Pular para o conteúdo principal

E, Dilma foi eleita Presidente do Brasil

Como moldura o Pão de Açúcar, como historia entre rodadas de chope bem gelado o Fiorentina há 50 anos ponto de encontro de intelectuais e artistas guarda em suas paredes a estória do teatro brasileiro, a melodia dos maiores gênios de nossa musica como Ari Barroso – o da Aquarela - viu o Brasil explodir em alegria, antecipar um carnaval diferente – o dia D.

Nas ruas, bares, avenidas, dentro das casas o 31 de outubro de 2010 ficará marcado como o dia em que o povo brasileiro num gesto de patriotismo elegeu a 1ª. Mulher como Presidente do País – Dilma Rousseff.

Mineira, descendente de búlgaros, guerreira desde a juventude, competente nos cargos que ocupou, mãe, avó é hoje a senhora que comandara o destino que escolhemos. O da continuidade de um Presidente que saído de um Pau de Arara mudou os rumos da história.

Foram meses difíceis. As águas de março não anunciaram o fim do verão, e sim o inicio de uma luta de bravos guerreiros, militantes de sonhos, que tinham como missão maior conquistar corações para escolher a mulher que iria ocupar o maior cargo da nação.
Sai à rua. De escolas do interior, a batalhões, de presídios a comunidades longínquas, de Jovens maduros a presidiários recém libertos adaptando-se a nova sociedade, uns recuperados pelo esporte que constrói o futuro, outros apaixonados pelo Ernesto – assassinado por aqueles que temem a justiça dos homens – o eterno Che.

Explicar Dilma, falar de sua entrega, de sua garra, de sua coerência, desmitificar a imagem construída covardemente pela mídia comprometida transformou em tarefa árdua. Amanheceres se estendiam madrugada a dentro amparados pela vontade que move os homens que acreditam e sabem que é possível um mundo melhor.

Três de outubro não trouxe a esperada vitoria. Mentiras trás mentiras, traições, falsidades invadiam milhares de casas nos horários eleitorais, nas redes sociais, nas caminhadas. Viviam-se dias de terror, de medo. Tentaram um novo Riocentro travestido na moça seringueira, desamparada, sofrida que mudaria o amor, a ordem, e o progresso. Astutos jogaram com o emocional de uma classe media enganada, esquecida dos milhares de jovens saídos do sertão, do interior deste imenso país sofridos, famintos, abandonados a sorte que hoje ocupam um lugar ao sol. Na insônia de muitas madrugadas, por vezes feliz dos logros alcançados, por vezes agoniada pela incompreensão, estabelecia um elo entre as fábulas de La Fontaine e detinha no Lobo e no Cordeiro. Conheço senão todas, as principais nuances das cores que pintam as inverdades sobre minha amada aldeia.

Despertei decidida. Deter as agressões, estancar as denúncias infundadas através das redes sociais missão trabalhosa, quase uma utopia. Somente uma voz seria capaz de despertar a juventude os enganados. Somente Oscar seria capaz de tamanha mobilização. Num piscar de olhos já sua voz ganhava o mundo. Euvotodilma multiplicou-se em todas as direções. Dias mais tarde, Chico Buarque Leonardo Boff, reunia no Teatro Casa grande, palco de muitas lutas nos anos de chumbo, cantores, compositores, intelectuais de todos os cantos do País. Do amado Borguetinho – eternamente tímido a Elba Ramalho, desabrochando em charme a nossa sambista maior Beth Carvalho a Niemeyer, como diz a canção só não foi quem já morreu. Nem a chuva que caia fininho trazendo consigo um vento frio, nem os que não puderam entrar, faltaram ao pedido dos filhos desta mãe gentil.

A militância fortaleceu ganhou de novo as ruas, militantes virtuais filiados ou não ao PT de todos os recantos desta terra, através das redes sociais desalojaram as provocações inimigas, os Top Trend’s no twitter, mundiais e nacionais mesmo depois do primeiro depoimento da nossa presidente ocupava os primeiros lugares no mundo virtual extremante humano – o povo brasileiro confirmou nas urnas, confirmou na internet o seu desejo –
Dilma – Presidente.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…