Pular para o conteúdo principal

O ultimo debate e nossa escolha pelo dia D

Foi uma jornada dura. Noites mal dormida, madrugadas de discussões calorosas entre aquela fala mal colocada ou a avaliação de posições nitidamente oportunistas.
Ontem, foi o ultimo debate. Ardia em febre, ou seja, pela baixa imunidade ou pela virose que assola as salas apinhadas de panfletos, num entra e sai de gente. Mas, mesmo assim não perdi uma vírgula.
Serra com anos de política nas costas fez governos capengas, tem uma vida publica larga e sabe que não governou como devia.
Plínio Arruda Sampaio uma pena. Homem dedicado ao Brasil durante décadas tenta vender aos jovens desavisados um sonho impossível. Os sonhos não acabarão mas os caminhos para a construção de um pais mais justo, passa por outras formas de realização.
Marina Silva uma decepção. Ela não quer um Brasil melhor. Ela quer ser a primeira Mulher a ser Presidente. Juntou-se a Lula como a competente e pobre menina do Norte do País, frágil e doente. Aprendeu tudo o que pode assimilar e saiu sob alegações não muito claras. O Ministério do Meio Ambiente fez muito bem a sua saúde. Saudável, vendendo energia, tem como meta bater no adversário para ganhar adeptos. Fala de século 21 com a propriedade de quem prevê o futuro e usa métodos velhos e cansativos do coronelismo brasileiro.
EH de uma satisfação imensa ver e ouvir Dilma. Quem diria companheira que ainda íamos viver esta estória. E, quem duvida que somos e estamos felizes. Temos um mundo de desafios pela frente. Claro que sim. Mas este povo nascido da fusão de tantas raças traz nas veias a força de um Zumbi dos Palmares, a alegria itálica, a saga dos portugueses mesclados a nostalgia dos fados que no correr dos anos foi ganhando os tambores de Minas, numa simbiose com o samba explodindo em sons que descreve o frescor e a força deste Povo.
Dilma foi a escolha certa, na medida exata entre o sensato e o sábio. Representa o sonho de liberdade, a unidade, o comprometimento, o conhecimento e a competência.
Se o coração crê os sonhos se tornam realidade. Dilma sabe que pode dar continuidade ao sonho de Lula, que pode unir partidos em torno de uma mesma causa – tal qual foi a inesquecível “ Diretas já “, a passeata dos “cem mil” .
O dia 3 de outubro será histórico. Saída das montanhas de Minas, forjada na forca da terra sulina, alimentada pela energia que emana do Planalto Central - Dilma subira a rampa de mãos dadas com o futuro do Brasil.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…