Pular para o conteúdo principal

CONVOCAÇÃO PARA O APOIO DO PRÊMIO NOBEL DA PAZ AO CONTINGENTE INTERNACIONAL DE BRIGADAS MÉDICAS CUBANAS HENRY REEVE



Para adesão acesse aqui: https://brigadasmedcuba.com

O reconhecimento do respeito ao ser humano e a entrega para salvar vidas fizeram dos Médicos Cubanos uma referência internacional de solidariedade.
Cuba, em nome da defesa da humanidade, comprometeu -se na área da saúde a cuidar das populações pobres do planeta. As missões humanitárias cubanas se estenderam pelos quatro continentes e apresentam um caráter único.
Henry Reeve foi um jovem americano que, em 1878, saiu do Brooklyn (EUA) para incorporar-se ao exército Mambi e lutar na primeira guerra de independência da Republica de Cuba. Hoje o Contingente Internacional de Médicos Especializados em Situações de Desastre e Epidemias Graves, que leva o seu nome, atuam há décadas em vários lugares no mundo: no Peru, em 1970; em Pisco, em 2007; no Haiti, na crise da cólera; em países da África, no combate ao ebola, entre muitos outros.
Atualmente, as brigadas estão presentes em 24 países da América Latina e Caribe; em 27 países da África Subsaariana, em dois do Oriente médio e África setentrional; em sete países da Ásia. 
Na luta contra o COVID 19, os médicos cubanos não hesitaram a se juntar aos médicos chineses. Em 22 de marco de 2020, aportaram na Lombardia, Itália desempenhando uma assistência fundamental. 
No Brasil, na década de 1990, a cidade de Niterói implantou o “Programa Médico de Família” aos moldes do Programa Cubano. Esse Programa funciona há 28 anos nas comunidades carentes com grande êxito e fez uma história fabulosa de atendimento domiciliar e hospitalar.
O Programa Mais Médicos, implantado no Brasil em 08/06/2013, chegou às regiões de pobreza extrema, de alto risco de vida como favelas do Rio de Janeiro, de São Paulo, da Bahia, de Minas Gerais, dando ênfase a 34 reservas indígenas, sobretudo na Amazônia.
Em 3.600 municípios, o Programa atendeu 60 milhões de brasileiros, assistidos por médicos cubanos em todas as especialidades médicas.
Amplamente reconhecido pelos governos Federal, Estadual, Municipal e principalmente, pela população, segundo estudo realizado pelo Ministério da Saúde do Brasil, junto com a Universidade Federal de Minas Gerais, o grau de aceitação entre a população atinge a 95 por cento.
Diante da grandeza e solidariedade dos médicos cubanos, que estão salvando vidas como objetivo principal, é que pedimos sua adesão de apoio ao Prêmio Nobel da Paz de 2021 ao Contingente Henry Reeve de brigadas médicas cubanas.
Para adesão acesse aqui: https://brigadasmedcuba.com/ 

Marilia Guimarães - REDHBRASIL – Rede de Intelectuais, artistas e movimentos sociais em defesa da humanidade – Capítulo Brasil e Movimento Brasileiro de Solidariedade a Cuba

Firmam este documento: Sociedade Civil e Entidades:
Leonardo Boff – Filosofo/ Teólogo
Frederico Mayor Zaragosa – Poeta 
Márcia Tiburí - Filosofa 
Márcia Miranda – Teóloga
Adolfo Pérez Esquível – Prêmio Nobel da Paz (1980)
Quim Torra – Presidente do Governo da Catalunya
João Vicente Goulart – Presidente do Instituto João Goulart
Fernando de Moraes – Escritor
Berenice Guayasamin - Diretora da Fundação Guyasamin
Francisco Buarque de Hollanda – compositor/intérprete
Felipe Redicetti – Maestro/compositor
Monserrat Ponsa Tarrés – Escritora 
Carol Proner – Jurista
Ana Buarque de Hollanda – intérprete /compositora
Jandira Feghalli – Deputada Federal
Leticia Spiller – Atriz

Comentários

Posts Mais Lidos

1996 - Direitos Humanos violados no Brasil e no Mundo

Ao longo das últimas décadas, o Brasil assinou uma série de convenções, tratados e declarações que visam a garantir os direitos humanos fundamentais em nosso país. Apesar disso, diariamente, pessoas sofrem por terem seus direitos violados. São humilhadas, maltratadas e, muitas vezes, assassinadas impunemente. Tais fatos repercutem mundialmente, despertando o interesse de diversas organizações não-governamentais, que se preocupam em garantir os direitos acima mencionados, como a Human Rights Watch, que, anualmente, publica uma reportagem sobre a situação dos direitos humanos em diversos países do mundo, e cujos relatos sobre o Brasil, nos anos de 1996 e 1997, serviram de base para o relato exposto a seguir.

Relatório em 1996:

O ano de 1996, no Brasil, foi marcado por massacres, violência rural e urbana, más condições penitenciárias e impunidade gritante.

No dia 19 de abril, em Eldorado dos Carajás, Pará, a Polícia Militar, com ordem para evitar que cerca de duas mil famílias ocupassem …

José Ibrahim- um herói do movimento operário

José Ibrahim- um herói do movimento operário

1968 marcou o século XX como o das revoltas - estudantis operárias, feministas, dos negros, ambientalistas, homossexuais. Todos os protestos sociais e mobilização política que agitaram o mundo como a dos estudantes na França, a Primavera de Praga, o massacre dos estudantes na México, a guerra no Vietnã se completam com as movimentos operários e estudantil no nosso pais. Vivíamos os anos de chumbo, o Brasil também precisava de sua primavera.
Em Contagem, região industrial da grande Belo Horizonte, Minas Gerais, abriu caminho as grandes greves metalúrgicas coroada pela de 1968 em Osasco - região industrial de São Paulo onde brasileiros de fibra e consciência, miscigenam suas origens e raízes abalizadas pela particularidade brasileira, em plena luta contra a ditadura militar.
Jose Ibrahim, 21 anos, eleito para a direção Sindical, jovem, líder por excelência, simplesmente parou todas as fábricas de Osasco, na época pólo central dos movimentos de …

Inez Etienne - única sobrevivente da casa da morte em Petrópolis

Única sobrevivente da Casa da Morte, centro de tortura do regime militar em Petrópolis. Responsável depois pela localização da casa e do médico-torturador Amílcar Lobo. Autora do único registro sobre o paradeiro de Carlos Alberto Soares de Freitas, o Beto, que comandou Dilma Rousseff nos tempos da VAR-Palmares. Última presa política a ser libertada no Brasil. Aos 69 anos, Inês Etienne Romeu tem muita história para contar. Mas ainda não pode. Vítima há oito anos de um misterioso acidente doméstico, que a deixou com graves limitações neurológicas, ela luta para recuperar a fala. Cinco meses depois de uma cirurgia com Paulo Niemeyer, a voz saiu firme:

DIREITOS HUMANOS: Ministra acredita na aprovação da Comissão da Verdade no primeiro semestre deste ano

- Vou tomar banho e esperar a doutora Virgínia.

Era a primeira frase completa depois de tanto tempo. Foi dita na manhã de quarta-feira, em Niterói, no apartamento onde Inês trava a mais recente batalha de sua vida. Doutora Virgínia é a fi…