Pular para o conteúdo principal

05/08 - 2010 – 1o. Debate Eleitoral na Band

A democracia vai se aprofundando, afirmando sua soberania, ganhando espaço no cenário internacional, mudando o perfil do povo brasileiro, reafirmando o desenvolvimento, saindo do rol dos países chamados terceiro mundo.
Consolidar tantos fatores dentro desta vasta e complexa diversidade cultural e econômica, massacrada por anos de desgoverno, divisão injusta de recursos, apadrinhamento distribuídos,requer habilidade, ética, comprometido real através de um plano de governo viável e coerente a proporção de todos os desafios existentes.
Ontem presenciamos o primeiro debate eleitoral entre os candidatos a Presidência da República, realizada pela TV Bandeirantes, mediado por Ricardo Boechat, grande jornalista, capaz, ético, muito bem informado e principalmente comprometido com a transparência da informação. Quatro candidatos em cena sabatinados entre si, com a finalidade de apresentar seus planos, metas e compromissos com a nação.
Não resta a menor dúvida de que o Brasil tem amadurecido muito nestes últimos anos, graças ao esforço de gerações passadas, de investimentos na história deste continente – chamado Brasil.
Analisar cada qual é um dever pátrio. Como ser político pude segmentar uma analise mais profunda de cada concorrente.
Plínio Arruda Sampaio – tem um currículo invejável. Hoje, aos 80 anos perdeu a força de um Darcy Ribeiro, a ternura e consciência de um Saramago a liderança impar de um Leonel Brizola. Detrás de sábias colocações, mal formuladas pairava não a garra do grande intelectual, mas a amargura de um homem vencido pelo tempo. Não soube usar a experiência vivida. Uma lástima .
Jose Serra – como líder estudantil que foi, Governador da maior cidade brasileira formado em palanques parecia o mesmo de 8 anos atrás quando concorreu igualmente a Presidência. Nenhuma novidade digna de ressaltar a experiência acumulada em tantos anos de vida pública. Não conhece o Brasil, parece não amar o Brasil, não se emociona com os logros do povo que foi colônia, virou império, superou preconceitos, e ocupa hoje lugar de destaque no mundo. Tem muito que superar para fazer do nosso pais, a terra que desejamos.
Dilma Housseff, a jovem guerreira lutando pela liberdade nos anos de chumbo, percorreu outro caminho. O dos encontros em gabinetes fechados, entre cálculos, discussões com gente grande como diz o ditado popular. Emocionou-se. Afinal, quando poderia supor que um dia, estaria preparada para ocupar a Presidência da República? Isto é forte. Tocou a alma dos telespectadores. Mostrou conhecer o Brasil, suas mazelas e dificuldades, que digamos não são poucas. Tem a compreensão de é preciso tempo histórico e está disposta a dar continuidade aos projetos antigos e novos tão bem encaminhados por Lula. Ineditismo na política que tem por premissa começar de novo, impedindo a continuidade das iniciativas que deram certo.
Marina Silva, a menina sofrida, doente, escravizada pelo seringal, mas que conseguiu como tantos outros chegar a universidade, teve o privilegio de ser Ministra do Meio Ambiente do Governo Lula, durante muitos anos. Aprendeu a falar, familiarizar-se com as câmeras, não se deixou levar pelas piadas de mau gosto do adversário. Desvinculou-se do Governo, preparou-se para aparecer em publico. Linda, moderna, sem esquecer as raízes, apelando para o emocional. Um fenômeno preparado pelo marketing de guerra em tempos eleitorais. Marina só esqueceu um pequeno detalhe na sua nova performance. Não esclareceu ao povo de que é contra o homossexualismo, contra o aborto em qualquer circunstância, contra as mulheres que exercem a prostituição condenando-as sem complacência, que sua religião interfere nas suas decisões políticas e pessoais.
Um debate interessante. Inicio de tantos outros que darão ao eleitor a oportunidade de escolher a personagem ideal para ocupar a Presidência do Brasil.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…