Pular para o conteúdo principal

Este filme já foi em Preto Branco, e nao vamos ver em HD

Era madrugada quando entramos pela Rua Ipiranga. No meio do inicio das Laranjeiras um caminhão de lixo fechava a rua. Antonio, nem Rodolfo, nem eu entendemos o que significava aquele bloqueio. Estávamos trabalhando na montagem da cartilha da reforma agrária até muito tarde. Antonio – dono da gráfica – contava com nossa ajuda voluntária e de outros companheiros. Entregar a cartilha no dia seguinte era a meta.
Um militar nos barrou.
-Proibido passar – gritou.
-Moro aqui – argumentei.
- E, vocês, perguntou dirigindo-se a Antonio.
- Nos não.
- Então desce você e segue em frente – ordenou
- Que significa isso perguntei?
_ Não sabemos. Só temos ordem de não deixar ninguém passar.
- Desci, olhei Antonio preocupado, nos despedimos na dúvida e sem respostas.
Era o Golpe de Estado. Tudo começará com boatos aqui, comentários ali. Janio resistiu o que pode, Brizola no sul segurou o 3º exército mas daquela madrugada de 31 de marco d 1964 a agosto de 1979 o Brasil viveu os terríveis dias, que até hoje nos apavora viver a mesma história. Exílio, prisões, torturas, crianças nascidas de estupros das celas úmidas e fétidas dos porões da ditadura, mortes nos paus de arara, ou jogados ao mar por helicópteros da Marinha. Toda sorte de sórdidas agressões sofreu o povo brasileiro. Única e exclusivamente porque a direita criou o fantasma de que uma sociedade justa, livre, voltada para a educação, a saúde e a cultura é um perigo para o homem brasileiro.
Esta terra, Neste instante vivemos uma cruel guerra psicológica atacando através do mesmo medo e terror implantando naquela época. O tempos são outros, as armas e as formas também, mas o cerne da questão é o mesmo.
Lula – O presidente operário – mudou a face do País. Tirou da linha da miséria milhares de compatriotas. Levou luz onde somente a lua era sinal de referencia. Abriu universidades, escolas técnicas, criou condições para nossa pátria seguir em frente.
Cometeu um pecado. Ousou distribuir paes e peixes num mundo onde palavra de ordem é a guerra. Como propor uma continuidade, se a meta é exterminar através das endemias, da falta de conhecimento, da ausência de insalubridade: crianças, jovens sonhadores, cidadãos que conquistaram o direito de compartir o sol? Como permitir a liberdade?
Dilma representa esta continuidade. É coerente, competente. Firme, segura. Dilma Houssef tem a virtude maior o amor a pátria. Lutou por ela, aprendeu como torná-la forte e respeitada, elaborou e concluiu projetos onde a dignidade humana é o eixo central. É para ela que devemos delegar o poder de nos governar. É para ela massacrada pela mídia servil, violentada na sua lisura, que devemos voltar nossas forcas para defende -lá. É por nos que devemos levar Dilma a Presidência. É por nossos filhos e netos, por nossas família, por nossos amigos, por nossos companheiros que temos o dever de bloquear a onda do mal que vem se arrastando disfarçado de cristão invadindo nossas casas, nossos realizações,nossa liberdade.
É chegada a hora de dizer basta a mídia manipuladora e servil. As concessões de comunicação são instrumento de informação, entretenimento e não manipulação e distorção de valores. É chegada a hora e a vez de Augusto Matraga. E, chegada a vez dos brasileiros. Do índio passando por nossa diversidade étnica, ao chão que pisamos que nos emana forca e energia de ser. Esta é a hora que nos doou a vida de escolher o caminho da prosperidade, do amor, da vida da realizações dos nossos sonhos.
Esta é a vez de Dilma. Da mulher, amiga, companheira. É a vez da mulher brasileira de braços dados com os homens que povoaram esta terra, escolher que caminho seguir.
Marilia Guimarães

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…