Pular para o conteúdo principal

07/08 - Lei - 3.561 de 1997 Em nome do Pai

O grande desafio para este milenio é construir uma consciência coletiva de forma a que tenhamos “uma sociedade para todas as idades”, com justiça e garantia plena de direitos.

- Não vou levar o Sr. ao médico . Não posso. Tenho que fazer dinheiro. Por sua causa entrei no cheque especial. Duas mil canas. Entendeu? Já. Como quiser. Desligou o celular.
Novamente o toque original do Nokia.
- Que você quer agora? Estou com passageiro. Ha! desculpe, pensei que era aquele velho maluco.
- Isis entenda não vou levar aquele homem ao medico. Perco o dia inteiro. Ele que vá sozinho.
Mas,... não vou já disse. Quem vai pagar a NET? Assim não agüento. Não agüento a carinha bonitinha da Fatima Bernardes com aquele cachecol na Copa, nem o maridinho dela. Dois pombinhos. Nem o Faustão. Tenho que pagar a NET são R$170,00 reais. Quem paga para eu ver a Globo News? Depois eu ligo. Ciao.
Quantos anos tem seu pai? - pergunto
- Oitenta e sete anos – respondeu.
- O senhor tem?
- 58.
- Cinqüenta e oito e o trata dessa forma?
Que quer que eu faça, madame. Ninguém agüenta um velho.
Mas, um dia ele...
De pronto, o taxi parou. O gás acabou sinto muito.
- Mas, como? Vou ficar aqui até encontrar outro carro?
- Não posso fazer nada. O gás acabou.
Desci furiosa. Não pude falar. A indignação aflorava por todos os poros. Queria arrebentar-lhe a cara com um único soco. Como podia esbravejar daquela forma com um senhor de 87 anos. Como ousava?
Um frio gelado queimava meu rosto. Caramba! Esqueci de pegar um novo taxi. Estava caminhando em direção a casa. Como ousam!
E, aquela primeira alegria com o rosto colado no vidro do berçário na maternidade numa fria madrugada de julho? Os primeiros passos. A primeira palavra que o guri falou. Não foi nem água, nem laura, nem mami – sorridente gritava pela casa papapapapapapapappappa!
Você viu Severina? Foi papai que ele disse. Ouviu?
- Claro Zé. Sempre é assim. A gente cuida, fica sem dormir, carrega no colo, faz as mamadeiras ... mas a primeira palavra balbuciada é papai. Culpa nossa. Ensinamos primeiro amá-los, porque foi da junção de uma grande paixão que ele surgiu nas nossas vidas.
Perdida em divagações cheguei a avenida. Quanta saudade pela vida afora!. Ainda sinto o calor daquela despedida. O último beijo. Recomendações. Seja boazinha. Educada, estudiosa. Obedeça sua mãe e cuide dela.
Claro que nunca obedeci a minha mãe. Partiu tão pronto ele faleceu dias depois. Estudiosa sim. Educada também. Afinal, como ser diferente detrás de quatro paredes durante anos a fio, num Colégio de Freiras.
Amanhã na casa do taxista, com certeza vão comemorar o velho ranzinha e chato de 87 anos. Churrasco, cervejas Skol possivelmente vão rolar durante todo o dia. Afinal, a sociedade de consumo criou um dia especial para que seja festejado o dia dos Pais.
Segunda - feira , quantos senhores passados os 80 anos precisarão ir ao médico . Quem os levara?
Art. 2o - O idoso goza de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhe, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, para preservação de sua saúde, em condições de liberdade e dignidade.”

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…