Pular para o conteúdo principal

1999- O bug do Mileno sera a fome, a miseria, a falta de etica, de impunidade.



Africa - 1999

O Bug do Milenio
Como será lembrado o "bug do milênio"? Como um exemplo de sensacionalismo da imprensa ou um fracasso de proporções épicas na preparação para desastres?
Nas últimas semanas de 1999, abundavam previsões contraditórias sobre o tão antecipado problema com os softwares de computadores. Mas uma coisa era clara: mesmo que nada acontecesse em 1 de janeiro, 2000, consertar o problema do bug do milênio foi um dos investimentos em infra-estrutura mais caros da história.Ao contrário de outros projetos de infra-estrutura, porém, este não deixará nenhum legado visível; na melhor das hipóteses, só preservará as coisas como elas eram.

Embora dificilmente se venham a conhecer as cifras precisas, especialistas da indústria de software estimam que governos e empresas gastaram centenas de bilhões de dólares no mundo todo para garantir que seus computadores continuassem a funcionar adequadamente quando os códigos de data com dois dígitos passassem de "99" para "00" logo depois da meia-noite do dia 31 de dezembro. É difícil acreditar nessas cifras, mas o BID mesmo fornece um exemplo. Com menos de 2.500 empregados, o Banco é uma instituição pequena para os padrões comerciais; no entanto, precisou gastar US$17 milhões para preparar seus sistemas de computadores, telecomunicações e infra-estrutura. Grandes bancos comerciais multinacionais registraram gastos da ordem de US$200 milhões a US$600 milhões cada.

Embora os gastos na América Latina e no Caribe tenham sido modestos comparados aos da Europa e Estados Unidos, ainda assim foram significativos. Lee Tablewski, assistente de pesquisa sênior do Centro Norte-Sul da Universidade de Miami, está acompanhando há vários anos o fenômeno do bug do milênio. Baseado em entrevistas pessoais com os coordenadores nacionais dos programas que tratam do bug do milênio nos oito países do gráfico ao lado, Tablewski estima que a região gastou pelo menos US$15 bilhões com os preparativos.

Boa parte desse dinheiro foi paga a consultores e fabricantes de software especializado encarregados da tarefa entediante de esquadrinhar os programas de computador em busca de códigos de data errados, corrigi-los e testá-los. Em vez de corrigir programas antiquados, porém, muitas empresas e organizações optaram por resolver o problema do bug do milênio simplesmente comprando novos computadores e programas com garantia de sobreviver à mudança de data. Nesse sentido, a crise do milênio pode ter tido um aspecto positivo. "Não há dúvida de que ajudou a modernizar a infra-estrutura de organizações que planejaram com antecedência", diz Ricardo Miranda, coordenador das atividades do BID relativas ao bug do milênio.

Miranda também acredita que o problema será lembrado como uma bênção disfarçada porque forçou empresas e governos a reconhecer sua interdependência e pensar seriamente a respeito de prevenção de desastres e planos de contingência em geral. "Há certas redes, como as que controlam telefones e tráfego aéreo, que são intrinsecamente globais", diz ele. "Todos os países que fazem parte da rede precisam estar preparados. Mas o bug do milênio mostrou também que em muitas áreas não estamos preparados para responder rapidamente a crises graves. Não tínhamos nem 1% dos planos de contingência que precisávamos ter para essas coisas. Agora estamos um pouco melhores, o que é um resultado positivo."

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…