Pular para o conteúdo principal

2004 - Rio, Capital da democracia


Seja de lado, do alto, de frente, vista por trás o Rio é simplesmente lindo. No Centro, Leblon, em Madureira ele ressoa Brasil adentro levando consigo a magia de uma cidade generosa, hospitaleira, amável, toda beleza.
O Rio é calmo e agitado tudo depende do mar, ou do vento que ultrapassa dançando nas ramas das árvores que misteriosamente habitam suas florestas. O Rio é cidade com cara de felicidade, jeito de menina travessa, curvas de mulheres Niemeyerianas, símbolo de liberdade nacional. Democrática. Estupidamente democrática. O contrate social de cada bairro é sua forma mais sutil de enriquecimento. Afros, europeus, asiáticos, norte, sul, leste, oeste, o fascinante nordeste fazem dela uma exceção à regra. Porque o povo que comparte esta beleza, que respira este ar, biologicamente é especial.
Todas as raças desabrochando numa simbiose onde a diversidade cultural de cor,musicalidade, ritmo, harmonias, religiosidade, política e futebol são temas debatidos nas praias, churrascos, encontros de fim de tarde, na hora corrida do almoço, nas caminhadas domingueiras nos calçadões do Méier ou Copacabana, nas feiras onde o colorido dos vegetais e frutas bailam presunçosos ao som das palavras de ordem dos feirantes, fazendo a diferença das grandes pequenas cidades endinheiradas.
O Rio é terno, suave, meigo no amanhecer apaixonado no por do sol. Violentos somos nós que permitimos, omitimos, calamos, aceitamos passivamente quando governantes inescrupulosos depredam nossas escolas, colocam nas ruas nossas crianças, diminuem o salário dos educadores, fecham cinemas, violentam nossos hospitais. Violento é o nosso silêncio, poucos vezes quebrado diante de uma perda irreparável. Violentos os que preferem passar despercebidas aos problemas do vizinho ao lado.
Por que refletir com cautela ao dar seu voto. Porque não ajudar aos menos informados a escolher a pessoa que dará o devido valor ao ar que respiramos, a poluição da baia, as crianças perdidas nas noites sujas, a sociedade desamparada.
Por que em lugar do descaso não damos as mãos num gesto simples de solidariedade – postura ética e moral difícil de ser aplicada eu sei, não mudamos o rumo do Rio. Porque não largamos em um canto o egoísmo vital para muitos, dividimos um pouquinho do que temos, não o que nos sobra e investimos em atenção, em fiscalização, em respeito a esta cidade maravilhosa que apesar das pauladas do dia a dia, como fênix ressurge das cinzas e enriquece nosso país.

Marilia Guimaraes - Rio de Janeiro, 22 de abril de 2004

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…