Pular para o conteúdo principal

2010 - 09/06 Queridos amigos,

Helena é uma grande amiga de muitos anos. Precisa de nos. Seu neto Oliver Kligerman, filho de Alberto Sergio, foi recém diagnosticado como tendo aplasia da medula,
doença rara e extremamente séria, que resulta da falência da medula óssea (órgão responsável pela produção do sangue) em produzir células sanguíneas.

Para poder reverter esta situação é imperativo conseguirmos
identificar um doador de medula compatível (algo
como 1 para cada 100mil pessoas portanto difícil de encontrar, por
isso a necessidade do máximo de pessoas para fazer a analise de compatibilidade), e no meio tempo ter suficiente quantidade de doadores de sangue e de
plaquetas de sangue A+ para mantê-lo em condição estável (ele está
internado). Como se verá na mensagem abaixo do Alberto Sergio , pai do Oliver, a
probabilidade de se encontrar um doador ou doadora compatível é muito pequena, por isto precisamos que o máximo possível de pessoas se cadastre como
doador potencial, para aumentar as chances de sucesso. Sei que você
vai estar repassando esse clamor a todos os seus familiares e grupos de contatos.

Oliver é uma rapaz de 21 anos, uma excelente pessoa, e merece um grande
futuro. A família antecipadamente agradece àqueles que puderem se mobilizar e
ajudar.

Márcio Ajzman, também tio do Oliver, está coordenando esta campanha
pela vida dele e pode ser contatado no telefone 21-8742-3701 ou no e-mail
  • Email marcio@kessef.com.br


  • Resumindo as formas de ajudar: Informar que a doação é para Oliver
    Kligerman, que está na Clinica São Vicente - Gávea.

    1 – Doação de Sangue e de Plaquetas de sangue A+
    Local: Hemonet
    Telefone: 21-2529-2290 ou 2529-6723
    Localização: Ed. Gávea Medical Center - Rua Padre Leonel Franca,
    110 / 6o andar (Próximo a PUC)

    Para poder analisar o sangue para saber se pode posteriormente doar
    as plaquetas deve atender os seguintes
    pontos:
    18 a 65 anos
    Peso superior a 60 Kg
    Em caso de ter recebido vacina recentemente (H1N1 ou
    outras), deve haver um intervalo mínimo de 30 dias
    para a doação •
    Comparecer entre 2ª e 6ª feira, das 8:00 às 12:00, sem agendamento e
    ter disponibilidade de 10 a 15 minutos - será retirado somente uma pequena quantidade para analise.(como um exame de sangue)
    Para poder doar as plaquetas (mais importante neste momento), aqueles
    que tiveram sua analise aprovada deve atender:
    Idealmente ter feito a analise acima (ou outra doação recente)
    Ter disponibilidade de aproximadamente 2 horas
    Agendar junto ao Hemonet o melhor horário para a doação
    Referência do Procedimento:
    http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=1680
    Informar que a doação é para Oliver Kligerman, que está na Clinica São
    Vicente - Gávea.

    2 – Cadastramento como potencial doador de medula-a doação de medula
    é um procedimento em que se tira uma
    pequena quantidade de sangue pela região da bacia (não há
    necessidade de internação)
    Local: Hemorio (Rua Frei Caneca, 8) – Telefone:
    0800-282-0708 / 2332-8611 – todos os dias de
    7:00 às 18:00 ou Inca (Praça Cruz Vermelha, 23 / 2° andar) – Telefone: 2506-6064 /
    2ª a 6ª das 7:30 às 14:30, sábados de 8:00 às 12:00.
    Referência do Procedimento:
    http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=64 – retirada de apenas 5
    ml de sangue
    IMPORTANTE: independe do tipo sanguíneo – todos
    podemos nos cadastrar (inclusive menores de 18
    anos também). Procedimento muito simples.
    Informativo do Hemorio:
    http://www.hemorio.rj.gov.br/Html/Doacao_medula_ossea.htm#1
    Informar que a doação é para Oliver Kligerman, que está na Clinica São
    Vicente - Gávea.

    Cadastramento em outros Estados:
    http://www.ameo.org.br/interna2.php?id=18
    Informar que a doação é para Oliver Kligerman, que está na Clinica São
    Vicente - Gávea - Rio de Janeiro.

    3 – Além das ações acima, repassar esta mensagem para seus grupos de
    contatos para aumentar a base doadores de
    sangue/plaquetas e de medula, imperativo para a situação reportada.

    Veja abaixo texto original do pai do Oliver, Alberto Sergio sobre o caso.
    Obrigada a todos,
    Noemia Kligerman
    li>

    Comentários

    Posts Mais Lidos

    1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

    Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

    Relatório em 1996:

    O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

    No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

    José Ibrahim- um herói do movimento operário

    José Ibrahim- um herói do movimento operário

    1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
    Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
    Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

    Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

    Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

    DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

    - Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

    Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…