose. Su madre no deja que ella viaje sola. És una adolescente ingênua, chica todavia.
Vamos convencer su mama. Fale com ela. Eu cuido. Juro que cuido. Que tal?
Impossível.
Sabes que? Voy traer las dos. Así ningún problema. Mando la invitación e ya.
Ojala- la antológica canción- invadía el jardín, el corazón, los sueños, los amores, todos cantaban a la misma voz cuando sonó el teléfono.
Quien? Dígame.
Miriam es Silvio.
Ola compañero! Que alegría!
No oigo bien están cantando – dije.
Ya veo. María llega mañana con Mariela mi sobrina. Cuídala como se fuera tu hija.
Mariela es la hija de María de los Ángeles e Raulito. Ama Brasil quase como eu. É minha filha cubana. Cresceu, se apaixonou por Patrício um tremendo trovador chileno e hoje trás para baixo e para cima seu bebe protegido numa placenta musical crescendo feliz ao som de Dajvan, Chico, Tom. Toquinho e Vinicius.
Se alguém achar que qualquer semelhança é mera coincidência não tem razão. Vaya casualidad – diria Nelson Dominguez . Somos uma linda e feliz família cubana/brasileira.

Comentários

mariela disse…
hermoso, hermoso, hermoso!!!

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…