Pular para o conteúdo principal

24/08 Repadores de sonhos - Comissao de Anistia

Em nome do Estado, em franco processo democrático, o jovem Presidente da Comissão de Anistia – Paulo Abrão – com o respaldo de seus Conselheiros,que resistem as pressões de segmentos da sociedades não comprometidos com o desenvolvimento histórico do Brasil, levanta-se, manifesta sua indignação e vergonha diante dos depoimentos cheios de emoção, da dor dos perseguidos, torturados, desparecidos, assassinados, sobreviventes, pede humildemente desculpas pelos abusos praticados pelos regimes de exceção no Brasil.
A cada sessão de julgamento o ritual se repete, num misto de perplexidade, violência, espanto e agonia aqueles que voluntariamente lêem processos, analisam fatos, mergulham nas almas, nas angustias, nos sofrimentos de milhares de brasileiros, que um dia ousaram vencer as barreiras do silencio, do medo, da opressão para defender o solo pátrio contra interesses espúrios.
É no instante, que antecede a palavra de Paulo Abrão, que passa como um filme fora de rotação, super acelerado, em um nano segundo toda uma vida ceifada, todos os sonhos perdidos, tudo o que não pode ser. É neste instante de intensa aflição que passado e presente se entrelaçam expondo a importância do gesto de entrega destas gerações que de uma maneira ou outra fizeram possível o Brasil de hoje.
Na ternura do gesto, no levantar pausado quase em câmera lenta, para não ferir o momento que separava o pedido de desculpas, do agradecimento a Betinho – sua voz percorreu os prados, invadiu as florestas, buscou os que ficaram no Araguaia, penetrou nas úmidas cárceres, buscando a palavra certa que amenizasse tanta barbárie praticada por brasileiros contra brasileiros.
Tudo o que senti naquele momento não cabe palavras para expressar todo um sentimento de respeito, de admiração e afeto aos que dia a dia resgatam a memória recente da minha pátria. Em cada um deles vi refletida a minha imagem e a dos meus jovens companheiros. A mesma força, a mesma garra, o mesmo romantismo revolucionário, a mesma entrega.
Obrigado por este momento fecundo.

Marilia Guimaraes

* Este artigo foi escrito no dia da Reparacao do Betinho. Nao publiquei para que a para que nao fosse mal intrepretada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sepa…

MUITO PRAZER!

Verde oliva, verde petróleo, verde limão capim da estrada, verde cor de esperanças, verde eternamente verde. Entre o verde exuberante da Mata Atlântica recortada pelas águas barrentas que dividem a cidade de Minas do Estado do Rio Janeiro, Além Paraíba aldeia dos índios Puris, dos tropeirosvindo da corte atraídos pelos minerais preciosos despontou com sua Igrejinha, sua ferrovia e suas escolas – elementos indispensáveis para crescer e multiplicar. A religião, o poder e o conhecimento. Como Macondo repete as mesmas e infindáveis estórias dentro da história. Rodeada de estrelas, longe do cheiro do mar, escrevi meu primeiro poema, esquecido, deixado de lado em algum rincão do passado usurpado da mãos na sala de aula, onde a ordem era apenas ouvir ou responder se perguntado. Numa rara noite de saída, permanentemente proibidas pude ir a um baile. Puro luxo para quem vivia na biblioteca mergulhada entre Balzac, Tolstoi, Machado de Assis, uma que outra Iracema, recanto preferido e amado sep…

Do capim gordura a brachiaria II

Cheguei uma hora antes. Coisas de engenharia de transito. Sai na hora viável atrasa, se antes corre o risco de adiantar tanto como uma hora de antecedência, por exemplo. Assim foi. Evaldo sai da sala e depara comigo adiantadissssssssima. Um abraço feliz, perguntas sobre a família, esposa. O corriqueiro agradável.
- Aqui de volta. Faz um ano de toda aquela loucura. Hora de novos exames - brinquei
- Certo – argumentou tranqüilo. O calor está insuportável. Não chove, a plantação padece. O capim fica todo calcinado, o gado sofre.
- No interior também a seca está castigando dessa maneira?
- E, como? Sorte minha ter um caseiro boa gente, preocupado cuidadoso, que aprendeu a importância da terra, da preservação da água, do cuidado com o solo. Da necessidade de alternar o capim para fertilizar a terra. Errei algumas vezes, mas apostei na solidariedade.Mulher e sete filhos.
Tomei como meta três situações: preservar um pedaço da mata atlântica, dar educação aos sete filhos do casal, todos hoje…