Pular para o conteúdo principal

2003 - A vivo e a cores o homen presencia a invasao covarde ao Iraque pelos EUA

19 de março de 2003, os Estados Unidos apoiado pelo governo ingles, da inicio ao bombardeio do território iraquiano.George W. Bush, numa ação pensada, parte da política externa estadunidense, caracterizada pelo imperialismo desencadeia uma nova guerra.
Apesar do discurso contra o terrorismo e a possibilidade de o Iraque possuir armas de destruição em massa, o que esta por trás do ataque são os interesses econômicos da indústria bélica, do setor petrolífero e de financistas dos Estados Unidos, que percebem que a ascensão do euro, se tornando um padrão monetário cada vez mais estável, ameaça o dólar enquanto moeda utilizada nas transações internacionais.
Todas as tentativas do governo americano de justificar a atual ofensiva contra o Iraque não encontram nenhuma sustentação no direito internacional e em nenhuma resolução da ONU, ao contrário, passa por cima da Organização das Nações Unidas, colocando-a numa situação delicada do ponto de vista internacional. Percebemos uma guerra com o objetivo de ampliar o domínio mundial através do controle das reservas de petróleo e a formação de governos fantoches.
Uma guerra com novas armas, novas tecnologias, um unico objetivo: seguir tentando dominar o mundo, pela forca porque como disse Lennon - The dream is ower. O sonho americano acabou. Resta para os anos vindouros descobrirem esta verdade e lutar pela soberania de nossos povos.
O presidente de Cuba, Raúl Castro, afirmou nesta sexta-feira, 3, que em meados de 2003 foi o momento em que Cuba correu o maior perigo de uma agressão militar por parte dos Estados Unidos desde a crise dos mísseis de 1962, o que obrigou a ilha a intensificar os preparatios defensivos. "Foi um dos momentos mais perigosos que nosso país viveu, depois da crise dos foguetes de 1962”, afirmou o presidente, segundo o jornal oficial Granma.

Cuba, e os ataques do imperio

Raúl, era ministro das Forças Armadas Revolucionárias (FAR), comentou, em uma reunião do Conselho de Defesa Nacional, máximo órgão estatal encarregado da segurança, que em julho de 2003 Cuba se inteirou de um plano do então secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, de realizar um ataque em massa contra a ilha.

Segundo o jornal, esta ideia foi apoiada - em uma reunião do Conselho de Segurança Nacional - pelo vice-presidente Dick Cheney e o presidente George W. Bush. "Essa situação motivou que o Plenário Extraordinário do Comitê Central do Partido Comunista, realizado em 15 de julho de 2003, decidisse incrementar e acelerar as medidas dirigidas a fortalecer a defensa do país”.

Cuba viveu em 1962 sua pior crise militar devido a um foco de tensão mundial pela instalação na ilha de foguetes soviéticos, o que colocou o mundo à beira de uma guerra nuclear.

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…