Pular para o conteúdo principal

Canto que ha sido valiente,siempre será canción nueva. Victor Jara

Comunicado de Canto de Todos – ALBA Cultural

El pasado 15 de septiembre fueron atacados en un concierto público por la conmemoración del 198 aniversario de la Independencia y del asesinato del General Francisco Morazán, trovadores hondureños de la agrupación Café Guancasco, integrantes del Colectivo Artistas en Resistencia y de Canto de Todos, y ha sido amenazada de muerte nuestra Delegada en Honduras Karla Lara, integrante además del mencionado colectivo y de Feministas en Resistencia.

En el brutal ataque, perpetrado por un contingente combinado de la policía y el ejército, además de golpearles, destruir sus instrumentos y robarles a los músicos, fue utilizada una tanqueta de agua a presión y dispararon más de mil bombas lacrimógenas contra niños, jóvenes, mujeres, ancianos y otras personas inocentes que transitaban por la zona, participantes en este concierto cívico.

Acción como ésta deben ser censuradas por toda persona que se precie de ser honrada. Una vez más lamentamos corroborar el carácter fascista del golpe militar que perpetró la oligarquía y la embajada de los Estados Unidos contra los hondureños el pasado año.

En la resistencia popular, legítima defensa de los pueblos oprimidos, participan nuestros hermanos del canto, como debe ser.

Nuestra solidaridad y apoyo al pueblo de Honduras.

17 de septiembre de 2010.


Vicente Feliú. Coordinador General
Ricardo Flecha. Delegado Paraguay
Gabriel Sequeira. Delegado Argentina
Mauricio Figueiral. Delegado Cuba
Karla Lara. Delegada Honduras
Fabián Jarrín. Delegado Ecuador
Omar Camino. Delegado Perú
Pedro Munhoz. Delegado Brasil
José Alejandro Delgado. Delegado Venezuela
Cristian Benítez, Dúo Negro y Blanco. Delegado Bolivia
Francisco Villa. Delegado Chile
Marilia Guimaraes - - Brasil

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…